SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

GUIA DE CONCURSOS »

Preparação certeira na reta final

O mês que antecede a prova de um concurso pode ser decisivo para o candidato. Especialistas afirmam que, nesse período, além de revisar, os candidatos devem trocar de estratégia e focar na resolução de questões

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/02/2016 14:24 / atualizado em 28/02/2016 14:28

Tatyane Mendes

 

Foram meses de preparação e estudo: a jornada começou pela espera do edital; depois de publicado, veio a alegria: a oportunidade chegou. Então, começou a fase de sacrifício — dinheiro investido em material de estudo, horas a fio sobre livros e apostilas, distância dos amigos e da família, noites maldormidas, tudo para ganhar a recompensa desejada: a aprovação. Faltando um mês para o dia decisivo, começa a prova de fogo, é hora de dar todo o gás para garantir a vaga dos sonhos. Mas qual é o melhor método para conseguir acumular todo o conhecimento possível na reta final? Especialistas afirmam que o segredo para o sucesso é a resolução de provas antigas da mesma banca.


“Quando há mais tempo para se preparar, podemos buscar um embasamento maior, principalmente com doutrina, mas, faltando um mês para a prova, o estudo tem que ser mais focado na leitura de lei e em exercícios da banca”, orienta Aragonê Fernandes, professor de direito constitucional do IMP Concursos e juiz do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT). Ele ainda afirma que, na véspera da prova, para cargos de nível médio, é importante fazer a leitura de súmulas vinculantes, decisão normativa que obriga todos os órgãos a atuarem conforme seus parâmetros, conteúdo que costuma cair em grande parte dos concursos. Para postos de nível superior, é necessário ler todas as súmulas. Os candidatos também devem saber a legislação específica do órgão. “No último concurso do TJDFT, nove questões eram sobre súmulas — isso é quase 10% da prova. Os alunos costumam achar chato ler esses documentos, mas é um conteúdo que cai bastante”, adverte.


“Existem certos assuntos que se repetem  mais em provas, e o candidato só descobre quais são fazendo exercícios da banca”, aponta Igor Oliveira, coach do Ponto dos Concursos.  “Na hora de estudar, é preciso focar nos itens que são mais prováveis de cair ou que têm peso maior. Se você é bom em alguma matéria, por exemplo, matemática, não se preocupe tanto com ela, foque mais em português, mas isso não quer dizer deixar de lado qualquer disciplina”, ensina.


“Reta final é hora de fazer exercícios”, define André Lopes, coordenador pedagógico do Gran Cursos. Ele explica que, independentemente de quanto tempo a pessoa investiu na preparação, os dias que antecedem o concurso devem ser dedicados à resolução de questões — a diferença é que aqueles que começaram o estudo de forma tardia, naturalmente, não conseguirão assimilar toda a matéria. “O aluno tem que fazer o máximo de itens possíveis da banca para conhecer a técnica e o perfil dela. Consultar notas e resumos para revisar o conteúdo também é importante.” O coordenador ressalta que é importante lembrar que passar em concursos exige treinamento e, se durante os exercícios surgirem dúvidas, é preciso consultar o material de estudo para entender o tema e sanar dúvidas.

O limite do estudo
Apesar da necessidade de intensificar os estudos antes da prova, Igor Oliveira, do Ponto dos Concursos, recomenda cuidado com os excessos. “Enquanto o candidato consegue manter a concentração na leitura, está bem. Se começar a ficar confuso ou lê muito rápido para acabar logo, é hora de parar e rever a situação.” Na prática, é difícil ter uma noção de qual é o limite porque as pessoas querem fazer tudo que está ao alcance delas. “Em situações de pressão, tendemos a ficar com o raciocínio prejudicado. É preciso manter a elegância, não dar chilique. Foque no procedimento, estabeleça metas, faça questões e simulados. Assim, quando chegar a hora da prova, você conseguirá fazer por estar bem condicionado.”


Para  André Lopes, coordenador pedagógico do Gran Cursos, o candidato sabe quando o corpo pede descanso. “É interessante fazer uma pausa a cada duas ou três horas de estudo para comer, levantar, respirar e dar uma alongada. Não é recomendável dedicar mais de nove horas por dia à preparação, e o concursando precisa ter tempo para fazer outras coisas.”Ele adverte que os candidatos devem ficar atentos ao estresse relacionado ao estudo, porque é prejudicial à saúde.

A minha estratégia
A servidora pública Polianne Gontijo, 29 anos, está encarando os últimos momentos de preparação. Ela vai concorrer a uma vaga de analista administrativo na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e acredita que é importante mudar a estratégia com a proximidade do concurso. “É hora de dar menos ênfase na parte teórica, que, pelo menos em tese, deveria estar bem fixada, e resolver o maior número possível de questões. Acho que também é relevante focar no conteúdo específico do certame ”, aposta. Para ela, a técnica é essencial para avaliar a margem de erro nas provas e verificar quais são os pontos fracos que precisa trabalhar. “É uma forma de melhorar o desempenho e aprender a administrar o tempo. Dá para revisar coisas que você está errando, mas só se você tiver a base”, comenta. Polianne afirma que ainda não se sente pronta para a hora da prova, mas que, até lá, estará. “Esse certame tem muita contabilidade, disciplina que eu não domino, então dá um pouco de medo. Agora é hora de dar um gás a mais para ir bem.”

 

Passo a passo 

Confira dicas para o último mês antes da prova
1. Faça questões antigas da banca: dessa forma você saberá quais são os assuntos que mais costumam cair e terá uma noção de como a banca costuma abordar os conteúdos programáticos


2. Faça simulados: é preciso treinar para o ambiente que você terá no dia da prova. Faça exatamente nas mesmas condições — se a prova será num sábado a tarde, faça no mesmo dia da semana e, se a duração será de quatro horas, respeite esse horário sem interrupções. Essa prática é importante para acalmar o candidato, que passará a ter noção de como será no dia do concurso, e condicionar o corpo e a mente para responder as questões.


3.  Leia as normas do edital: o concurseiro precisa saber tudo que a banca vai exigir dele para não chegar na prova despreparado.


4. Utilize o tempo livre com sabedoria: algumas pessoas costumam dizer que não têm tempo, mas passam uma hora por dia mexendo no celular. Na reta final, é importante alocar todos os recursos possíveis para o estudo. Vale a pena fazer alguns sacrifícios, como deixar de sair com amigos ou faltar um almoço de família: o essencial é não desperdiçar tempo.


5. Mantenha-se sereno: a calma é um comportamento, e é importante ter consciência dele e reproduzir no dia da prova. Nem todo mundo tem essa conduta impregnada em si, mas é possível treinar para ficar tranquilo, porque todo hábito pode ser condicionado de forma deliberada e proativa.

Dicas dadas e comentadas

por Igor Oliveira, coach de concursos da Ponto dos Concursos

publicidade

publicidade