GUIA DE CONCURSOS »

Quer trabalhar no Conselho Regional de Farmácia?

Concurso oferece 10 vagas para contratação imediata e formação de cadastro reserva. Salários variam de R$ 1.600 a R$ 5.055

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/02/2017 13:43 / atualizado em 05/02/2017 13:48

Arquivo Pessoal

O Conselho Regional de Farmácia do Distrito Federal (CRF-DF) abriu concurso público com 10 oportunidades imediatas, além de cadastro de reserva. As vagas são para os níveis fundamental — auxiliar de serviços gerais (1), com salário de R$ 1.600 —, médio — assistente administrativo (3) e web designer (1), com vencimentos de R$ 2.400 — e superior — administrador (1), advogado (1), contador (1) e farmacêutico fiscal (2). A remuneração para os cargos de nível superior é de R$ 4.600, com exceção de farmacêutico fiscal, que ganhará R$ 5.055. Os aprovados serão regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e cumprirão jornada de 40 horas semanais.


Candidatos de nível fundamental deverão responder 35 questões de língua portuguesa (12), raciocínio lógico e matemático (8) e conhecimentos específicos (15). Já as provas de nível médio e superior são compostas de 50 questões de português (5), raciocínio lógico e matemático (3), legislação aplicada ao CRF-DF (12), microinformática (5) e conhecimentos específicos (25). O exame para os cargos de ensino superior terá uma questão discursiva, e os candidatos serão submetidos ainda a uma prova de títulos.


Laíse Naiane Horácio da Silva, 22 anos, acredita que não terá dificuldade na parte de regulamentação na prova. Ela vai concorrer a uma vaga de assistente administrativo e, por ser aluna do 1º semestre de direito e gostar do assunto, tem familiaridade com legislações. “Ler com atenção o que está explícito e implícito é um exercício diário. Além disso, tenho o hábito de discutir o sentido dos textos para aprimorar meu juízo crítico”, diz ela, que, de segunda a sábado, dedica seis horas por dia aos estudos. “Não consulto nada aos domingos, porque o descanso é primordial”, explica a piauiense, que estuda para concursos há um ano.

Regulamentação
Farmacêutico fiscal do Conselho Regional de Farmácia do DF, José Batista de Oliveira Filho, graduado em farmácia pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), explica que a matéria de legislação aplicada ao CRF-DF, cobrada nas provas de níveis médio e superior, é importante porque os profissionais trabalharão com assuntos normatizados e regulamentados pelos textos. “Algo que certamente será assunto nessa prova é a Lei nº 3.820/1960, que trata das atribuições do Conselho Federal de Farmácia (CFF) e dos CRFs”, observa.


Outra norma que o candidato deve conhecer muito bem é a Lei nº 13.021/2014, que dispõe sobre o exercício e a fiscalização das atividades farmacêuticas. José Batista explica que o endereço eletrônico da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) — www.portal.anvisa.gov.br — é uma boa fonte de referências. Outros materiais podem ser acessados nos sites dos CRFs. “O segredo para aprender é a empatia, colocar-se na situação em que se está estudando para compreender a norma”, salienta o farmacêutico fiscal.


O certame será aplicado pelo Instituto Americano de Desenvolvimento (Iades), conhecido por cobrar a literalidade das leis, de acordo com Daniel Boff, graduado em farmácia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), coordenador e professor de legislação específica do Instituto de Estudos Farmacêuticos (Ifar virtual). “O Iades não cria situações para que o aluno forme um raciocínio. Ele tem de estudar com base nas provas anteriores para entender como o conteúdo é exigido”, comenta.


O professor faz um alerta sobre a importância de ler atentamente cada questão para não cair nas pegadinhas da prova. “As atribuições do CFF e do CRF são praticamente as mesmas, mas a banca muda alguns verbos, e isso pode confundir o candidato”, adverte.


Para se dar bem em conhecimentos específicos, especialmente no cargo de farmacêutico fiscal, a orientação de Daniel Boff é estudar a lei que cria os conselhos (nº 3.820/1960), o Código de Ética da Profissão Farmacêutica (resoluções nº 417/2004, 418/2004 e 431/2005 do CFF) e a Lei nº 5.991/1973, que normatiza a profissão e o controle sanitário do comércio de drogas e medicamentos. É preciso ainda estar atento às atualizações das normas. “Às vezes, o candidato não tem a devida atenção e acaba estudando a partir de materiais desatualizados”, diz.

Razão afiada

Raciocínio lógico e matemático é outra matéria crucial na prova do CRF-DF. Engenheiro aeronáutico pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e professor de exatas do Estratégia Concursos, Arthur Lima diz que o tema gera receio em muitos candidatos por ser abordado de maneira superficial nas escolas. “O objetivo do candidato que estuda para concurso é acertar as questões e não se tornar um mestre em matemática”, afirma, para alívio dos concurseiros. “O método que utilizo com meus alunos é o da automatização do conteúdo, ou seja, ver vários modelos de questão de prova,  captar as características comuns a cada estilo de questão, compreender os passos para a resolução dos problemas e exercitar diariamente esse esquema”, orienta. “Quem estiver se preparando sozinho pode aproveitar os conteúdos gratuitos que abordam essa técnica no YouTube, por exemplo”, propõe.

 

Passe bem / Legislação aplicada ao CRF

De acordo com a lei que cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Farmácia, a opção que caracteriza a atribuição do CFF é:


A) Registrar os profissionais de acordo com a presente lei e expedir a carteira profissional.
B) Examinar reclamações e representações escritas acerca dos serviços de registro e das infrações desta lei.
C) Deliberar sobre questões oriundas do exercício das atividades do farmacêutico.
D) Organizar o seu regimento interno, submetendo-o à aprovação da Anvisa.
E) Delegar aos Conselhos Regionais a expedição das resoluções que se tornarem necessárias para a fiel interpretação e execução da presente lei.

Comentário:
A Lei nº 3.820/1960 cria o Conselho Federal e os Regionais de Farmácia. No Artigo 6º, a norma descreve as atribuições do Conselho Federal como: deliberar sobre questões oriundas do exercício de atividades afins às do farmacêutico. Vamos avaliar então as demais questões:


A) O registro de profissionais é atribuição dos conselhos regionais, não do federal.
B) As reclamações de que trata a alternativa B devem ser examinadas pelos conselhos regionais de farmácia e não pelo federal.
D) Não existe vinculação nem subordinação dos conselhos de farmácia com a Anvisa.
E) Resoluções são atribuições exclusivas do Conselho Federal de Farmácia: Os conselhos regionais só podem emitir deliberações.

Questão retirada da prova do Conselho Regional de Farmácia de Rondônia (CRF-RO), aplicada pela Fundação Carlos Augusto Bittencourt (Funcab) em 2015, comentada pelo professor Daniel Boff

 

O que diz o edital

Concurso público para o Conselho Regional de Farmácia do Distrito Federal (CRF-DF)
Inscrições: até 9 de março pelo site www.iades.com.br
Taxas: R$ 48 (nível fundamental), R$ 68 (nível médio) e R$ 85 (nível superior)
Vagas: 10 imediatas e formação de cadastro de reserva
Salários: de R$ 1.600 a R$ 5.055
Provas: 26 de março, no turno matutino para níveis fundamental e superior e no vespertino para nível médio
Local: Distrito Federal

 

* Estagiária sob supervisão de Ana Paula Lisboa