SIGA O
Correio Braziliense

GUIA DE CONCURSOS »

Chances no Conselho Federal de Odontologia

Órgão oferece 34 vagas imediatas para níveis médio e superior. Salários variam entre R$ 2 mil e R$ 7,5 mil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/04/2017 16:05

Arquivo Pessoal

As inscrições para o concurso do Conselho Federal de Odontologia (CFO) estão abertas desde a última segunda-feira (3). As oportunidades para nível médio têm salários que variam entre R$ 2 mil e R$ 3,2 mil e incluem 147 vagas de cadastro de reserva e 18 imediatas para os cargos de agente operacional (2) — posto que exige Carteira Nacional de Habilitação tipo B —, recepcionista (2), técnico administrativo (7), técnico em arquivo (1), técnico em contabilidade (2), técnico em secretariado (2) e técnico em tecnologia da informação (2). No caso de nível superior, os vencimentos vão de R$ 6,4 mil a R$ 7,5 mil em 159 vagas de cadastro de reserva e 16 imediatas para administrador (2), analista de compras e licitação (2), analista de desenvolvimento de sistemas de informação (1), analista de recursos humanos (1), analista de suporte de tecnologia da informação (1), contador (4), procurador jurídico (3) e secretariado executivo (2).


Os selecionados também farão jus a benefícios como auxílio-alimentação (R$ 800 mensais), assistência médica e odontológica e vale-transporte. A jornada de trabalho é de 40 horas semanais para todos os postos. O concurso se dará por meio de prova objetiva composta por 120 questões (de certo ou errado), sendo 40 de conhecimentos básicos — português e atualidades (todos os cargos), noções de in formática (exceto para candidatos a vagas de técnico em tecnologia da informação, analista de desenvolvimento de sistemas de informação e analista de suporte de tecnologia da informação), inglês e raciocínio lógico e matemático (somente para candidatos a posições de técnico em tecnologia da informação, analista de desenvolvimento de sistemas de informação e analista de suporte de tecnologia da informação) —, 20 de complementares — ética no serviço público e legislação — e 60 de específicos. Candidatos de nível superior deverão responder ainda a uma prova discursiva, composta por um texto dissertativo, de até 30 linhas, com tema baseado nos conhecimentos específicos de cada cargo; já quem se inscrever para concorrer a uma vaga de procurador jurídico deverá elaborar uma peça jurídica de até 120 linhas.

Cadê minha vaga?

Clarissa Vieira Lopes, 26 anos, tecnóloga em processos gerenciais, estuda há três anos para concursos públicos e costuma fazer cursos on-line. A jovem vai concorrer a uma posição de técnico administrativo. Em meio às incertezas do cenário político e econômico do país, ela viu, no Conselho Federal de Odontologia, uma grande oportunidade e resolveu tentar. “Fiz a prova do Corpo de Bombeiros e, para não perder o pique, resolvi fazer esse”, diz. Clarissa estuda cinco horas por dia e pretende focar nas matérias-chave cobradas. “O edital é mais enxuto e básico. Agora, vou focar em conteúdos mais específicos, como direito administrativo, administração pública e legislação”, afirma ela, que está confiante para a prova. “Não existe concurso fácil, mas minha expectativa é grande”, conclui.

Preparação

O professor de legislações específicas do Gran Cursos Ismael Noronha indica o estudo da Resolução do CFO nº 63/2005, que é a Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia. “É muita coisa para estudar, incluindo termos técnicos e compreensão da norma. Não vale a pena ler tudo, só se tiver tempo. Analisando o que caiu em outras provas parecidas, aconselho os candidatos a focar nos títulos 1 e 2 do texto, que são relacionados às especialidades que o dentista pode exercer e procedimentos para registro e inscrição”, pondera. Segundo Noronha, é preciso ter cuidado para não cair em pegadinhas. “As bancas cobram as normas de forma literal. Leia a legislação de duas a três vezes até a prova para memorizar tudo”, conclui.


Cobrada em praticamente todos os concursos, a língua portuguesa exige muita atenção de acordo com o professor Filemon Fêlix de Moraes, dono de um curso preparatório que leva o nome dele. O docente observa que o nível de cobrança varia muito de uma banca examinadora para outra. No caso do Instituto Quadrix, responsável pelo concurso do CFO, as provas geralmente são bem objetivas, ou seja, não misturam vários conteúdos em uma mesma questão. “O grau de dificuldade muda conforme o nível de formação. Candidatos de nível médio devem estudar mais análise sintática, termos da oração e conjugação dos verbos, incluindo as vozes verbais, e acentuação gráfica.


Para o nível superior, é necessário estudar análise sintática voltada à classificação de orações, concordâncias verbais, pontuaões e crases”, orienta. Quem vai fazer a redação deve verificar os tópicos exigidos na prova, seguir o que for pedido no comando da questão e ficar atento para não perder pontos por besteiras. “É muito importante ter atenção com a legibilidade: as notações precisam estar bem definidas, como pingo no ‘i’, acentos gráficos, colocar cifrão no lugar certo”, indica. Filemon recomenda ainda prestar atenção à grafia e à concordância de verbos. “O ideal é elaborar entre quatro e cinco parágrafos em 30 linhas”, acrescenta.

 

Passe bem/Legislação

 

Em consonância com a Resolução do CFO nº 63/2005, não é atividade privativa do cirurgião-dentista, dentre outras:
a) Ser responsável pelo treinamento de auxiliares e serventes do laboratório de prótese odontológica
b) Proceder à perícia odontolegal em foro civil, criminal, trabalhista e em sede administrativa.
c) Realizar isolamento do campo operatório
d) Executar limpeza, assepsia, desinfecção e esterilização do instrumental, dos equipamentos odontológicos e do ambiente de trabalho
e) Registrar dados e participar da análise das informações relacionadas ao controle administrativo em saúde bucal.

Comentário:
Essa matéria é cobrada de forma literal. A resposta encontra-se no art. 4º, § 1º. Neste dispositivo estão todas as atividades privativas de cirurgião-dentista. A alternativa “e” traz uma competência do auxiliar em saúde bucal, prevista no art. 20, “h”.

Questão da prova de procurador jurídico do Conselho Regional de Odontologia do Paraná (CRO-PR), aplicada pelo Instituto Quadrix em 2016, comentada pelo professor Ismael Noronha

Gabarito: letra e

 

O que diz o edital

O que diz o edital
Concurso público do Conselho Federal de Odontologia (CFO)
Inscrições: até 8 de maio pelo site www.quadrix.org.br
Taxas: R$ 65 (nível médio) e R$ 85 (nível superior)
Vagas: 34 imediatas e 306 de cadastro de reserva
Salários: de R$ 2 mil a R$ 7,5 mil
Provas: 28 de maio, à tarde (nível superior; duração: quatro horas, com exceção do cargo de procurador jurídico, que terá cinco horas de prova) e 4 de junho (nível médio; duração: três horas e meia)

 

* Estagiária sob supervisão de Ana Paula Lisboa