De olho no primeiro concurso da AEB

Especialistas dão dicas de preparo para o certame, que oferece 66 vagas. Provas ocorrem em outubro, e salários podem ultrapassar R$ 13 mil para doutores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/09/2014 10:20 / atualizado em 15/09/2014 11:51

Daniela e Thalles trabalham em cargos comissionados na AEB e pretendem conquistar estabilidade por meio do concurso da autarquia (Oswaldo Reis/Esp. CB/D.A Press ) 
Daniela e Thalles trabalham em cargos comissionados na AEB e pretendem conquistar estabilidade por meio do concurso da autarquia


Com provas marcadas para 19 de outubro, os candidatos que almejam uma das 66 vagas paa Brasília em cargos de nível médio/técnico e superior na Agência Espacial Brasileira (AEB) precisam acelerar a rotina de estudos a fim de abranger todo o conteúdo cobrado. O processo seletivo é composto por prova objetiva, prova discursiva e avaliação de títulos.

A banca organizadora é a Cetro Concursos, e a seleção oferta 12 oportunidades para cargos de nível médio e 54 vagas para nível superior divididas entre as carreiras de tecnologista no ramo de desenvolvimento tecnológico (24), analista em C&T nos setores de gestão da política espacial (10) e gestão administrativa (20). Para ambos os níveis, os interessados devem possuir experiência prévia inerente à área de atuação, além de titulação acadêmica específica para alguns cargos de nível superior. Títulos de doutorado, mestrado e certificados de aperfeiçoamentos garantem adicionais aos aprovados. As remunerações podem chegar a R$ 13.362,67 para os selecionados que são doutores.

Além de redação, as provas de nível médio contarão com 50 questões de múltipla escolha sobre língua portuguesa (12), língua inglesa (8), raciocínio lógico (10) e conhecimentos específicos (20). Para nível superior, as provas para analista e tecnologista terão 70 questões — que abrangem língua portuguesa (14), língua inglesa (10), raciocínio lógico (12) e conhecimentos específicos (34) —, além da redação.

Reta final
 A assessora técnica da área de cooperação internacional da AEB Daniela Miranda, 38 anos, trabalha há 8 anos no órgão em cargo comissionado e atualmente se prepara para a prova de analista de gestão da política espacial. Graduada em relações internacionais, ela sabe o que esperar da prova, mas investe em curso preparatório, videoaulas e apostilas. “Apesar da minha experiência e formação, eu acho que a preparação em um cursinho é importante já que os professores têm todo um rol de conhecimentos para nos preparar, tirar dúvidas e dar dicas”, afirma. Para a redação, Daniela espera a abordagem de assuntos do órgão. “A redação deve tocar no tema do programa nacional de atividades espaciais”, especula.

Para o cargo de analista júnior, Thalles Ribeiro, 25 anos, também funcionário da AEB, está se preparando com afinco. “Eu tenho visto videoaulas e tenho me aplicado bastante à área de raciocínio lógico e matemática, que são as mais difíceis para mim. O resto do conteúdo vejo no cursinho e na prática do dia a dia.” Thalles diz estar esperançoso. “Eu nunca fiz provas do Cetro, mas, em comparação com o Cespe (Centro de Seleção e de Promoção de Eventos), eu vejo uma grande vantagem pelo fato de a banca não anular questões certas por causa de um erro”, analisa.

Dicas de quem entende
O professor da área de tecnologia da informação e informática do Gran Cursos e Alub, Henrique Barbosa Sodré, diz que, diferentemente do Cespe, as provas de múltipla escolha do Cetro são menos contextualizadas, o que pode beneficiar o candidato. “A banca pergunta exatamente o que está no enunciado, são questões objetivas. Você não precisa ler textos enormes a cada vez que for resolver uma questão, como em bancas como Cespe e Cesgranrio.” Para a prova de informática do cargo de nível médio, Henrique espera que a banca cubra tudo o que está no edital.

A parte de raciocínio lógico, comum a todos os cargos do certame, deve ser a mais cansativa para os inscritos que não estão familiarizados com a área para a qual desejam se candidatar. “O concurso é bastante específico, voltado para profissionais de áreas pontuadas pelo regulamento. Com isso, espera-se que a prova seja direcionada a profissionais que são, em geral, da área de TI, engenharias, informática e de políticas públicas. Um candidato que só é bom em uma ou outra matéria deve se apressar para estudar o conteúdo do edital a fim de ter um bom rendimento”, diz Lucas Fialho, professor adjunto do curso de engenharia de produção da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG).

Paolo Gessini, docente do curso de engenharia aeroespacial da Universidade de Brasília (UnB), recomenda que o candidato estude bastante o edital, caso não esteja familiarizado com o que será avaliado nas provas e que aproveite o tempo que resta até a data de aplicação da prova para revisar todo o conteúdo. “Os candidatos a tecnólogo devem ter conhecimentos abrangentes sobre o cargo que desejam ocupar. O concurso exige experiência na área justamente porque seria, a essa altura, inviável começar do zero.” Gessini aponta que dar atenção aos tópicos de direito constitucional, administrativo e administração pública — comum às áreas de analista e técnico — é fundamental para manter a segurança na hora da prova. “O candidato que traz uma bagagem de outros concursos terá vantagem. Outro fator importante é ler a legislação de ciência e tecnologia, entender sobre os mecanismos e os conceitos relativos à área de TI e entender sobre o ordenamento constitucional do Brasil”, conclui.

O que diz o edital
Processo seletivo da Agência Espacial Brasileira (AEB)
Inscrições (encerradas): 22 de agosto a 10 de setembro
Taxas: R$ 45 (nível médio) e R$ 70 (nível superior)
Salários: 3.607,47 (nível médio), R$ 4.316,11 (tecnologista júnior e
analista júnior), R$ 4.897,58 (tecnologista pleno 1 e analista pleno 1) e
R$ 6.308,88 (tecnologista pleno 3 e analista pleno 3)
Vagas: 66
Cargos: analista e técnico
Provas: 19 de outubro

Passe bem / Língua inglesa

The village is __________Nottingham. It's only six miles away.
(A) Near
(B) By
(C) Along
(D) Next
 
Comentário:
As provas do Cetro são, em geral, pontuais, ou seja, cada questão avalia uma área do conhecimento apenas. Na questão, vemos quatro opções que podem confundir o uso de advérbios e de advérbios preposicionados. A dica é analisar: cada advérbio tem uma regra especifica, alguns não são acompanhados de preposições, outros, são. Na questão, temos duas opções que se aplicariam ao caso, porém, por ser uma questão específica, a resposta correta têm de ser a mais apropriada, a mais formal, nunca a mais coloquial.
(A) “Near” é correto porque, em si, contem uma preposição (to), em comparação a “next”. “Near” significa próximo a (algo ou alguém), é um adverbio de localização, usado para especificar a exata localização do sujeito ou objeto, no caso, a cidade de Nottigham. Formas alternativas seriam “nearby” ou “close to” e “next to”.
(B) “By” é incorreto porque denota proximidade e não especificidade. Além disso, dá ideia de algo muito próximo e não simplesmente “perto de”.
(C) “Along”  não pode ser utilizada nesse caso pois remete ao movimento de um ponto a outro, como se percorresse um percurso paralelo a um objeto.
(D) “Next” está incorreto. Em nenhum momento, a questão sugere o uso da preposição “to”, obrigatória quando o adverbio “next” é utilizado.
 
Gabarito: A
 
Questão retirada da prova do processo seletivo para professores da Prefeitura de Araraquara (2012) aplicada pelo Cetro e comentada pelo professor Ricardo Cardoso, dos cursos preparatórios e técnicos do Senac e do Centro Interescolar de Línguas de Sobradinho (CILS).

Tags: