GUIA DE CONCURSOS »

O treino certeiro

O Teste de Aptidão Física (TAF) é um dos mais complicados para os concurseiros. Especialistas garantem que o segredo para o sucesso é começar exercícios com, no mínimo, três meses de antecedência

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/03/2016 15:33 / atualizado em 07/03/2016 14:03

Tatyane Mendes

TAF. A sigla para Teste de Aptidão Física é pequena, mas causa grande medo nos concurseiros. A avaliação, geralmente, é uma das etapas finais de seleção que separa o candidato do cargo dos sonhos. E para quem ficou um longo período com a cara nos livros, a falta de atividade física pode atrapalhar na hora da prova de fogo. O erro de muitos candidatos é esperar a aprovação nas fases escritas para começar a pensar no condicionamento do corpo.

 Segundo especialistas, a preparação para o TAF deve caminhar lado a lado com os estudos. Para César Marra, tenente-coronel do Exército e coordenador técnico da AprovaTAF, empresa de consultoria em preparação física para concursos, o tempo necessário para se preparar varia de três a seis meses, dependendo da condição do candidato. “Se for um sujeito ativo e saudável, podemos dizer que de três a quatro meses serão suficientes. No entanto, se alguém que tiver alto percentual de gordura e for sedentário, necessitará de, no mínimo, 6 meses.”

Cristiano Silva, especialista em segurança pública e dono do site policial.org, afirma que treinar a resistência física é o ponto mais essencial da preparação. Condições climáticas na hora do exame podem atrapalhar o desempenho do candidato. Ter resistência é fundamental para superar essas adversidades”, argumenta. O educador físico Eduardo Schneider acredita que não é necessário se preocupar tanto com o vestuário. “Os candidatos não são atletas de alta performance, por isso as roupas não influenciam tanto. Só é preciso ter tênis, camisa, bermuda/calça adequados, o principal é a dedicação.”

 Parte importante da preparação é o condicionamento psicológico, que é trabalhado durante o treinamento diário. “Quando você pratica regularmente vai ganhando confiança e segurança no que está fazendo” destaca o profissional. Outros erros apontados  são se exercitar de maneira incorreta, baseando-se em dicas infundadas da internet, e desconsiderar o treino físico como estudo. Em relação à alimentação, Eduardo afirma que, se o candidato se alimenta de forma regular, não precisa se preocupar em mudar o cardápio.

Diagnóstico

Segundo César Marra, o único teste que está presente em todos editais é o de corrida de 12 minutos (ou de 2.400 metros). É uma prova de resistência que avalia a condição cardiorrespiratória do candidato. Outros bastante cobrados são o exercício de flexão na barra, o abdominal e de flexão de braço no solo. “Os que mais reprovam são a corrida de 12 minutos e a flexão na barra fixa.” Um  fator que acaba também atrapalhando é o grande percentual de gordura corporal que algumas pessoas acumulam, condição que prejudica o bom condicionamento físico.

Cristiano Silva complementa afirmando que o teste de barra exige uma resistência muscular que não se adquire a um curto prazo, um mês, por exemplo. “Muitos reprovam porque o cansaço, provindo do esforço físico, diminui ainda mais as chances de conseguir êxito nos casos em que a banca permite a segunda tentativa.”

Schneider comenta que o edital do teste já é o gabarito do exame e os candidatos precisam se guiar por ele. “Está escrito o que é preciso fazer, então é essencial fazer um simulado com os testes previstos para que, com base no resultado, seja feito um diagnóstico de aptidão física e posteriormente um planejamento de treino”, explicou.

Treinando a aprovação

Mesmo sem o edital ter sido publicado, Nina Gasparini, 28 anos, já se prepara há seis meses para o concurso da Polícia Civil, autorizado em dezembro de 2014. “Eu faço os exercícios que costumam cair no TAF da polícia e musculação. Procurei orientação sobre como treinar de forma apropriada e tenho me saído bem”, disse.  Agora, com a eminência da abertura do certame, a jovem desacelerou no treino e está focando mais nos estudos. “É preciso ser muito organizado para estudar e treinar. Pratico três vezes na semana perto da minha casa para não perder tempo”, relatou. Essa é a primeira vez que Nina vai fazer um teste físico e diz que tenta se manter calma. “É difícil controlar o psicológico. Tenho que alimentar que sou competente mas sem criar muita expectativa.”



Depois de reprovar no teste físico da Polícia Militar, Daniele Cardoso, 31 anos, aprendeu que não dá para passar começando a praticar em cima da hora. “Eu era sedentária, fazia aquela caminhada três vezes na semana e olhe lá. Um mês antes da prova, fui começar a treinar e, pelo despreparo, não passei”, relembra. Com a lição aprendida, agora ela se prepara para o concurso da Polícia Federal e da Câmara Legislativa, que ainda não foram lançados. “Procurei a ajuda de um profissional e estou treinando cinco vezes por semana.


"Quando você pratica regularmente, vai ganhando confiança e segurança no que está fazendo”
Eduardo Schneider, educador físico

 

Passo a passo


Confira dicas para o teste de aptidão física

Se preparar com antecedência:
um dos maiores erros é o candidato deixar para se preparar apenas após a notificação da aprovação nas provas objetivas/discursivas.O tempo médio entre uma etapa e outra é de 3 a 6 semanas e esse tempo é muito curto para uma preparação ideal. Um tempo razoável de um treinamento físico para concurso é de 12 semanas.

Ter regularidade:
o segredo para a aquisição da famosa aptidão física exigida é a regularidade aliada a um plano de treinamento bem periodizado. Não adianta começar e parar. O corpo somente vai melhorar se não tiver interrupção no treinamento. Essa dica parece óbvia, mas muita gente não consegue manter a regularidade dos treinamentos por motivos diversos.

Realizar o treino certo:
não precisa treinar muito, precisa treinar certo. Não adianta ficar dando cambalhotas ou balançando cordas, se o teste não vai cobrar isso. Por exemplo, se será cobrado flexão na barra, tem que haver um planejamento da periodização do treino da flexão na barra. Parece lógico, mas observamos que muitos treinam de forma errada. Estude bem seu edital.

Respeitar o tempo para descanso do corpo:
os ganhos fisiológicos acontecem tanto no treino bem realizado, mas principalmente no descanso.

Fazer simulações:
quando já estiver adaptado ao treino, faça simulações do que você vai enfrentar. Prepare seu corpo e sua mente como se fosse um dia real de prova. De preferência, tente fazer exatamente igual ao dia do teste — no mesmo horário previsto, mesma sequência dos testes e mesma roupa utilizada nos treinos.

Dicas de César Marra, tenente-coronel do Exército e coordenador técnico da AprovaTAF, empresa de consultoria em preparação física para concursos