SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Roteiro cultural do Estudante

Confira as exposições e as peças teatrais em cartaz em Brasília que podem ajudar os alunos que se preparam para o vestibular e para o Enem. Com assuntos interdisciplinares, elas são um convite a assimilar o conteúdo das provas de forma lúdica

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/09/2015 17:27 / atualizado em 20/09/2015 14:20

Isabela Bonfim /Especial para o Correio

Vassiliev/Divulgação
 

Uma das vantagens de morar na capital federal é a grande oferta de atrativos culturais. Além de diversão, Brasília está recheada de programações que podem ajudar os estudantes a revisar conteúdos cobrados nos vestibulares. Marlene Velascos, professora de literatura, recomenda o passeio cultural. “O aluno hoje está muito antenado às tecnologias e outros formatos. Se ele puder se aproximar do conteúdo da aula por meio de uma peça ou exposição, vai absorver muito melhor aquela matéria.”

O Correio preparou um roteiro cultural com atrações que estão em cartaz na cidade e têm relação com o conteúdo do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). As atividades estão organizadas por data, assim você não perde nenhuma chance de reforçar os estudos. Confira!

Oswaldo Garcia/Divulgação

Espetáculo “Brasilidade Verde Amarelíssimo”
Conteúdo: Cultura e ritmos populares

A história do Brasil traduzida em movimentos corporais. Essa é a proposta do espetáculo, que conta, por meio da dança, fatos marcantes e o surgimento de ritmos e culturas regionais no país com a chegada das primeiras embarcações até os dias de hoje.
Data: 18 e 20/9
Hora: 20h e 22h
Local: Teatro do Colégio La Salle - 906 Sul
Classificação: Livre
Ingressos: R$ 40 e R$ 60 (inteira)
Recomendação: “A proposta é contar a história do Brasil com a dança. Aos poucos o aluno vai identificar os movimentos culturais e características de cada região do país. Com a chegada dos portugueses e a mistura de raças, trazemos diversos gêneros e ritmos da cultura popular brasileira, como o chachado, o boi bumbá, o samba e a capoeira. Também trabalhamos a questão das religiões, com a presença de crenças cristãs e afro.” Roberto Dias, dançarino e diretor do Corpo Coreógrafo de Brasília

 

_____________________________________________________

 

Rodrigo Nunes/Esp. CB/D.A Press

Exposição “Leonardo da Vinci: A Natureza da Invenção”
Conteúdo: História, física e biologia

A exposição representa Leonardo da Vinci como inventor e conta com mais de 40 objetos concebidos a partir de desenhos do artista. Estão expostos, por exemplo, um equipamento para permitir a respiração debaixo d’água, reproduções de máquinas voadoras, estudos sobre submarinos, anatomia humana e muito mais. O acervo veio de Milão, na Itália.
Data: até 27/9
Hora: Quarta a segunda-feira, das 9h às 20h
Local: Tribunal de Contas da União - SAFS, Quadra 4, Lote 01 – Brasília
Classificação: Livre
Entrada: Franca
Recomendação: “O Enem se propõe a ser a uma prova interdisciplinar e Leonardo da Vinci é o melhor exemplo disso. Podem ter questões relacionadas a ele sobre história, física, química, etc. Uma questão de artes pode trazer também proporções matemáticas. Como grande representante do Renascimento, ele integrou o conhecimento, algo que a prova do Enem também tenta fazer.” David Nogueira, professor de história do Colégio Seriös

 

_____________________________________________________

 

Alice Diniz/Divulgação

Peça “Cora Dentro de Mim - Plantando roseiras e fazendo doces”
Conteúdo: Português

Baseado na obra da escritora Cora Coralina, o espetáculo procura levar a plateia à cozinha onde a velha doceira recebia suas visitas, recitava seus poemas e contava suas histórias. Com um fogão artesanal real, no qual a atriz Lília Diniz faz doces em cena, o espetáculo é pautado na simplicidade dos versos da escritora doceira.
Data: 25, 26 e 27/9
Hora: 20h e 21h
Local: Sala Cássia Eller, Funarte – Eixo Monumental
Classificação: 14 anos
Ingressos: R$ 20 (inteira)
Recomendação: “A poesia de Cora Coralina retrata aspectos sociais e históricos da Cidade de Goiás. Seu principal assunto é o cotidiano e uma forte característica é a simplicidade. Cora tem influências do Modernismo, quando ela se liberta da métrica e da rima. Sua obra, entretanto, é considerada independente das escolas literárias. Lília Diniz fez um trabalho maravilhoso ao transformar a poesia de Cora em teatro.” Marlene Velascos, professora de literatura e diretora do museu Casa de Cora Coralina em Goiás

 

_____________________________________________________

 

Francisco Lorentz/Divulgação

Exposição “O Fantástico Corpo Humano”
Conteúdo:
Biologia

O que a cafeína faz com nossa bexiga? Por que arrepiamos? O que nos faz soluçar? Essas e outras curiosidades são respondidas na exposição, que conta com corpos humanos reais. As galerias são divididas pelos sistemas do corpo e ajudam a compreender o funcionamento do organismo, além de danos e lesões a órgãos, como os causados por tabagismo e obesidade.
Data: até 4/9
Hora: Segunda a sábado, das 14h às 21h / Domingos e feriados, das 12h às 19h
Local: Espaço Cultural Brasília - Shopping Iguatemi, Lago Norte
Classificação: Livre
Ingressos: R$ 40 (inteira) semana; R$ 50 (inteira) fim de semana
Recomendação: “Sempre temos questões de anatomia e fisiologia nas provas do Enem. Esses conteúdos são cobrados de forma integrada. É preciso que o aluno conheça não apenas os nomes das estruturas, mas o funcionamento do corpo humano e os processos dos sistemas no dia a dia. Isso é o que a exposição traz com muita riqueza de detalhes. O aluno vai ver na prática o que estudou em sala de aula.” Leonardo Cavalli, professor de biologia do Colégio Olimpo

_____________________________________________________

 

Jean-Baptiste Debret/Divulgação

Exposição “O Rio de Janeiro de Debret”
Conteúdo:
História do Brasil

A mostra apresenta 120 obras originais de Jean-Baptiste Debret, pintor francês que residiu no Rio de Janeiro entre 1816 e 1831 e acompanhou as grandes transformações da sociedade brasileira como consequência da vinda da Corte Portuguesa. A coleção, que é considerada um catálogo da vida no Rio do século XIX, ressalta a polarização da sociedade entre homens livres e escravos.
Data: até 25/10
Hora: Terça a sexta-feira, de 10h às 19h; sábados, domingos e feriados, de 12h às 18h
Local: Museu Nacional dos Correios - SCS, Quadra 4, Edifício Apolo
Classificação: Livre
Entrada: Franca
Recomendação: “A pintura de Debret é um registro histórico do cotidiano e da sociedade do Rio de Janeiro, então capital do Brasil. Seu objetivo era retratar os tipos humanos, mas sua obra traz questões políticas, religiosidade, os costumes e tradições populares do século XIX, além do registro da escravidão. A exposição propõe aos alunos uma leitura privilegiada, que ultrapassa os limites da sala de aula e está dentro da proposta avaliativa do Enem.” Andréia Bessa, professora de história da Secretaria de Educação

_____________________________________________________

 

Vassiliev/Divulgação

Peça “Raízes Bárbaras - O Mito de Medea”
Conteúdo:
Filosofia, Sociologia e Teatro

Adaptação livre do texto “Medeia”, de Eurípedes, e com foco na questão da violência de pais e mães contra suas crianças, o espetáculo usa linguagem contemporânea para apresentar um texto teatral clássico. A montagem é dedicada às mulheres que se separaram de seus maridos contra os costumes da década de 1980 e discute o feminismo e o papel da mulher nas novas configurações familiares e sociais.


Primeira temporada
Data: 18 a 20/9
Hora: sexta e sábado às 21h; domingo às 20h
Local: Teatro Dulcina - Conic, Asa Sul
Ingressos: R$ 30 (inteira); meia entrada para quem doar um livro de literatura


Segunda tempora
Data: 2 e 3 /10
Hora: sexta às 16h e 20h; sábado às 20h
Local: Teatro Sesc Paulo Autran, Taguatinga Norte
Entrada: Franca
Classificação: Livre


Recomendação: “Eurípedes se destacou ao criticar o modo de se fazer teatro na Grécia antiga. Ao invés de valorizar os princípios morais da elite local, o escritor reflete sobre a vida cotidiana, sem as ilusões das narrações grandiosas dos deuses. Medeia conta a história de uma heroína e anti-heroína que mata os próprios filhos. O texto ainda soa atual e a peça é um incentivo à critica social e valorização da arte como modo de ver o mundo.” Luis Felipe Lopes, professor de filosofia do Colégio Pódion

publicidade

publicidade