SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Fies terá segunda edição neste ano, diz ministro da Educação

Cursos da área de saúde e de engenharia e regiões Norte e Nordeste serão priorizados. Pasta ainda não definiu datas e número de vagas para a nova seletiva

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/06/2015 10:35 / atualizado em 09/06/2015 10:42

O ministro da Educação, Renato Janine, afirmou nesta segunda-feira (8) que haverá segunda edição do sistema do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) neste ano, com abertura de novos contratos. Ele anunciou a decisão do programa Roda viva, da TV Cultura e em sua página no Facebook. “É com muita alegria que anuncio que teremos, em 2015, a segunda edição do FIES. Novos contratos de financiamento serão possíveis”, escreveu na rede social.

Durante o programa, ele afirmou que o programa atenderá setores prioritários. “Vamos dar prioridade a três áreas: formação de professores, fortalecer as engenharias e a saúde, porque têm que melhorar. Vamos dar prioridade ao Norte e ao Nordeste e a cursos de nota mais elevada”, afirmou. No entanto, o ministro não adiantou datas, número de vagas nem condições para o novo processo seletivo.

Há pouco mais de três semanas, em 14 de maio, o ministro afirmou em entrevista coletiva que o Ministério da Educação tinha usado todo o dinheiro destinado ao fundo de financiamento. Porém, ele disse que negociava com o Ministério da Fazenda e com o Palácio do Planalto sobre a disponibilização de mais recursos para realizar a segunda edição.

Novo prazo

No fim de maio, o Ministério da Educação estendeu até 30 de junho o prazo para renovação de contratos do Fies. A decisão foi tomada após reclamações de alunos que tiveram dificuldade para acessar o sistema de inscrição. O prazo para abertura de novos contratos, no entanto, terminou em 30 de abril.

Os processos para obter ou renovar os contratos ganharam novas regras este ano. Para obter o benefício, os alunos devem tirar nota superior a 450 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e não zerar a redação, além de provar ter renda familiar bruta de até 20 salários mínimos.

publicidade

publicidade