SELEçãO »

A vaga é sua!

É isso que todos desejam ouvir ao fim de uma entrevista de emprego. É possível aumentar as suas chances de efetivação sabendo o que fazer e o que não fazer durante processos seletivos. Confira dicas de especialistas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/03/2017 08:22 / atualizado em 12/03/2017 08:27

Você tem medo de entrevista de emprego?

 

Gabriela Studart
 

Não precisa mais ter! Siga dicas de especialistas — como não se atrasar, se vestir adequadamente, pesquisar sobre a empresa, saber vender o próprio peixe — e aprenda a ficar tranquilo e a se sentir seguro para esses momentos

 

Assim como uma prova de escola, faculdade ou concurso, a entrevista de emprego é um momento que deixa muita gente apavorada. Ansiedade, desconforto de falar em público e medo de ser avaliado são sentimentos comuns para a maioria dos candidatos. Afinal, não é fácil se colocar à prova, correndo o risco de receber um retorno negativo. À medida que aumenta a quantidade de desempregados — o Brasil fechou 2016 com 12,3 milhões de pessoas sem trabalho, encerrando o quarto trimestre do ano com uma taxa de desocupação de 12%, a maior da série histórica iniciada em 2012 na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Pnad/IBGE) — e, consequentemente, o número de candidatos a vagas de emprego, cresce também o pânico que se instaura nos que precisam de uma oportunidade.


Graduada em gestão de recursos humanos, Ana Paula Menezes Gomes Lisboa, 23 anos, precisou lidar com essa situação há pouco tempo. Em dezembro, ela conquistou o cargo de auxiliar financeira em uma empresa de segurança do trabalho. A procura por uma oportunidade envolveu percalços. “Eu sou um pouco tímida. Em algumas entrevistas, fiquei bastante nervosa. Tive que fazer uma apresentação na frente de todos e achei que foi muita exposição”, conta. Na opinião da jovem, a técnica escolhida pelos recrutadores influencia diretamente o desempenho dos candidatos. Ela se sentiu mais intimidada, a princípio, em dinâmicas de grupo, mas diz se sentir tranquila com conversas frente a frente com o entrevistador, quando pode ficar mais à vontade para expressar as próprias ideias.

 

O analista de vendas Hugo Sampaio, de 33 anos, relata que foi surpreendido por uma entrevista gravada por videoconferência. “O fato de não ter ninguém ali na sala deixou tudo mais difícil. Acabei deixando transparecer o nervosismo”, afirma o administrador. Recém-contratado por uma empresa de telefonia após sete meses sem trabalho, ele percebe que, para ter sucesso em seleções, é preciso confiança em si mesmo, saber o que quer e tentar ficar relaxado na hora de demonstrar os próprios conhecimentos ao entrevistador.

O outro lado
Quem nunca quis saber o que se passa na mente de um recrutador? Quais critérios ele utiliza? O que costuma observar? Larissa Meiglin, supervisora de Assessoria de Carreira da Catho, site especializado em vagas de emprego, indica algumas direções. A psicóloga afirma que, geralmente, a primeira etapa do processo é focada em avaliar habilidades e competências técnicas, ou seja, se o profissional conta com os conhecimentos necessários para a função. Já na segunda etapa, que pode ser realizada com o gestor da área, a análise é mais comportamental e busca saber se o candidato tecnicamente habilitado se dará bem com a equipe e se encaixará no contexto da empresa. Também é comum verificar se o jeito da pessoa é condizente com a missão, a visão, os valores da organização e o modo como ela impacta o mercado.

 

Diego Marra, coordenador de Recursos Humanos da Spot, que oferece treinamentos, avaliações e consultoria profissional, ressalta que falar pouco ou compartilhar informações contraditórias pode atrapalhar o andamento do candidato. A apresentação e a linguagem informais, segundo ele, também passam uma impressão de descuido. “Comunicação adequada, proatividade, organização e segurança das informações prestadas são alguns dos pré-requisitos dos gestores que solicitam novas contratações”, conclui o administrador de empresas com habilitação em comércio exterior e especialista em gestão de projetos.

 

Acesse o app e mande bem

O aplicativo #BeFearless — módulo Medo de falar em público — conta com exercícios desenvolvidos para o universo profissional, incluindo entrevistas de emprego. Dá para conferir o resultado depois de cada sessão realizada. Os índices de desempenho são personalizados, baseados em contato visual, volume da voz, frequência cardíaca e autoavaliação. Mais informações no site www.samsung.com/br/launchingpeople.

 

O que não falar

Cinco respostas que pegam mal na entrevista de emprego:

1. “Sim”, “não”, “é”, “talvez” ou “aham”...
Respostas monossilábicas mostram que você queria estar em qualquer lugar, menos naquela entrevista.

2.“Eu devo ser contratado, pois estou há mais de um ano desempregado e preciso muito de um emprego”
Na hora da entrevista, deixe o desabafo de lado e foque nos seus diferenciais, na sua força de vontade e no quanto você quer aquela oportunidade.”

3. “Não, eu não gosto de trabalhar em equipe, mas precisa, né?”
Sim, você deve ser verdadeiro na entrevista, mas cuidado para não ser vítima do ‘sincericídio’.
4. “Meu ponto a melhorar? Sou muito perfeccionista”.
Essa até dói no ouvido do recrutador de tão batida que é. Uma boa dica é pensar em algo que é mesmo seu ponto fraco, mas que não é essencial para desenvolver o seu trabalho.

5. “Estou procurando um novo emprego, pois eu detesto meu chefe atual”
Depreciar antigos empregadores ou empresas onde você trabalhou mancha a sua imagem. A ideia passada é: se ele fala mal da firma atual, falará mal da minha também.

Fonte: Catho Online

 

Arquivo Pessoal
Manual para não errar Talita Barros é administradora e especialista em gestão estratégica de pessoas pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e atua como coach de carreiras. Veja abaixo as dicas que ela selecionou para garantir o sucesso em uma entrevista de emprego.

 

Mantenha-se informado
Informe-se sobre a empresa, o mercado em que ela está inserida e, se possível, como o seu cargo pode contribuir com a companhia. É muito provável que o entrevistador pergunte sobre isso e vai ficar muito feio dizer que não conhece o local onde pretende trabalhar.

Valide suas competências
Nunca vá para uma entrevista sem saber quais são suas habilidades. Tenha clareza de quais são suas competências e quais são aquelas necessárias para o cargo. Assim, você conseguirá direcionar as respostas de forma estratégica.

Traçe um plano
Ter clareza sobre os seus objetivos é muito importante não só na entrevista, mas em tudo, até na configuração do currículo. Ter metas e planos de carreira bem definidos dará suporte para avaliar se a oportunidade é realmente para você e se seus valores estão alinhados com os da empresa.

Descubra seus pontos fortes
Se você quer “se vender”, precisa deixar claro para o entrevistador quais são seus diferenciais. Vá preparado para mostrar a ele por que você deve ser contratado.

Seja pontual
Nunca se atrase para uma entrevista de emprego, mas também não seja muito adiantado. Chegue de 15 a 30 minutos antes do horário marcado. É de bom tom.

Vista-se adequadamente
 Cada organização e segmento tem um tipo de vestimenta. Procure se informar sobre isso e acerte mais esse ponto.

Seja realista quanto ao salário
Antes de responder à pergunta “Qual sua pretensão salarial?”, valide a sua resposta. Pesquise e tenha certeza de que ela está alinhada com o praticado no mercado de trabalho.

Confie no seu taco
Autoconhecimento e autoconfiança são outros segredos para uma boa entrevista de emprego.