Festa da aprovação toma conta do câmpus Darcy Ribeiro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/07/2017 17:08 / atualizado em 17/07/2017 22:45

 

A expectativa para a liberação dos nomes dos aprovados no vestibular de 2017 da Universidade de Brasília (UnB) era grande na tarde desta segunda-feira (17). No total, 2.379 pessoas foram aprovada, mais do que o oferecido no edital: 2.105 vagas em 98 cursos nos quatro câmpus da instituição. As oportunidades a mais foram geradas a partir de vagas remanescentes do Programa de Avaliação Seriada (PAS). A seleção teve 21.139 inscritos.

 

Lanna Silveira/Esp. CB/D.A Press

No câmpus Darcy Ribeiro, centenas de candidatos e veteranos se reuniram para conferir o resultado no Teatro de Arena e no Instituto Central de Ciências (ICC).

Lanna Silveira/Esp. CB/D.A Press

As atléticas dos cursos de medicina (Insana), enfermagem (Enfurecida) e ciências contábeis (Visionários) estavam lá para receber os calouros.

 

Lanna Silveira/Esp. CB/D.A Press

Douglas Moreira, 18, passou por cotas para alunos de escolas públicas para o curso de design. "Fiz o cursinho comunitário Educação, ministrado por alunos do câmpus Planaltina da UnB, e passei", revela o morador de Planaltina que estudou no Centro Educacional 3 (CED 3). Para quem ainda está estudando, ele deixa o recado: "é preciso ter esperança". Filho de um casal de serventes, Douglas diz que sempre quis estudar design.

 

Lanna Silveira/Esp. CB/D.A Press
 

Clara Gomes, 18, está feliz, pois estudará turismo na UnB. "Eu nem sei explicar o que estou sentindo. É muita emoção", conta. Ela também passou por meio de cotas para alunos de escolas públicas. Moradora de Planaltina, Clara também foi aluna do cursinho comunitário Educação e do CED 3 e atribui o sucesso no vestibular à persistência. "Nunca desista do seu sonho", aconselha.

 

Lanna Silveira/Esp. CB/D.A Press

"Estou muito feliz de verdade. É uma sensação inacreditável, um momento único entrar na faculdade que você deseja. Estudei muito", conta Vinícius Fernandes, 18, aprovado para engenharia elétrica. Ele fez cursinho no Olimpo e tinha aulas até as 22h. O morador de Águas Claras, filho de uma enfermeira e um farmacêutico, foi aprovado por meio de cotas para negros. "O segredo para passar é ter foco e estudar", diz ele, que estudou no Colégio Leonardo da Vinci de Taguatinga.

 

Ele foi conferir a lista de aprovados acompanhado da mãe, Valéria Fernandes, 49. "Estou muito feliz, é indescritível a emoção. É um momento esperado por toda a família. O Vinícius se preparou muito e chegou o momento dele", afirma, orgulhosa.

 

Lanna Silveira/Esp. CB/D.A Press
 

Carolina Passereli Diniz, 19, foi aprovada para o disputado curso de medicina por meio de cotas para alunos de escolas públicas. "É uma alegria muito grande, nem cabe dentro do peito. Eu tinha tentado outras duas vezes pela UnB", conta a ex-aluna do Colégio Militar de Brasília (CMB). "Minha dica é que tem estudar muito, nem que seja 12 horas por dia."


Lanna Silveira/Esp. CB/D.A Press

Renato Eduardo Sousa Silva, 19 anos, e Soraia Barcat, 18, são novos calouros do curso de educação física. "Eu me sinto realizado de passar, pois abri mão de sair, de assistir a séries para estudar", revela Renato. Filho de uma vigilante, ele passou na seleção pelo sistema universal. Durante a preparação, fez cursinho no Alub e estudou no Colégio Madre Carmem Salles.

Soraia, filha de um advogado e de uma psicóloga, estudou no Podion e fez cursinho no Exatas. "Estou muito realizada. Ainda estou chocada", conta ela, que passou pelo sistema universal. "Para passar, é preciso fazer muitas provas antigas e ter muita paciência", ensina.

 

Lanna Silveira/Esp. CB/D.A Press
 

Desde o ensino médio, o sonho de Manuela Dalpoz, 18 anos, era ser advogada. Agora que passou em direito, ela se sente realizada. “Estou muito feliz, é gratificante — um alívio também —  e dá uma sensação muito boa”, conta. Com a mãe psicóloga e o pai empresário, cursou o ensino médio no Maristão enquanto fazia cursinho preparatório no Único. Para ela, ter motivação é essencial para conquistar uma vaga. “Temos que sentir que vale a pena e que é possível. Tem que ter esforço, estudo e não ter preguiça que realmente vai dar certo.”

 

 

 

 

 

 


 

*Estagiário sob supervisão de Ana Paula Lisboa