SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

ENEM »

Passaporte para a faculdade privada

Usado no ingresso nas universidades públicas, exame tem sido critério de seleção para algumas instituições particulares. Candidatos são atraídos por bolsas e financiamentos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/09/2015 12:54

Isabela Bonfim /Especial para o Correio

Minervino Junior

Principal meio para ingressar em universidades públicas, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) também é aceito por instituições privadas e tem encontrado cada vez mais adesão no Distrito Federal. As faculdades usam a prova como parte do processo seletivo ou substituem completamente o vestibular tradicional pela nota. “O perfil do aluno que faz o Enem com o intuito de ingressar em faculdade privada é, em maioria, de escola pública e de renda mais baixa. São estudantes incentivados pelas oportunidades de bolsa e financiamento estudantil”, explica Alexandre Crispi, diretor da rede educacional Alub.

Interessado em trabalhar na área esportiva, Raphael de Jesus, 19 anos, quer estudar fisioterapia ou educação física. “O ideal era na universidade pública, mas quero passar logo, e a faculdade particular é mais uma opção.” Ele terminou os estudos no Centro de Ensino Médio Setor Leste, no ano passado, e começou o cursinho preparatório este semestre. “No Enem, há essa vantagem de fazer uma prova e concorrer a várias faculdades”, explica. Ele vai avaliar as opções conforme o resultado no exame, mas tem preferência pelo UniCeub.

Fabiano de Andrade, secretário adjunto do UniCeub, concorda que o uso do Enem no processo seletivo traz comodidade. “É mais uma oportunidade para o aluno.” A instituição aderiu ao Enem pela primeira vez este semestre, oferecendo as 186 vagas restantes dos dois vestibulares realizados. Para concorrer, o candidato pôde apresentar o resultado do Enem realizado desde 2012 com nota superior a 250 pontos. De acordo com o secretário, o sistema deve ser mantido nos próximos anos, mas não vai substituir completamente o vestibular tradicional. “Não podemos usar apenas o Enem, porque temos interessados que saíram da escola há mais de 10 anos e não tiveram a oportunidade de fazer a prova”, justifica.

Para o vice-reitor do centro universitário Iesb, Edson Sousa, o Enem como processo seletivo é uma vantagem também para a instituição. “Quando abrimos o período de matrículas, já temos a listagem de alunos e o ranking”, explica. Além do vestibular agendado, o Enem é aceito como método de seleção na instituição desde 2013. É preciso que o candidato tenha realizado a prova nos últimos dois anos e obtido nota superior a 300 pontos. Segundo o vice-reitor, a adesão vem crescendo. No último semestre, 30% dos matriculados ingressaram com a nota do Enem. “Está crescendo bastante. Imagino que um dia não precisaremos do vestibular, os alunos vão apenas apresentar a nota do Enem.”

Financiamento

O que tem tornado o Enem um chamariz para quem deseja ingressar em faculdade particular não é apenas a comodidade, mas as oportunidades de bolsas e financiamentos do governo. Para concorrer a bolsas no Programa Universidade para Todos (ProUni) ou liberação do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), é preciso ter nota superior a 450 pontos no Enem e não zerar a redação. O estudante Raphael acredita que esse será mais um auxílio para dar continuidade aos estudos. “A bolsa ajuda a inserir a pessoa pobre no ensino superior. Meu pai e meu avô não fizeram faculdade porque não tinham dinheiro para se preparar ou para pagar o curso”, conta.

Para Talia Ferreira, 18 anos, conseguir uma bolsa é fundamental. Os pais não têm condições de arcar com os custos de uma faculdade particular. Ela terminou o ensino médio no Centro Educacional 02 de Planaltina, no ano passado, e faz curso preparatório para o Enem desde fevereiro. “Na escola, não havia preparação para o vestibular, tanto que precisei recorrer ao cursinho”, conta. Ela tentou uma vaga para psicologia na Universidade de Brasília (UnB) no meio do ano, mas não foi aprovada. O objetivo agora é conseguir uma boa colocação no Enem e tentar a bolsa do ProUni. “Se eu tirar uma boa nota, posso conseguir até uma bolsa integral. É uma grande oportunidade para quem não pode pagar.”

Como usar o Enem para estudar nas particulares
Instituições particulares

Informações diretamente com a instituição. Em geral, as faculdades determinam uma nota mínima e aceitam notas de exames antigos.

ProUni
Concede bolsas de 50% e 100%. Para concorrer, é preciso ter participado da última edição do Enem e cursado o ensino médio em escola pública ou em particular com bolsa integral. Critérios: nota final superior a 450 pontos no Enem e nota na redação maior do que zero; renda familiar bruta inferior a três salários mínimos per capita.

Fies
Concede financiamento da mensalidade da faculdade com taxa de juros de 6,5% ao ano. Para concorrer, é preciso ter participado do Enem em 2010 ou posteriormente e já estar matriculado na faculdade. Critérios: nota final superior a 450 pontos no Enem e nota na redação maior do que zero; renda familiar bruta inferior a 2,5 salários mínimos per capita.

Fonte: Ministério da Educação (MEC) e Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE)

24.735
É o número de contratos do Fies firmados no DF em 2014



10.192
É a quantidade de bolsas concedidas pelo ProUni no DF o primeiro semestre de 2015

publicidade

publicidade