Estudantes antenados com a atualidade têm mais chance de se dar bem no Enem

Aluno deve dialogar com os temas mais relevantes sobre conteúdos ligados à realidade em que vive

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 31/10/2012 09:39 / atualizado em 31/10/2012 08:43

Portal Uai

Ler e se informar. Não interessa se por meio de jornais, revistas ou internet, o importante é estar antenado com tudo de relevante no mundo. Na sexta e última matéria da série especial sobre as áreas de competência do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o Estado de Minas traz as principais apostas de atualidades a serem cobradas no exame. Não há uma prova específica sobre o assunto, pulverizado ao longo do teste, nas mais diversas questões. Seja na redação, na matemática, na física, na biologia ou em outra disciplina, o candidato deve provar uma das principais habilidades exigidas: que está afiado em conhecimentos gerais.

Quem dá as dicas hoje é o coordenador de ensino e professor de atualidades e história do Colégio Espanhol Santa Maria Cidade Nova, Ronaldo Henrique Giovannini. Segundo ele, temas mais recentes e mais relevantes são os mais cobrados e a preferência é para o que tem destaque na mídia. Com base nisso, uma das grandes apostas é a crise mundial e a situação de países como Grécia, Espanha e Portugal. “O tema envolve todo o mundo e dele podem ser tiradas questões ligadas à balança comercial e aos desdobramentos disso, como a eleição na França, onde o ex-presidente Nicolas Sarkozy não foi reeleito, o fortalecimento da Alemanha e o posicionamento da Inglaterra, que está à parte. E não tem como falar da crise de agora sem voltar a 2008”, pontua.

As eleições nos Estados Unidos e o Oriente Médio com a Primavera Árabe são outros destaques. “Essa é uma questão milenar, que tem reflexos em posicionamentos políticos”, comenta. O papel da China em todo esse contexto, com os problemas de apoio às Coreias, o fato de ela ser o “fiel da balança” na questão econômica mundial e as acusações, por parte dos EUA, de pirataria e manipulação da própria moeda, também merecem atenção.

No Brasil, entram em pauta aspectos da infraestrutura na qual se está investindo, como transporte, aeroportos e estradas, por causa dos megaeventos que virão – Copa das Confederações (2013), Copa do Mundo (2014) e Olimpíada (2016). Outra possibilidade são os centenários de personalidades, como o do ex-presidente Juscelino Kubitschek (1902–1976). A Rio + 20 também é forte candidata, tendo em vista o papel mediador do Brasil, segundo o professor. “O país precisou assumir a condução dos trabalhos, porque estavam emperrados, tanto que houve apenas intenção e não propostas, que foram deixadas para uma data posterior”, relembra. Código Florestal e mensalão ficam na berlinda e a expectativa é de que não sejam abordados: “Há um patrulhamento grande em termos de questões de cunho político, que são propagandas do governo”.

Ronaldo Giovannini ressalta que, embora seja típico das ciências humanas, é atualidade  falar também de avanços tecnológicos na biologia, física e química. É um conhecimento que envolve e dialoga com outras ciências. Assim, quando se fala de acelerador de partículas estão implícitas questões políticas. Sobre o vencedor do Prêmio Nobel, não se pode deixar de pensar nas implicações disso para a Europa. Ele destaca que o aluno deve ter o mínimo de conhecimento em outras áreas para fazer o Enem. “Costumo brincar em sala, de forma exagerada, que o médico pode matar se não lê jornal. Se ele não sabe que há casos de dengue na cidade de origem do paciente que busca atendimento na capital reclamando de dor no corpo, pode receitar aspirina, o que é contraindicado”, diz.

Sentido

O professor enfatiza que o Ministério da Educação espera que o aluno dialogue com os temas mais relevantes e que dê sentido aos conteúdos de maneira geral, numa imposição da realidade em vive. “Antigamente, os estudantes perguntavam muito para quê aprendiam determinada matéria. Os questionamentos diminuem à medida que eles crescem, pois entendem não somente para quê, mas o quê tem a ver com a área de interesse dele. Por exemplo, alguém do direito deve lembrar que há medicina legal, logo, os conhecimentos prévios em biologia são importantes.” Para quem não gosta de ler, fica a dica: “Falo para meus alunos escolherem uma revista semanal cuja formatação mais os agrada. Comece de trás para frente e folheie, pois, se se interessar por alguma parte, uma foto ou título chamativo, vai parar e ler, e assim criar o hábito”.

Para os jovens, a internet se tornou a grande aliada na busca por notícias. A aluna Laura Elisa Silva Reis, de 17 anos, candidata a medicina, tem nas redes sociais o principal parâmetro de leitura. “Leio bastante, mas não tanto no papel. Pela internet posso ter várias visões, pois consigo ler diferentes publicações”, conta. O balizador são as pílulas de informação: aquelas que mais interessam ou merecem atenção para a prova, Laura entra nos sites para ler a reportagem completa. Os assuntos também são aprofundados por meio de blogs ou vlogs (blogs em vídeo). “Nunca será pedido do candidato saber algo específico. Ele deve saber do que se trata e as implicações daquilo. No Oriente Médio, devo saber que estão derrubando ditadores, mas não quais são eles. É preciso interpretar”, diz.

O estudante Odilon Moreira Guedes Neto, de 18, também é adepto da internet, embora leia revistas semanais. “Quando é notícia cujo tema acredito poder ser cobrado, pesquiso em vários sites e jornais para aprofundar”, afirma. Candidato a uma vaga em engenharia ambiental, ele aposta em questões que cobrem conhecimento sobre Oriente Médio, uso consciente da energia e crise europeia. “Pode envolver ainda sociologia, com questionamento do capitalismo como modelo econômico”, ressalta.

Dicas de preparação

ANTES DA PROVA
1) Dormir bem (reacostumar o corpo a relaxar)
2) Alimentar-se esta semana com horário definido e leve, evitando gordura e bebendo muita água
3) O candidato não vai aprender numa semana o que não aprendeu em 11 anos de estudo. A leitura deve ser leve e assistir a canais de documentários ajudará a se manter atualizado, sem estresse
4) Ter tranquilidade e fazer as coisas sem muita pressa
5) Apoio da família. Não transferir ansiedade para os filhos.

NA HORA DA PROVA
1) Se parar numa questão, pular para seguinte
2) Em questões com enunciado grande, ler primeiro as perguntas e depois o texto para não se perder imaginando o que será pedido
3) Ler o enunciado até o fim
4) Normalmente, nas questões de atualidade pode se encontrar elementos que ajudem a responder outras
5) Se ficar em dúvida e parar na questão, marque a opção que achar certa e pule, pois o pensamento contínuo ajuda a encontrar a resposta

Fonte: Ronaldo Henrique Giovannini, coordenador de ensino e professor de atualidades e história do Colégio Espanhol Santa Maria Cidade Nova


Diário de classe
Tiago Valério Martins Diniz, professor de geografia do Colégio Espanhol Santa Maria Cidade Nova

Saber interpretar é fundamental
 
“O estudo sobre atualidades desenvolvido no Colégio Espanhol Santa Maria tem uma função central dentro do processo de ensino e aprendizagem. Seu caráter transdisciplinar proporciona uma formação ampla do aluno dentro dos mais diversos conteúdos. Mais do que prepará-lo para os concorridos vestibulares, por meio ou não do Enem, o estudo de atualidades visa desenvolver a capacidade de interpretação frente aos complexos acontecimentos da realidade brasileira e mundial. Num mundo extremamente dinâmico e dentro de uma sociedade ávida por uma informação pela informação (muitas vezes fugaz), é fundamental problematizar, junto com este aluno, os desdobramentos dos diversos fatos e versões contemporâneos.”
Tags: