SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Treino intenso

O teste de aptidão física será o principal desafio para os candidatos a uma das vagas oferecidas pela Marinha. Na prova escrita, cairá português e matemática

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/03/2013 10:31 / atualizado em 11/03/2013 10:32

Os candidatos às 1.620 vagas de fuzileiro naval terão de trabalhar a mente e o corpo para garantir a classificação no concurso organizado pela Marinha do Brasil. Além do teste de aptidão física, ainda sem data marcada, os candidatos precisarão responder a questões de matemática e de português na prova escrita de 4 de junho. As inscrições estarão abertas em 18 de março, para homens de 18 a 21 anos com ensino fundamental completo. Os aprovados participarão de um curso de preparação por 17 semanas até a nomeação como soldado fuzileiro naval.

A parte prática dos concursos na área militar é o que deixa os candidatos mais apreensivos. “A falta de preparação prévia é o que elimina nessa prova”, afirma o professor de educação física Wesley Rocha, do curso preparatório Gran Cursos. Porém, ele admite que as atividades descritas no edital serão fáceis para a maior parte dos candidatos. O postulante à vaga de fuzileiro naval terá de nadar 50m em até dois minutos, correr 3,2km em menos de 19 minutos, fazer 38 abdominais em 60 segundos e ainda três flexões na barra. “É um teste mais tranquilo, com tempo para repetições generoso”, comenta Rocha.

Mesmo assim, o professor acredita que a preparação deve ter início já. “Para quem está parado, é bom começar a fazer atividades físicas de 40 minutos, três vezes por semana, a partir de três ou quatro meses antes da prova”, explica. Para Rocha, o melhor é o candidato treinar a resistência em corridas longas, sem exagerar na velocidade. “O importante é tentar se manter correndo sem se cansar durante 19 minutos”, sugere. A corrida e os treinos de abdominais e barra podem ser feitos em locais públicos, como os Pontos de Encontro Comunitários (PEC) espalhados pelo Distrito Federal, que oferecem equipamentos para esses tipos de exercício. “São trabalhos que não exigem muito tempo e podem ser feitos com tranquilidade”, explica.

Rotina

Os treinos para o concurso que selecionará novos fuzileiros fazem parte da rotina do estudante Gean Fernandes Júnior, 19 anos. Ele corre 5km todas as manhãs perto de onde mora, em Samambaia Norte. “Preciso me preparar bem, porque, geralmente, o teste físico é o que mais reprova”, acredita. Ele faz com tranquilidade exercícios de abdominais e barra. “Não basta conseguir fazer o que eles pedem naquele espaço de tempo, tenho também que me preparar para fazer mais do que o necessário e driblar a pressão dos avaliadores.”

Gean, que cursa supletivo para concluir o ensino médio, não deixa de cuidar dos estudos de matemática e língua portuguesa. Porém, ele acredita que não terá problemas para obter boa pontuação no exame. “Imagino que a prova teórica será a parte fácil do concurso, já que é de nível fundamental”, diz. Ele considera a disciplina de português a mais difícil. “Não gosto dessa matéria, mas é a que eu estudo com mais atenção para garantir a classificação”, conta.

Para a professora de língua portuguesa do curso preparatório Alub Selma Frasão, apesar de a seleção cobrar conteúdos do ensino fundamental, quem tem formação superior a essa também precisa estudar. “Mesmo quem tem ensino médio completo deve se dedicar aos estudos das disciplinas”, comenta. Selma alerta que a Marinha tem tradição em formular questões que vão além do básico. “Eles colocam mais dificuldade, principalmente em pontuação e análise sintática”, explica a especialista. Crase é outro assunto que pode ser explorado em itens mais elaborados da banca. “É preciso ter muito cuidado, porque o grande erro de quem tenta esse tipo de concurso é achar que a prova vai ser muito fácil.”

O alerta também vale para a prova de matemática. O professor Rogério Carrijo, também do Alub, reforça que a Marinha tem tradição em ser exigente, mesmo em provas de nível fundamental. “São exames tradicionais, que vão direto ao conteúdo, sem contextualizar muito”, afirma. Segundo ele, há assuntos quase obrigatórios em concursos do órgão. “Aplicações de mínimo múltiplo comum e máximo divisor comum, trigonometria, regras de três simples e composta e razão direta e indireta sempre aparecem”, relaciona. Carrijo alerta ainda que cálculos com sistemas de medida, como área e volume, além de problemas com números decimais, estarão no certame. “O candidato precisa resolver questões de livros bons de matemática fundamental e tentar entender a linguagem de provas antigas.”

O que diz o edital
Marinha

Cargo: soldado fuzileiro naval
Vagas: 1.620 (180 em Brasília)
Remuneração: R$ 590 (durante as 17 semanas de curso preparatório) e ]
R$ 1.250 (após a nomeação)
Inscrições: de 18 de março a 18 de abril
Taxa: R$ 20
Prova: 4 de junho (escrita)
Edital: www.ensino.mar.mil.br/marinhafn/ index_concursos.jsp?id_concurso=42
Tags:

publicidade

publicidade