SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

No topo do Poder Judiciário

Regimento interno, noções de informática e direito administrativo são os temas que farão a diferença nos estudos para o concurso do STF

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/10/2013 20:00 / atualizado em 27/10/2013 16:59

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
O Supremo Tribunal Federal (STF) divulgou edital com 36 vagas. Além do posto de técnico administrativo, com sete oportunidades, o certame selecionará analistas para áreas como jornalismo, medicina e tecnologia da informação. As provas, previstas para 15 de dezembro, serão divididas em duas etapas: objetiva — conhecimentos básicos e específicos — e discursiva, que poderá cobrar texto de resposta ou estudo de caso, de acordo com o cargo pretendido. A banca responsável pelo certame é o Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe).

Os candidatos que estiverem preparados, têm boas chances de gabaritar a parte de noções de informática, relacionada em quase todas as áreas. “Podemos esperar uma prova não muito difícil, com oito itens em média. Com uma lista enxuta de assuntos cobrados, o candidato conseguirá passar por todo o conteúdo e pode chegar bem preparado à prova”, explica o professor do curso preparatório IGEPP André Alencar. Sobre os temas a serem avaliados, André pontua internet, Office e Windows 7 como os eixos das questões e recomenda a resolução de muitos exercícios. “Não tem segredo, nessa reta final, o candidato que já revisou os temas deve se aprofundar por meio de exercícios. A dica é fazer o máximo possível de questões recentes da banca”, aconselha.

Em direito administrativo, o foco dos concurseiros deve estar nos informativos dos tribunais federais. “O Cespe é uma banca que valoriza assuntos atuais. O candidato que for além das apostilas e buscar se informar sobre o que tem sido decidido recentemente sobre a área, sairá na frente”, explica Sandro Bernardes, autor do livro Direito Administrativo – FCC (Elsevier / 304 pág. / R$ 59,90). “O avaliado deve ter em mente a característica do Cespe em distribuir muito bem os itens do edital. Além de resolver o máximo possível de exercícios, uma boa estratégia é revisar todos os assuntos previstos para a prova”, completa. Já para o dia do teste, Sandro recomenda um plano de resolução. “Um erro comum dos concurseiros é ir para o certame sem saber o que fazer quando abrir o caderno de questões. Minha dica é traçar um roteiro e, antes de tudo, ler a proposta discursiva”, explica.

Estratégia
Se depender de estratégia, Victor Hugo Soares, 22 anos, está no caminho certo para a aprovação. O jovem, que concorrerá ao cargo de técnico administrativo, tem investido muito nos estudos. Com foco nas matérias em que possui mais facilidade, Victor conta também com o acompanhamento de dois coaches. “Estudo sim as específicas, mas dedico a maior parte do meu tempo para as matérias gerais. Nesse processo, tenho dois profissionais que me acompanham. Eles avaliam meu rendimento e me ajudam a traçar planos de estudo”, conta. Confiante, o candidato assume a dificuldade do concurso, mas está otimista sobre o resultado. “Será uma seleção disputadíssima, o STF é o sonho de muitos concurseiros. Porém, estou ciente da minha preparação e sei que minhas chances são boas”, analisa.

No entanto, para que Victor ou qualquer outro candidato conquiste a vaga desejada, será preciso estudar com afinco o Regimento do STF — uma das partes mais delicadas do edital. De acordo com o professor Ricardo Gomes, do Ponto dos Concursos, a tendência é de que a banca seja ainda mais exigente com o assunto em relação a certames anteriores. “Os concursos mais recentes, especialmente os elaborados pelo Cespe, têm revelado um gradativo aumento no nível de dificuldade das questões em todas as matérias. Nessa linha, as provas de regimentos e legislações vêm recebendo uma maior atenção do examinador. O candidato pode aguardar questionamentos bem elaborados, fugindo da velha decoreba”, comenta.

Na hora de estudar, Gomes sugere foco na composição do tribunal e nas competências do plenário, da presidência e da vice-presidência, principalmente. “Já sobre o método de estudo, devido ao curto tempo, a sugestão é uma leitura atenta da lei seca, além da consulta a instrumentos com foco em comentários pontuais do texto do regimento e mapas mentais”, aconselha.

O que diz o edital

Supremo Tribunal Federal
Cargos: analista e técnico judiciário
Vagas: 36
Remunerações: R$ 7.506,55 e
R$ 4.575,16
Taxa: R$ 80 e R$ 60
Inscrições: até 4 de novembro
Edital: www.cespe.unb.br/concursos/stf_13
Tags:

publicidade

publicidade