PERFIS DE SUCESSO - MADNA NEY FELIPE E CALEBE FELIPE DA SILVA »

Parceria de mãe e filho

À frente de lanchonete inaugurada em julho de 2016 na 307 Norte, empresários conquistam o público com açaí e refeições saborosas e saudáveis. Por dia, são pelo menos 100 clientes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/01/2017 16:17 / atualizado em 29/01/2017 16:28

 

A parceria de mãe e filho entre Madna Ney Felipe, 59 anos, e Calebe Felipe da Silva, 35, tem dado bons frutos no Rocks Açaí (saiba mais em www.facebook.com/rocksacaioficial).  Localizada na 307 Norte, a lanchonete foi aberta em 29 de julho do ano passado e tem superado as expectativas de movimento. Diariamente, a casa recebe pelo menos 100 pessoas. “Desde o terceiro mês, o negócio se paga”, comemora Calebe. Questionado sobre os efeitos da crise no empreendimento, ele observa que o sucesso depende, na verdade, de planejamento e boa gestão. O resultado é fruto de trabalho duro, investimento em qualidade, preços acessíveis e relacionamento próximo com o público. “As pessoas procuram muito mais que apenas um lanche ou refeição. Percebo que, muitas vezes, o cliente quer sentar aqui e bater um papo. Converso e escuto muito aqui. Precisamos mais disso: um negócio não pode ter foco só em vender, tem que existir esse lado humano também”, percebe Madna. No espaço, o público pode dar uma pausa na rotina e apreciar lanches e refeições leves, gostosas e saudáveis.


O local tem visual moderno, com muita madeira, concreto queimado e tons de preto na decoração. O que dá verdadeiro charme é a pegada musical: tudo ali é inspirado em rock. As opções do cardápio — entre açaís, tapiocas, omeletes, sanduíches, saladas, sucos e vitaminas — têm nomes de bandas, como Legião Urbana, Paralamas do Sucesso, Capital Inicial, Scorpions, Aerosmith, Beatles e Led Zeppelin. Um dos destaques do menu é o Mexidão rocks, que consiste em uma porção de cuscuz com queijo, ovo, tomate, peito de peru, carnes bovina e de frango desfiadas, cebolinha, azeite e orégano. “É um dos mais pedidos”, observa Calebe. O açaí, pasteurizado, é diferenciado: é bastante concentrado (com pouca água) e não tem xarope de guaraná. A loja funciona de segunda a sexta-feira das 9h às 20h e, aos sábados (quando é oferecido café da manhã), das 8h às 15h. A dupla de empresários oferece almoço executivo, e o sucesso surpreendeu. O preço acessível (R$ 12,90 — em fevereiro, o valor será reajustado para R$ 15,90) e o sabor caseiro conquistaram o público.


Antônio Cunha

 

“Começou despretensiosamente. Como tenho dois filhos que trabalham juntos — o Calebe e o Eric Cavalcante, 33 —, passei a fazer um almocinho para nós mesmos. Funcionou tanto que resolvemos oferecer aos clientes também”, conta Madna. A procura foi tanta que ela precisou passar a contar com a ajuda dos funcionários: hoje, são servidas até 70 pessoas por dia. “Foi um boom! Uma pessoa chama a outra, e muitos grupos de colegas que trabalham juntas almoçam aqui”, observa. “Tem que vir cedo: em menos de uma hora, acaba. Por isso, tem gente que liga para reservar o almoço”, comemora Calebe. A cada dia, há uma opção de prato, e os queridinhos do público são parmegiana de carne de vaca ou frango com arroz e batata palha; e costelinha de porco ao barbecue, farofa, arroz e feijão. “É uma comida caseira para quem não pode estar em casa no horário do almoço”, percebe Madna.

Empreendedorismo
A iniciativa de abrir o estabelecimento surgiu da inquietação de Madna. Ela trabalhou como secretária executiva numa multinacional por 25 anos e como cerimonial de casamentos por 12 anos. Depois de se aposentar, ela detestou a sensação de não ter o que fazer. “Nunca gostei de ficar parada”, conta ela, natural de Natal (RN). “Montei esse açaí para a minha mãe tocar. É ela quem fica aqui, administra e ajuda a atender os clientes”, revela Calebe. O brasiliense uniu a própria experiência com negócios — ele é graduado em administração e proprietário da Clean Service, empresa de conservação e limpeza também localizada na 307 Norte, e de uma firma de cobranças em Juiz de Fora (MG) — com a vontade de trabalhar da mãe ao propor a abertura do negócio.


“Eu gosto muito de açaí. Um amigo meu abriu uma loja nesse ramo, chamada Rocks Açaí, em Águas Claras e eu amei”, lembra Calebe. Ele propôs sociedade ao amigo para iniciar a unidade na Asa Norte. O sócio continuou na empresa até dezembro, quando a parte dele foi comprada. Hoje, o estabelecimento de Águas Claras mantém o mesmo nome, mas pertence a outro dono. A unidade da Asa Norte tem quatro funcionários, incluindo o gerente Leandro Firme, 32, amigo de longa data de Calebe. “A gente motiva a equipe financeiramente para evitar a rotatividade e garantir um atendimento diferenciado”, explica Calebe. Atualmente, a empresa está no processo de patentear a marca Rocks Açaí. Mãe e filho pretendem começar a oferecer serviços de entrega e a servir café colonial nos fins de semana.