SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Enem registra a menor abstenção em 6 anos; índice é o menor desde 2009

Segundo ministro, vagas do Sisu devem diminuir em 2016 por causa de cortes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/10/2015 06:18 / atualizado em 26/10/2015 20:10

Rodolfo Costa

	Claudio Reis/Esp. CB/D.A Press


O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, voltou a destacar, ontem, que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2015 foi um sucesso, ressaltando que a edição deste ano teve o menor índice de abstenção desde 2009. Ao todo, 1,975 milhão dos 7,746 milhões de inscritos não realizaram a prova, ou seja, apenas 25,5% não fizeram as provas, contra um índice de 28,9% registrado no ano passado.

“Nossa avaliação é que foi o mais completo êxito”, afirmou o titular da pasta de Educação. A expectativa do MEC é de que as notas do Enem sejam divulgadas na primeira semana de janeiro, quando também deverá sair o edital com as vagas do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que, segundo Mercadante, poderá apresentar número menor de vagas em razão da conjuntura do governo e da redução do orçamento das instituições federais de ensino superior. No mesmo período deste ano, foram oferecidas mais de 205,5 mil vagas.

Nota de esclarecimento
A Assessoria de Comunicação Social do Ministério da Educação afirma, em nota, que a reportagem “Enem registra a menor abstenção em 6 anos; índice é o menor desde 2009”, publicada no portal Eu, Estudante nesta segunda-feira (26) erra ao atribuir ao ministro da Educação, Aloizio Mercadante, a afirmação de que o Sisu “poderá apresentar número menor de vagas em razão da conjuntura do governo e da redução do orçamento das instituições federais de ensino superior”.

Segundo a Assessoria, o ministro afirmou que “todas as vagas do Sisu serão ofertadas em momento oportuno e elas têm crescido ano a ano”. “Na nossa avaliação teremos um número maior de vagas que no ano passado”, disse Mercadante em outro momento, na mesma coletiva.


Investigação
Aloizio Mercadante acrescentou que problemas pontuais, como a candidata que saiu de sala com a prova e os que entraram após o fechamento dos portões na Asa Sul, serão avaliados individualmente. “Se for constatado que houve falha, os responsáveis serão excluídos de qualquer outro exame do Enem no futuro”, declarou. Ao todo, 743 participantes foram eliminados: 677 por uso de equipamentos inadequados, 63 por objetos não permitidos descobertos pelos detectores de metal e três por postarem fotos das provas em redes sociais. No ano passado, 1.519 alunos tiveram suas provas canceladas. A “cultura de respeito às regras”, de acordo com Mercadante, teria sido o motivo para a queda no número de eliminados.

A formação dos fiscais, que estariam “mais qualificados e prontos para atender às demandas de aplicação do exame”, segundo o ministro, também contribuiu para o sucesso da prova. Mercadante elogiou ainda o uso da tecnologia e o trabalho da Polícia Federal. Os esforços orçamentários para reduzir as despesas do exame compensaram: o MEC economizou R$ 40 milhões.

O tema da redação — A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira —, também foi abordado na coletiva de imprensa. “O tema foi estimulante para o Brasil, para a cultura e para os estudantes”, resumiu Mercadante. “Ainda há muita violência contra a mulher, apesar das políticas públicas existentes. Precisamos refletir sobre isso.”

publicidade

publicidade