SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Favorável ao impeachment, Cristovam Buarque é hostilizado no Senado

O senador, ex-ministro da Educação do governo Lula, foi um dos 61 senadores que votaram a favor do afastamento definitivo de Dilma Rousseff da Presidência da República

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/09/2016 14:57 / atualizado em 01/09/2016 15:04

Minervino Junior/CB/D.A Press

Um dia após o Senado aprovar o impeachment de Dilma Rousseff, a Casa amanheceu nesta quinta-feira (1º) com corredores praticamente vazios e quase nenhum senador. Nem de longe o Senado lembrou a agitação dos últimos dias. A manhã só não foi tranquila para o senador Cristovam Buarque (PDT-DF).

Presidente da Comissão de Educação, única a manter a agenda de hoje, Cristovam teve de encerrar os trabalhos bem antes do previsto, depois de ter sido hostilizado por professores e alunos de escolas do Distrito Federal. Ex-petista e ex-ministro da Educação do governo Lula, ontem Cristovam foi um dos 61 senadores que votaram a favor do afastamento definitivo de Dilma Rousseff da Presidência da República.

“De repente, comecei a ouvir os gritos de golpista, golpista, golpista. Fiquei nove anos fora do Brasil para não conviver com golpistas. Não quero que ninguém conviva com golpistas. Como ali eles achavam que a mesa estava sendo comandada por um golpista, em homenagem a eles, que não têm coragem de se exilar, como eu fiz, preferi sair e suspender a sessão”, explicou o senador.

Cristovam acrescentou que não se sentiu agredido, mas incomodado. “Tanto que saí passando pelo meio dos manifestantes e ninguém tocou um dedo em mim.” Para não alimentar ainda mais o clima hostil, Cristovam convidou os manifestantes que estavam sentados no plenário da comissão a se posicionar atrás dele com os cartazes com inscrições “golpista”.

 

De acordo com o senador, desse modo as câmeras da TV Senado poderiam registrar melhor o protesto.

 

Leia mais notícias sobre educação.

 

“Golpistas, fascistas, não passarão”. Com essa frase e aos gritos de “Fora Temer!”, o grupo deixou a sala da comissão conduzido até a saída do Senado pela Polícia Legislativa da Casa.

“Estávamos saindo e fizemos referência ao “ Fora Temer” porque viemos falar de liberdade de expressão. Dentro da audiência teve ainda uma galera que começou a gritar "Tchau, querida!”, disse a presidente da União dos Estudantes Secundaristas do Distrito Federal (Uesdf), Taís de Oliveira Soares

publicidade

publicidade