SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Preparação diferenciada

Candidatos aos concursos da Caixa Econômica Federal devem focar os estudos nas disciplinas de português e matemática, além de ficar atentos ao dinamismo dos conteúdos específicos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/02/2014 10:39 / atualizado em 17/02/2014 10:42

Bruno Peres
Muitos concurseiros estão na reta final para mais um concurso a nível nacional. A Caixa Econômica Federal promoverá dois certames, com nove vagas efetivas e 374 de cadastro de reserva. O primeiro, de nível superior, oferece oportunidades para médico do trabalho e engenheiro nas áreas de agronomia, mecânica, civil e elétrica, com remuneração de mais de R$ 8 mil. Já a seleção em nível médio é destinada ao cargo de técnico bancário novo, na carreira administrativa. A banca examinadora do concurso é o Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe) e as provas serão compostas por questões objetivas de conhecimentos básicos e específicos e também por questões discursivas para todos os cargos.

Entre as matérias que farão parte do conteúdo programático está a língua portuguesa, com 14 questões de peso dois. Para Marcelo Freire, professor da disciplina no Grupo Impacto, quem estiver bem preparado para essa parte terá uma grande vantagem. “O candidato pode fazer 224 pontos no total, sendo que 48 são de língua portuguesa, ou seja, mais de 20% da prova, contando com a parte discursiva”, explica. Segundo ele, o concurseiro deve focar os estudos em pontos como concordância e regência verbal e nominal e o uso da crase, além de dar atenção especial à interpretação de texto. “Muitos candidatos menosprezam essa parte da prova porque acham que se trata de conteúdo subjetivo e que pode ser resolvido apenas com leitura, mas não é bem assim. O significado das palavras e a aplicação da gramática no texto estão diretamente relacionados à interpretação”, diz.

Outro ponto abordado pelo professor é a forte diversidade de textos na prova. “São textos mais técnicos, mas o candidato deve estar habituado também a textos literários, como letras de músicas e poemas”, completa. Na parte da redação, Marcelo Freire ressalta que o tema a ser desenvolvido estará relacionado à parte técnica do cargo: todo o conteúdo pertinente ao atendimento em bancos ou conhecimentos bancários pode estar presente. “Uma dica interessante é ver qual é o tema da redação antes de iniciar a prova, resolver as questões objetivas e só depois começar a escrever o texto. Durante a prova, o candidato pode ter ideias e já criar uma linha de raciocínio a ser desenvolvida na redação. É importante separar de 30 a 50 minutos para fazer a parte discursiva”, aconselha.

Outra matéria que abarca grande parte dos pontos do certame é conhecimentos bancários e atendimento, com 140 pontos. Para César Frade, professor de conhecimentos bancários do Ponto dos Concursos e do Instituto IMP, se o candidato estudar de forma correta todo o conteúdo relacionado à disciplina, não terá problemas ao ingressar no cargo. “Aconselho que os candidatos foquem as funções do Banco Central, estudem e compreendam a Comissão de Valores Imobiliários e também os conselhos — Conselho Monetário Nacional, Conselho Nacional de Seguros Privados e Conselho Nacional de Previdência Complementar”, sugere. Outro ponto que ganha destaque no edital são os próprios produtos da Caixa Econômica Federal. “O financiamento imobiliário é antigo, mas sempre cai nas provas. Por outro lado, o programa Minha Casa, Minha Vida é algo relativamente novo e pode ser cobrado em várias questões”, completa. O professor afirma que muitos livros já estão ultrapassados e não acompanham o dinamismo do conteúdo. Assim, ele indica a consulta em sites ou cursos presenciais ou on-line, ou até mesmo acessar a página de perguntas e respostas do site do Banco Central e ler todo o conteúdo.

Jonathan Leal, 23 anos, se prepara para diversas seleções há cerca de dois anos e diz estar com fortes expectativas de aprovação nesse certame, que prestará para o cargo de técnico bancário novo. Ele dedica cerca de quatro horas aos estudos. O concurseiro até deixou de lado outras atividades, como a academia, para se dedicar durante os cerca de 45 dias que restam para a realização da prova. “Vou aumentar minha carga de estudos para seis horas diárias e estou direcionando a atenção para conhecimentos bancários e atendimento, pois já estudei as matérias mais básicas em outros concursos”, explica.

Exatas

Rogério Carrijo, professor de matemática e raciocínio lógico do Alub Concursos acredita que a disciplina de matemática deva compor a prova com oito a 10 questões — e que pode se tornar um diferencial no resultado final. O professor lista alguns dos principais tópicos na área: “Na parte de matemática, o Cespe tem cobrado muitas questões que envolvem probabilidade e estudo das taxas, mais precisamente taxa aparente e taxa de inflação. Na última prova em que o Cespe foi a banca examinadora do concurso da Caixa foram cobrados esses quesitos. Outros temas que têm grande chance de aparecer são sistema de amortização e questões envolvendo juros e descontos”, afirma. Já no conteúdo relacionado a raciocínio lógico, Rogério Carrijo diz que é preciso focar a parte de argumentação lógica.

O que diz o edital

Caixa Econômica Federal
Vagas: 9 efetivas e 374 para
cadastro de reserva
Cargos: técnico bancário novo (médio), médico do trabalho e engenheiro
nas áreas de elétrica, agronômica,
civil e mecânica (superior)
Remunerações: R$ 2.025 (médio) e
R$ 8.041 (superior)
Inscrições: até hoje
Taxa: R$ 43 (médio) e R$ 74 (superior)
Prova: 30 de março de 2014
Editais: www.cespe.unb.br/concursos/ caixa_14_nm e www.cespe.unb.br/ concursos/CAIXA_14_NS
Tags:

publicidade

publicidade