SIGA O
Correio Braziliense

Professor acusado de assédio por alunas é suspenso da UnB por 60 dias

A apuração do caso teve início em 2015 após alunas denunciarem o professor por meio da campanha #meuamigosecreto, nas redes sociais. Universidade alega que docente "faltou com a conduta moral adequada e o trato urbano com relação a convivência"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/04/2017 18:31 / atualizado em 25/04/2017 18:40

 

 

A Universidade de Brasília (UnB) suspendeu, por 60 dias, o professor de audiovisual Mauro Giuntini. O ato, assinado pela reitora, Márcia Abrahão, foi publicado na terça-feira da semana passada (18/4) e reconhece que Giuntini infringiu a lei que dispõe sobre o comportamento exigido do servidor público. O docente lecionava na Faculdade de Comunicação (FAC) da universidade e se defende. "Não cometi nenhum assédio com nenhum dos meus alunos. Essa afirmação é falsa, uma inverdade. Estão caluniando a minha pessoa", argumenta o professor.


Em dezembro de 2015, o Conselho da FAC enviou à reitoria um dossiê com relatos de alunas que teriam sido vítimas dele, em sala de aula. O documento, organizado pelo Centro Acadêmico de Comunicação Social (Cacom/UnB), apresentou relatos de que o docente fazia comentários machistas e obrigava as jovens a ficarem em posições constrangedoras durante atividades da disciplina. As denúncias referem-se a abusos ocorridos em diversos semestres e vieram à tona por meio da campanha #meuamigosecreto, nas redes sociais.

 

À época, nas redes sociais, os relatos das alunas apontavam que o professor Mauro Giuntini exigia que os estudantes ficassem de quatro, como animais, sob a justificativa de que a atividade "ajudaria na formação profissional". Mesmo quem estava de saia era obrigada a participar da dinâmica, de acordo com um dos posts. Quando elas manifestavam desconforto em cumprir o que o docente pedia, em razão do traje, ele ignorava os apelos. Em outra aula, segundo o documento, o professor teria comentado, de forma constrangedora, sobre as pernas de uma aluna que estava de short.

 

Procurado pela reportagem, Giuntini se defende "Estão me acusando de fatos que não cometi, estão sendo distorcidos fora do contexto com objetivo de me prejudicar. O processo tem várias falhas e essa sanção aplicada é desproporcional aos fatos que constam nos autos e por isso vou recorrer”, disse o docente afastado.

 

Ainda cabe recurso da decisão. Em nota, a Universidade de Brasília diz que prefere não se pronunciar sobre o caso.