SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Última chamada

Inscrições para processo seletivo do Sescoop terminariam hoje, mas foram prorrogadas até o próximo domingo (14). Há nove vagas para níveis médio e superior

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/09/2014 10:20

Depois de ser chefe-pregoeiro no Exército, Rômulo tenta uma vaga de analista de compras e licitações (Minervino Junior/CB/D.A Press ) 
Depois de ser chefe-pregoeiro no Exército, Rômulo tenta uma vaga de analista de compras e licitações


Oprazo para se inscrever para o processo seletivo do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop), entidade paraestatal que integra o Sistema Cooperativista Brasileiro, segue aberto até 14 de setembro. São oferecidas nove vagas, sendo oito de nível superior e uma de nível médio, além de cadastro reserva. Os cargos de analistas superior e técnico são divididos em 28 funções diferentes, se somados as vagas diretas e o cadastro reserva. Para curso superior, entre as opções de curso, estão administração, design, pedagogia e psicologia. A contratação é por meio da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), e os salários são de R$ 1.950,09 para técnico e de R$ 6.487,09 para analista. Também há benefícios, como vale-alimentação, vale-transporte, auxílio-creche e assistências médica e odontológica.

Para conseguir uma vaga, o concurseiro será avaliado em provas objetiva e discursiva, que serão aplicadas em 12 de outubro. Juntas, as avaliações somam 100 pontos. Para não ser eliminado na prova objetiva, que vale 75 pontos, o candidato deve acertar ao menos 60% do exame e 20% das questões de cada uma das disciplinas. Quanto à prova discursiva, dos 25 pontos totais, o candidato deverá obter nota mínima de 15 pontos, além de estar entre os 10 primeiros classificados para continuar na disputa por uma vaga. Após essa etapa, os candidatos deverão passar por entrevista no período de 18 de novembro a 3 de dezembro. A conversa tem duração de 30 minutos. Para o cargo de analista de comunicação social, haverá duas entrevistas: uma em português e outra em inglês.

Prova objetiva
As 50 questões do exame objetivo estão distribuídas entre duas disciplinas: língua portuguesa (20) e conhecimentos específicos do cargo (30), exceto para a função de analista de comunicação social, cujas 55 questões se dividem em inglês (15), língua portuguesa (20) e conhecimentos específicos (20).

Mesmo o mais experiente concurseiro pode estranhar a banca examinadora do certame, a Makiyama, pouco conhecida no Distrito Federal. “O problema de bancas menores é que não são previsíveis, são sempre uma caixinha de surpresas”, diz Aline Rizzi, professora de língua portuguesa do IMP Concursos. Para entender o perfil da banca, é recomendado buscar provas anteriores na internet e trocar informações com outros concurseiros em fóruns on-line.

Nem mesmo professores de cursinhos têm familiaridade com a organizadora Makiyama, mas é possível presumir alguns conteúdos que devem estar no teste objetivo. “Há assuntos que, não importa a banca, tem de se saber, pois caem sempre: crase, concordância, pontuação, regência e interpretação de textos”, afirma o professor de língua portuguesa Fabrício Dutra, do Gran Cursos.

Para a professora Aline, que leu algumas provas da banca a pedido do Correio, também devem cair questões de ortografia, como o uso dos “porquês”, as diferenças entre “mal” e “mau”, “senão” e “se não”, entre outras. “É uma prova de nível fácil, de interpretação superficial. Segue um pouco na linha do Cetro Concursos”, analista Aline. Na avaliação discursiva, em que deverá ser escrito um estudo de caso num tamanho entre 30 e 50 linhas, devem ser cobradas as atribuições dos cargos e das funções, bem como conteúdos de conhecimentos específicos presentes no edital.

Entrevista
Os 10 primeiros classificados em cada função serão convocados para entrevista. Nela, serão questionados temas, situações e práticas relacionadas ao exercício da profissão e atribuições da função desejada. Ao longo desta etapa, vão ser analisados tanto o conhecimento do candidato quanto as capacidades de raciocínio e argumentação. Vale o aviso: toda a conversa será filmada e gravada, e quem não autorizar o registro não poderá participar da entrevista, que tem caráter classificatório.

Candidatos à função de analista de comunicação social serão os únicos do concurso a participar de duas entrevistas, sendo uma na língua inglesa. Nessa, as habilidades no idioma estrangeiro serão avaliadas. “Quem possui inglês básico a intermediário precisa controlar a conversa. Não deixe o entrevistador falar muito rápido, caso contrário, pode se complicar. Estude bastante o vocabulário técnico. Um termo específico que a pessoa não consiga traduzir chama a atenção do entrevistador. Não fique no raso: quanto mais detalhado o candidato for, maior será a nota”, aconselha o professor de inglês Bruno Monteiro, do Gran Cursos.

Experiência na área
Graduado em administração de empresas, Rômulo Neto, 27 anos, vai tentar vaga para o cadastro reserva de analista de compras e licitações. Devido à experiência de sete anos na área enquanto oficial do exército, cargo que deixou há dois meses para estudar para concursos públicos, ele está confiante para a prova discursiva. “Todo dia eu tinha vivência e demanda no meu trabalho. Vou relacionar o conhecimento teórico que consegui estudando para outros concursos com minha experiência como chefe-pregoeiro”, conta Rômulo.

O que diz o edital

Processo seletivo do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop)
Inscrições: 24/8 a 7/9, prorrogadas
até 14/9
Taxas: R$ 40 (nível médio) e
R$ 70 (nível superior)
Salários: R$ 1.950 (nível médio) e
R$ 6.487,09 (nível superior)
Vagas: 9
Cargos: analista e técnico em 28 funções diferentes
Provas: 12/10
Entrevista: 18/11 a 3/12
Edital e inscrições: www.makiyama.com.br/sescoop

Passe bem / Português
Assinale a única alternativa em que a concordância verbal está CORRETA:
a) Todas as pessoas de bem esperam que haja, na sociedade contemporânea, menos injustiça e menos intolerância.
b) A conscientização de todos os moradores daquelas áreas atingidas pela enchente da semana passada acabaram surtindo o efeito desejado.
c) As atitudes que foram tomadas por aquelas pessoas que sentiram na pele a dor da perda de um ente no confronto demonstra o desespero da população daquela cidade.
d) Exatamente nesta semana, fazem quatro anos que saí da casa dos meus pais para viver uma linda história de amor.
e) Não sabemos, ao certo, se está sendo criadas, de maneira correta e satisfatória, escolas de ensino superior que satisfaçam e supram as necessidades do mercado atual.

Comentário:
Essa questão típica de concordância, nos moldes das bancas Cesgranrio e Fundação Carlos Chagas. Fato que denota que a banca Makiyama, além de questões de interpretação textual, é uma banca “gramatiqueira”. Concordância é a relação sintática entre o sujeito e o verbo, por meio da qual os termos buscam uma harmonização sintática. Se o núcleo do sujeito estiver flexionado no singular, o verbo acompanhará a flexão. O mesmo se dá quando o núcleo do sujeito for plural ou a soma dos núcleos for plural, o verbo assumirá a forma plural. Vamos à questão:
a)Questão certa. Verbo “esperam” concorda com o sujeito no plural. O verbo “haver” (haja), que é impessoal, permanece flexionado no singular.
b) Questão errada. O núcleo do sujeito é o termo “conscientização”. Apesar da distância textual entre sujeito e verbo, os dois deveriam concordar. “A conscientização [...] acabou surtindo o efeito”.
c) Questão errada. O mesmo caso da opção supracitada. O núcleo do sujeito – distante do verbo – está no plural, isto é, o verbo deveria estar flexionado no plural. “As atitudes [...] demonstram”.
d) Questão errada. O verbo “fazer”, no sentido de tempo decorrida, não sofre flexão de plural por ser um verbo impessoal, ou seja, não possuir sujeito que o leve à flexão.
e) Questão errada. O correto seria “Estão sendo criadas [...] escolas”.

Questão comentada:
Questão de língua portuguesa da prova do Detran/RJ para cargo de assistente técnico de identificação civil de 2013 comentada pelo professor Fabrício Dutra

Tags:

publicidade

publicidade