SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

CONCURSOS »

16.893 vagas à vista e salário de até R$ 22 mil

A semana começa com ótimas alternativas para quem pretende entrar no serviço público

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/07/2013 18:00 / atualizado em 29/07/2013 13:15

Vera Batista

Carlos Moura

Para tentar conter gastos e reconquistar a confiança dos investidores, o governo decidiu suspender vários concursos e adiar nomeações de recém-aprovados. Mas, para quem está se preparando, ainda existem muitas oportunidades. Levantamento feito pelo Correio constatou que há 16.893 vagas disponíveis, em 55 órgãos federais, estaduais e municipais, com salários que chegam a R$ 22.854. O concurseiro, no entanto, deve ficar atento para não perder as boas chances. Apenas nesta semana, as inscrições se encerram em 26 instituições, que oferecem remuneração entre R$ 759 e R$ 14,280. O cargo mais disputado, segundo os especialistas, é o de auditor-fiscal do trabalho. São 100 vagas.


Por lei, findo o período de inscrição, a instituição tem que aplicar a prova em 30 ou 90 dias, dependendo do que estiver determinado no edital. É o momento de manter o foco nas matérias com maior peso e dedicar o máximo de tempo possível aos estudos, segundo o professor Ernani Pimentel, da Associação Nacional de Proteção e Apoio e Proteção a Concursos Públicos (Anpac). Ele aconselha que seja estabelecida uma metodologia de estudo dentro das possibilidades de cada um, que deve ser seguida rigorosamente. É importante superar o cansaço e criar o hábito de pegar nos livros ou nas apostilas todos os dias, mesmo que por alguns minutos.


“E quem eventualmente não conseguir uma boa nota dessa vez, não peca a esperança. A presidente Dilma Rousseff resolveu enxugar despesas, mas isso vai ocorrer apenas este ano. É evidente que, de 2014 em diante, outras vagas serão preenchidas e novas serão criadas”, tranquiliza Pimentel. A administração pública brasileira, segundo ele, deixa de prestar serviço de qualidade à população por ter carência de pessoal, ao contrário do que acontece em países desenvolvidos como Suécia, Dinamarca e Finlândia. A situação aqui vai se agravar ainda mais, em breve, devido às aposentadorias já programadas, mortes ou pedidos de demissão. “Mantenha o ritmo. Não deixe nada para amanhã”, reforça Pimentel.

Ansiedade

Na reta final, é comum os concurseiros ficarem ansiosos e com as estruturas emocionais abaladas. Alguns gastam tempo e dinheiro — as inscrições para as 16.893 vagas vão de R$ 21,58 a R$ 220 — e são traídos pelo nervosismo. De acordo com o professor Alexandre Maia, que escreveu o livro Preparo emocional para passar em provas de concurso, o ideal seria ter começado, com a dedicação aos estudos, um treinamento para dominar as sensações de mal-estar. Se não procurou a ajuda de um especialista, a saída, na reta final, é iniciar uma atividade física, para estimular o relaxamento muscular.
“A melhor delas é a caminhada, que ajuda, inclusive, a equilibrar o sono”, ensina Maia. Importante também é aprender técnicas de respiração. “Cada pessoa pode escolher a que achar melhor. Mas a forma mais simples é respirar lenta e profundamente pelo nariz, em torno de 20 vezes, pelo menos duas vezes ao dia, ou quando sentir que pode ser atacada pela insegurança”, explica. Ele aconselha, também, que, 15 dias antes da prova, o concurseiro não se arrisque em matérias novas. “Esse período deve ser dedicado à revisão de tudo aquilo que ele já viu”, reforça.

 

» Povo fala

 

 (Janine Moraes/CB/D.A Press ) 

Ralf de Matos Siqueira, 28 anos, sargento da FAB, Sítio do Gama
“A máquina pública não pode ficar parada. Estou estudando para a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e sei que o Brasil precisa de concursos na área de segurança pública.”

 

 

 (Janine Moraes/CB/D.A Press ) 

 

Jaqueline Nunes 30 anos, concurseira, Águas Claras
“Essa decisão veio como um balde de água fria. Acredito que existam outras formas de o governo economizar. Cortar a posse de servidores não
é uma delas.”

 

 (Janine Moraes/CB/D.A Press ) 

Rafael Botelho, 29 anos, contador, Candangolândia
“Fico apreensivo, porque fiz concurso da Polícia Federal e do Departamento Penitenciário Nacional (Depen). O jeito agora é me planejar para concursos dos outros Poderes.”

 

 (Janine Moraes/CB/D.A Press ) 

Alexssandro Dias de Souza, 30 anos, concurseiro, Cidade Ocidental
“Acho normal a medida. Na gestão do governo Lula, aconteceu a mesma coisa. Se alguns concursos forem adiados, será até melhor, porque terei mais tempo para estudar.”

Tags:

publicidade

publicidade