SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Insatisfeitos com proposta do governo, professores realizam nova assembleia

Categoria está paralisada desde 15 de outubro. Segundo Sindicato, reunião com a Casa Civil na tarde de ontem "deu um passo atrás" na negociação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/11/2015 11:26 / atualizado em 11/11/2015 16:41

Marcelo Ferreira/CB/DA Press
Os professores realizam na manhã desta quarta-feira (11) mais um ato de greve na Praça do Buriti. A categoria reuniu-se ontem com representantes da Casa Civil para discutir as demandas da categoria. Segundo o Sindicato dos Professores (Sinpro-DF), o governo do Distrito Federal firmou o compromisso de apresentar uma contraproposta contendo uma resposta aos itens avaliados pelos docentes. Segundo a Polícia Militar, cerca de 2 mil manifestantes estão no local.

 

Segundo o Sindicato, a reunião realizada ontem "deu um passo atrás e conseguiu piorar a proposta apresentada na semana passada". Com 17 itens, a nova proposta oficializa as Organizações Sociais (OS) como método de privatização da educação. Além disso, Rollemberg manteve o corte de ponto e a multa de R$ 400 mil por dia para o Sindicato. O governo também manteve o pagamento das tabelas salariais a partir de outubro de 2016 e previsão de pagamento do retroativo somente em janeiro de 2017.

 

Cerca de 40 professores estão reunidos da Câmara Legislativa para discutir uma nova proposta do governo de negociação. Um novo documento foi entregue aos professores na noite de terça-feira (10), com a mudança de alguns pontos. Entre as alterações estão a retirada do item que aborda a reposição dos dias parados e a afirmação de que a educação não será terceirizada, mas que o atendimento de crianças de zero a cinco anos ficará a encargo de creches conveniadas.

 

“O documento novo é pior que o anterior. O governo continua descumprindo a lei e as mudanças no documento trazem mais insegurança sobre o possível avanço das negociações. Viemos para a Câmara na tentativa de pressionar os deputados para que eles peçam alguma atitude do governo”, afirmou Gabriel Magno, 29 anos, diretor do Sindicato dos Professores (Sinpro-DF). No momento, os deputados se encontram em Sobradinho II, por conta do projeto Câmara em Movimento, mas eles devem retornar na parte da tarde e, possivelmente, uma negociação será feita com a presidente da Câmara, Celina Leão. 

 

O governo ficou de apresentar nova proposta nesta quarta-feira (11).  

publicidade

publicidade