SIGA O
Correio Braziliense

Mais possibilidades de contratação

Ministério do Trabalho e Emprego abre 450 vagas. Especialistas dão sugestões de conteúdo para quem deseja começar o ano com trabalho novo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/01/2014 10:31 / atualizado em 20/01/2014 10:33

Bruno Pertes
Os concurseiros têm mais uma oportunidade para começar o ano com emprego novo. O Ministério do Trabalho e Emprego está com 415 vagas abertas para nível médio, como agente administrativo, e 35 vagas em nível superior para o cargo de contador. Todas as capitais e o Distrito Federal terão provas para o cargo de agente administrativo, mas as vagas para contador estão disponíveis só para o DF. Com jornada de 40 horas semanais, a remuneração é de R$ 2.573,22 para profissionais com nível médio e R$ 3.981,42 para os com nível superior.

A prova contará com questões objetivas, sendo 50 de conhecimentos básicos e 70 de conhecimentos específicos, e questões discursivas, ambas de caráter classificatório e eliminatório. O edital do concurso apresenta várias matérias básicas comuns aos dois cargos, como língua portuguesa, raciocínio lógico, informática e atualidades, e assim acaba atraindo concurseiros de várias áreas.

O estudante de administração Matheus Xavier, 18 anos, é um exemplo. Ele começou a estudar em novembro para o concurso em nível médio da Polícia Federal e, quando saiu o edital do MTE, aproveitou para direcionar os estudos também para esse órgão público. “Estou estudando durante as férias da faculdade e, como o conteúdo para o cargo de agente administrativo é parecido com aquele exigido pela PF, vou fazer a prova do MTE também”, diz. Matheus começou a estudar com um amigo, e eles intercalam as aulas de cursinho pela manhã com sessões de estudos na biblioteca à tarde. Matheus está até mesmo com planos de trancar a faculdade e se dedicar à vida de concurseiro. “Estou no terceiro semestre; pretendo trancar a matrícula e, depois que passar, retomo a faculdade”, explica.

Áreas específicas
Um dos conhecimentos cobrados na prova para a vaga de nível médio é direito administrativo. Para o professor Mariano Borges, que leciona essa matéria e também  legislação correlata no Grancursos, o Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe) faz uma cobrança mais panorâmica dos conteúdos relacionados a essa disciplina. “A prova não pede conhecimentos específicos ou mais aprofundados, mas é preciso saber um pouco de cada tópico do edital. Eles cobram tudo mesmo”, afirma. Como conselho para os candidatos, o professor sugere o estudo dos atos administrativos, que englobam todo o direito administrativo. “É preciso focar na estrutura da administração pública, bem como nas questões de desconcentração e descentralização dos poderes administrativos. Como o Cespe é bem previsível, é muito importante pegar um banco de dados de questões anteriores da banca para praticar”, diz. Mariano Borges indica a leitura de obras de autores como Wilson Granjeiro e Rodrigo Cardoso, pois são direcionadas para concursos. Ele tem uma página no  Facebook, na qual comenta os editais e resolve questões em vídeo e comentários.

Outra matéria frequente em certames federais é ética no serviço público e, para o professor do IMP Concursos Edvaldo Nilo, a banca do Cespe prioriza os casos concretos. “O foco deve ser a leitura atenta do Decreto nº 1.171/ 1994, das Resoluções 1 a 10 da Comissão de Ética Pública da Presidência da República e do Código de Ética do Ministério do Trabalho e Emprego, Portaria/MTE nº 2.973, de 20 de dezembro de 2010”, destaca. O professor diz que é possível também que a prova cobre conhecimentos de língua portuguesa e direito administrativo. Edvaldo Nilo indica o site da Presidência da República, no qual o candidato pode consultar e até imprimir as leis, e aconselha que os concurseiros refaçam provas do Cespe desde 2011 até o presente momento como parte da preparação. “A leitura das provas anteriores é fundamental, principalmente para o candidato saber correlacionar as normas éticas com os casos apresentados na prova”, conclui.

Teoria x prática

Quem desejar concorrer ao cargo de contador também terá que enfrentar questões relacionadas à contabilidade geral e governamental. Segundo o professor de contabilidade Claudio Zorzo, do Tempo de Concursos, a matéria exige uma compreensão acima da média, por não ser usual no dia a dia das pessoas. “O problema do concurso não está no conteúdo do edital, pois este tem caráter direcionador, mas sim na forma de cobrar o assunto nas questões; muitas vezes as bancas são bastante acadêmicas e prejudicam os concorrentes”.

Ao relacionar o edital com a função que será exercida, o professor diz que o candidato deve se dedicar mais ao conteúdo discutido pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), relacionado à elaboração das demonstrações contábeis e também à apuração dos custos de produção. Entre os exemplos de tópicos do CPC para estudo, Zorzo sugere a classificação de contas em ativo, passivo, patrimônio líquido, receitas e despesas; elaboração das demonstrações contábeis (em especial o Balanço Patrimonial); teste de recuperabilidade, entre outros. Ao analisar o edital, o especialista diz que é preciso ter um conhecimento básico de cada tópico listado. “Os editais extensos assustam. O melhor é ter domínio  sobre todos os itens, para que, ao ler a questão, o candidato saiba o que está sendo cobrado, e a partir daí possa responder a assertiva”, diz. Segundo Zorzo, o Cespe propõe questões que abordam aspectos da teoria e da prática contábil. “Como é uma seleção para contador, deve ser uma prova bastante prática, com a elaboração de demonstrações e apuração de resultados da empresa. Para resolver os problemas no exame prático, o candidato deve ter conhecimento da teoria”, explica. Quem estiver à procura de um teste que sirva como referência, o professor indica a prova de auditor fiscal do trabalho, de 2013.

O que diz o edital
Ministério do Trabalho e Emprego
Vagas: 450

Cargos: agente administrativo
(médio) e contador(superior)

Remunerações:
Nível médio:
R$ 2.573,22

Nível superior:
R$ 3.981,42

Dicas
O que deve cair na prova de nível médio para o cargo de agente administrativo:
» Legislação: decretos e leis trabalhistas. Seguro-desemprego, emissão de carteira de trabalho e previdência social, economia solidária, registro de entidades sindicais, assistência e homologação de rescisão de contratos de trabalho, Instituição Normativa e Portarias do MTE 186 e 326.

» Gestão de Pessoas: o candidato deve ter noções de liderança, motivação e comportamento organizacional.
» Administração de
recursos materiais: saber sobre gestão de estoque e compras no setor público, conferência e técnicas de armazenagem; controle de bens e logística sustentável.

» Arquivologia: conceitos fundamentais, gerenciamento da informação e avaliação de documentos, tipologias documentais, microfilmagem e preservação, conservação e restauração.

» Fiscalização de contratos e convênios: ter noções de transferências legais, contratos de repasse, termo de parceria, consórcio público,  Instrução Normativa/SLTI/MP nº 02/2008.

Fonte: Grupo Nova Concursos - editora especializada em material didático para concursos públicos .
Tags: