Uma década de espera

Concurso para pedagogo-orientador educacional da Secretaria de Administração Pública ocorre novamente após 10 anos. Há 50 vagas com inscrições abertas a partir de setembro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/08/2014 12:40

Juliana ficou surpresa com a cobrança de raciocínio lógico na prova (Gustavo Moreno/CB/D.A Press  ) 
Juliana ficou surpresa com a cobrança de raciocínio lógico na prova


Uma seleção é aguardada há muito tempo por profissionais de educação: aquela para o cargo de pedagogo-orientador educacional da Secretaria de Administração Pública do Distrito Federal (Seap-DF). O último certame do tipo foi aplicado em 2004. O período de inscrições começa em 12 de setembro, mas, para o candidato que quer garantir uma das 50 vagas, nunca é cedo para dar início à preparação. O salário inicial é de R$ 3.579,42. Podem participar graduados em pedagogia com habilitação específica ou pós-graduação em orientação educacional em ensinos infantil, fundamental, médio e especial, além de educação profissional e educação de jovens e adultos.

A escolha da banca examinadora, o Instituto Quadrix, causou surpresa a profissionais de cursinhos de Brasília. “É uma banca nova, sabemos pouco sobre ela”, diz Lilian Damasceno, professora de língua portuguesa do IMP Concursos. Segundo o professor de raciocínio lógico e matemático Rogério Carrijo, do Alub Concursos, o Quadrix não está habituado a concursos de grande porte, como o da Seap-DF. “A gente sempre fica com o pé atrás com bancas pouco acostumadas a concursos maiores. Não sabemos o que virá. Podem aparecer surpresas na prova”, conta.

Para Madalena Coatio, professora de conhecimentos específicos e pedagógicos do Gran Cursos, a primeira surpresa surgiu ainda no edital e consiste na cobrança de raciocínio lógico e matemático para a prova objetiva. “Não constam no edital conteúdos próprios do campo de atuação do orientador, como o Estatuto da Criança e do Adolescente e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, e se cobra matemática, que não é tão inerente ao cargo”, critica Madalena.

Avaliação
A prova objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, será em 23 de novembro e conta com 50 questões de múltipla escolha, cada uma com cinco alternativas. As 30 questões de conhecimentos básicos são divididas entre língua portuguesa (10), raciocínio lógico e matemático (5), atualidades (5), Lei Orgânica do Distrito Federal (5) e noções de direito administrativo (5). Atenção deve ser dada aos pesos de cada disciplina de conhecimentos básicos, que variam de 1 a 2,5. O peso das 20 questões de conhecimentos específicos é um só: cada uma vale dois pontos. Ao todo, a prova soma 100 pontos, e para ser aprovado, o candidato deve conseguir ao menos 50% da pontuação nas duas áreas do exame.

Para língua portuguesa, disciplina com peso de 2,5 — o maior da prova —, é recomendado estudar crase, vírgula e concordância. “A secretaria espera candidatos que tenham habilidade de escrita e oratória. É a disciplina que vai definir o concurso. Estude por provas anteriores para entender a filosofia da banca”, recomenda a professora Lilian Damasceno.

A professora Madalena Coatio diz que as provas do Instituto Quadrix não são difíceis. “A prova deve ter dificuldade média e deve estar costurada em cima de três assuntos: projeto político pedagógico, currículo e avaliação. Outras questões podem ser elaboradas em torno desses conteúdos”, aposta a professora.

As aulas do cursinho da técnica em assistência social Juliana Souza, 28 anos, ainda não começaram, mas ela está estudando em casa e assistindo a videoaulas. “Minha meta é focar em conhecimentos específicos e português por causa do peso na prova. Não esperava o conteúdo de raciocínio lógico porque é pouco cobrado no ramo educacional.” O professor Rogério Carrijo diz que, para raciocínio lógico e matemático, deve-se estudar arranjo, permutação e combinação, além de coletivos lógicos. “Também devem cair percentagem e regra de três. É bom dar uma olhada na teoria dos conteúdos para, enfim, focar nos exercícios.”

O que diz o edital
Concurso público da Secretaria de Administração Pública do DF
Cargos: pedagogo-orientador educacional
Vagas: 50, mais cadastro reserva
Remuneração: R$ 3.579,42
Inscrições: 12/9 a 13/10
Taxa: R$ 41,50
Prova objetiva: 23/11
Edital e inscrição on-line: www.quadrix.org.br

Passe bem / Português

“Resolução da entidade publicada ontem lista uma série de procedimentos que deverão ser observados em todo o país”
Como se classifica, morfologicamente, a palavra destacada na passagem acima?
(A) Conjunção integrante
(B) Pronome relativo
(C) Advérbio acidental
(D) Preposição
(E) Artigo indefinido

O Instituto Quadrix não elabora questões com alto rigor gramatical, mas é preciso atenção. O assunto é um clássico em provas de concursos públicos: as funções do “que”. Para determinar se é um pronome relativo da língua portuguesa, basta trocá-lo por alguma das seguintes opções: o qual, a qual, os quais ou as quais. Essas palavras são sempre pronomes relativos. Vejamos a reescritura: “Resolução da entidade publicada ontem lista uma série de procedimentos os quais deverão ser observados em todo país.” A troca é pertinente (a escolha por os quais é em razão da concordância com a palavra “procedimentos”, que é masculina e plural). Percebemos, portanto, que o “que” é morfologicamente um pronome relativo, que faz referência ao substantivo “procedimentos”. A resposta correta é a letra B. Duas observações importantes: a função do “que” mais explorada em concursos públicos é pronome relativo. Além disso, esse tipo de pronome introduz as famosas orações subordinadas adjetivas. Percebam: o texto não trata de procedimentos quaisquer, mas sim de procedimentos “que deverão ser observados em todo país.” A função desta oração é caracterizar o substantivo “procedimentos”. Em outras palavras, uma função adjetiva.

Questão retirada da prova do Conselho Regional de Medicina do Estado do Paraná de 2014 comentada pelo professor Elias Santana

Tags: