publicidade

Expectativa é de fim de greve: docentes se reúnem no Buriti para assembleia

Um documento contendo todas as propostas do GDF foi confeccionado na noite de ontem pela categoria e será objeto de análise e avaliação durante a assembleia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/11/2015 10:33 / atualizado em 12/11/2015 12:20

Nathália Cardim /

Os professores de escolas públicas do DF, parados há quase um mês, iniciaram uma nova assembleia na manhã desta quinta-feira (12/11), em frente ao Palácio do Buriti. É o mesmo local onde a categoria se reuniu na quarta-feira (11/11) e que foi palco de quebra-quebra, confusões e vandalismo. Para conter os manifestantes, policiais militares usaram spray de pimenta.

Gustavo Moreno/CB/D.A Press

Até o momento, o ato é pacífico. Os trabalhadores se reúnem próximos ao carro de som. Alguns estão vestidos com camisetas estampadas com frases de protesto. A categoria busca, entre outras coisas, o pagamento de reajustes salariais aprovados em 2013, os quais o Governo do Distrito Federal (GDF) sinalizou que quitaria apenas em outubro de 2016. Além disso, visa assegurar o abono administrativo das faltas meio à paralisação e o pagamento dos dias parados - fato que, inicialmente, Rollemberg anunciou que não faria. A recomendação partiu do Ministério Público.

Gustavo Moreno/CB/D.A Press

Leia mais notícias em Eu, Estudante

Um documento contendo todas as propostas do GDF foi confeccionado na noite de ontem pela categoria e é objeto de análise e avaliação durante a assembleia. Participam da assembleia o deputado distrital Wasny de Roure e a deputada federal Érika Kokay.
 
Ilegalidade
O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) decidiu, nesta quarta-feira (11/11), manter a ilegalidade das paralisações na saúde e na educação. Com isso, os sindicatos grevistas permaneceriam com a multa de R$ 300 mil e R$ 400 mil por cada dia não trabalhado, respectivamente.

Mesmo diante da decisão, após uma reunião entre integrantes da categoria, o governador Rodrigo Rollemberg e representantes da sociedade civil, o Executivo cedeu em dois pontos: rever a questão da multa diária de R$ 400 mil aplicada à entidade durante a paralisação e a reposição do calendário.

Por volta do meio-dia, os professores votaram pela suspensão da greve. Antes da do anúncio, o  diretor do Sindicato dos Professores do Distrito Federal (Sinpro-DF) Gabriel Magno discursou em favor do fim da paralisação. "Nós vamos voltar para as salas de aula amanhã com a cabeça erguida, de quem fez 29 dias de greve e enfrentou o governo. Temos que enfrentar o GDF, não só nas ruas, mas no dia a dia da escola também. Vamos continuar mobilizando a categoria para conseguir mais vitórias. A batalha não está encerrada", argumentou.

De braços cruzados
 
  • Professores
  • Médicos
  • Companhia Energética de Brasília (CEB)
  • Metroviários
  • Instituto Brasília Ambiental (IBRAM)
  • Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) 

publicidade

publicidade