SIGA O
Correio Braziliense

Candidatos da segunda aplicação do Enem 2016 não conseguem visualizar notas

Pelo Facebook, Inep e Mec reconheceram a falha no sistema e informaram que as notas deverão ser lançadas até às 23h59 desta quinta-feira (19)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/01/2017 12:50 / atualizado em 19/01/2017 15:00

Ana Priscila Rodrigues/Divulgação


O resultado do Enem 2016 foi divulgado ontem pelo Ministério da Educação (MEC) e pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Os órgãos informaram que as notas dos candidatos que fizeram as duas edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a tradicional e a segunda aplicação, realizada em dezembro por conta das ocupações nas escolas, e do Enem para Pessoas Privadas de Liberdade (PPL) estão disponíveis. Mas não é essa a realidade enfrentada pelos estudantes da segunda aplicação. Alunos que fizeram o exame em dezembro relatam não terem conseguido ver o resultado.

 

O Inep e o MEC, por meio da página do Facebook do Portal Nacional da Educação, admitiram o erro e informaram que as notas deverão ser lançadas até as 23h59 desta quinta-feira (19). Caso as notas não sejam divulgadas até segunda-feira (23), os candidatos que desejam ingressas em universidades públicas pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) não poderão saber se estão aptos.

 

Ana Priscila Rodrigues, 23 anos, é uma dessas pessoas. A cearense mora no Paraná e fez a segunda aplicação porque o local de prova dela estava ocupado na data prevista. Ela se preparou durante o ano todo e não esconde a frustração de não ver a nota. “Não soltam a nota, não manda uma informação para nós! Muitas pessoas estão reclamando na página do Facebook deles. Por que eles não verificam? É uma falta de respeito com quem fez esse exame”, desabafa, chateada.

 

A candidata seguiu as instruções do MEC, esvaziou o cachê do navegador e conseguiu acessar o site do resultado, mas se deparou com a mensagem de resultado indisponível. “Este ano foi muito turbulento no exame: primeiro teve o adiamento das provas, agora, quem fez a segunda aplicação não consegue acessar a nota. Sinceramente, eu chego a duvidar da credibilidade desse exame. Isso só mostra que parece ser algo realmente não levado tão a sério pelos organizadores! Eles não nos respondem, isso nos deixa mais irritados ainda”, conta. Ela planeja alcançar uma vaga no curso de jornalismo na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Sem visualizar a nota, Ana Priscila não poderá saber se está apta ou se precisará apostar em outro plano.

 

Luis Felipe Vilanova, 18 anos, tenta acessar o seu resultado desde ontem, quando o MEC disse que estava disponível. Ao acessar o site, só aparece a nota do exame realizado em 2015. “Eu me sinto injustiçado! Porque eles exigem tanta pontualidade dos alunos, mas não retribuem”, conta. O estudante é bolsista do Programa Universidade para Todos (Prouni) no Centro Universitário Unieuro, em Brasília, com bolsa de 50% no curso de direito, mas deseja tentar uma bolsa integral.

 

Júlia Melo enviou um e-mail para o Eu, Estudante para relatar a decepção que sente em relação ao Exame. "Prestei a segunda aplicação do Enem em dezembro devido às ocupações e me foi dada a certerza de que meus direitos seriam garantidos. Contudo, a nota dos candidatos da segunda aplicação não está no sistema, independente do que o MEC afirme. Além de ser extremamente frustrante fazer parte de um pequeno grupo que não teve as notas lançadas — pois conseguimos entrar no site sem problemas e só constam as notas de 2015, bem como ao ligar no 0800 a atendente confirmou que as notas da segunda aplicação não haviam sido lançadas —, também temos que lidar com a falta de transparência do órgão, visto que faz-se necessário um comunicado oficial sobre o problema desses candidatos. Não é o sistema que está sobrecarregado, não é falta de paciência, é um descaso com aqueles que fizeram a segunda aplicação. Peço que o jornal denuncie essa situação extremamente injusta e desagradável", afirma.  

 

*Estagiária sob supervisão de Ana Paula Lisboa