GUIA DE CONCURSOS »

Vagas para nível médio

Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) visa preencher 52 vagas.Inscrições terminam amanhã (22) e salários chegam a R$ 3.215,22

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/02/2016 14:05

Breno Fortes

A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), do Serviço Geológico do Brasil, está com as inscrições abertas até amanhã (22) para o cargo de técnico em geociências — hidrologia. Para concorrer a uma das vagas, é necessário ter ensino médio completo com curso técnico nas áreas de meio ambiente, edificações, mineração, geologia, agrimensura, topografia, hidrologia, agrícola ou saneamento; ou somente o nível médio com dois anos de experiência na área de hidrometria. Também é exigido que o candidato tenha Carteira Nacional de Habilitação (CNH) do tipo B, C, D ou E.


A banca avaliadora é o Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe). O edital do concurso, publicado em 26 de janeiro, visa o preenchimento de 52 vagas — sendo 20% reservadas para pessoas negras e 5% para candidatos com deficiência. A remuneração é de R$ 3.215,22 e a carga de trabalho é de 40 horas semanais, com a contratação feita sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). As provas serão aplicadas em 3 de abril nas capitais dos estados de Minas Gerais, Pará, Ceará, Goiás, Amazonas, Rio Grande do Sul, Rondônia, Pernambuco, Rio de Janeiro, Bahia, São Paulo e Piauí. A avaliação terá somente questões objetivas, que valem 50 pontos, distribuídas em 25 questões de conhecimentos básicos (língua portuguesa, noções de informática, atualidades e matemática) e 25 de conhecimentos específicos (como ciclo hidrológico, distribuição da água na natureza, topografia e precipitação).


Quem for aprovado e classificado nas provas objetivas, será convocado para a avaliação de títulos, prevista para a data provável de 26 de abril.Matheus Noleto, 25 anos, é agente de pesquisa e mapeamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e graduado em geografia pela Universidade de Brasília (UnB). Ele estuda para concursos há três anos e tem experiência em um concurso anterior da CPRM, para nível superior. Naquela seleção, em 2013, eram apenas duas vagas para o cargo de analista em geoprocessamento, mas Matheus afirma que quatro candidatos foram chamados.


Ele ficou um pouco abaixo na lista, em sétimo lugar. Desta vez, o concurseiro decidiu se inscrever para lotação em Goiânia e está mais seguro.“Agora me vejo com mais experiência em concurso. Em 2013 sobraram vagas para o cargo de nível médio em hidrologia. As áreas dos cursos técnicos presentes como pré-requisito no edital não apresentam muita demanda”, aposta. Ele estuda por conta própria e pretende focar nas matérias específicas nas três semanas antes da prova. “Creio ser possível ver boa parte da matéria buscando materiais na internet. Se houver exercícios, também os farei, além de realizar provas anteriores”, conta.


Preparação
A parte de conhecimentos específicos exige atenção especial. “É importante conhecer o conceito ciclo hidrológico e seus componentes (precipitação, infiltração, escoamento superficial, escoamento subterrâneo, evaporação e evapotranspiração); saber quais os principais métodos de medidas de cada um deles”, alerta Luciano Soares, professor de hidrologia da UnB.
Ele indica o site da CPRM para quem quer obter um material de estudos complementar na área. Para entender de forma rápida os conteúdos de bacia hidrográfica, o docente recomenda ainda a leitura da Lei nº 9.433/97, que estabelece a Política Nacional de Recursos Hídricos. Segundo ele, o rompimento da barragem Fundão é um assunto que pode ser cobrado pela banca. “Nenhum programa ambiental como, por exemplo, a recuperação da Bacia do Rio Doce, pode ser bem-sucedido se não houver informações anteriormente coletadas sobre os recursos hídricos superficiais (rios) e subterrâneos (poços)”, acrescenta.


Para fazer uma boa prova, também é preciso estar por dentro das últimas notícias do país e do mundo. Jefferson Urani, professor de atualidades do IMP Concursos, explica que quem está se preparando deve fugir do óbvio e, além de acompanhar as notícias recentes ligadas ao tema da prova, deve se informar sobre os últimos acontecimentos de diversos assuntos, como política, meio ambiente e saúde, por exemplo.


Ele orienta que os concurseiros leiam e assistam ao noticiário. “Além de acompanhar os principais acontecimentos, é importante saber toda a vinculação histórica do fato, ou seja, de onde vêm, por que ocorreram”, aconselha Urani. Diogo Alves, professor de português do Gran Cursos, alerta que a banca costuma cobrar muitas questões de pontuação, uso da vírgula e crase.


Mas o candidato não pode deixar de estudar outros conteúdos. “É importante estar atento à relação de regência verbal e nominal. Além disso, costumam cair muitas questões de paráfrase, que consiste na reescritura de termos mantendo a estrutura original do período”, comenta. Ele lembra ainda que os concursandos devem se atentar ao uso dos verbos impessoais, como ‘haver’ e ‘fazer’. “Eles não possuem sujeito, portanto, não flexionam”, completa.

 

Passe bem / Gramática

No trecho: (...) envio de astronaves à Lua e a Marte”, a ausência do acento grave indicativo de crase em “a Marte” justifica-se pela presença do conectivo “e”, empregado para ligar duas expressões de mesma função.

Comentário: Item errado. A justificativa única e exclusiva é: não se utiliza acento grave indicativo de crase antes de palavras masculinas em que não esteja subentendido as expressões “moda” ou “maneira”.

Gabarito: errado

Questão retirada da prova para técnico judiciário do TJSE/SE de 2014, do Cespe, comentada pelo professor de português Diogo Alves.

 

O que diz o edital

Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), do
Serviço Geológico do Brasil
Inscrições: até 22 de fevereiro, pelo site www.cespe.unb.br
Taxa: R$ 55
Vagas: 52 para nível médio
Salário: R$ 3.215,22
Provas: 3 de abril
Locais de prova: Minas Gerais, Ceará, Goiás, Amazonas, Rio Grande do Sul, Rondônia, Pernambuco, Rio de Janeiro, Bahia, São Paulo e Piauí.