GUIA DE CONCURSOS

Professores dão dicas de estudo para o concurso dos Correios

Empresa pública oferece 88 vagas no DF e em 25 estados, com salários que chegam a R$ 4,9 mil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/10/2017 15:14

Arquivo Pessoal
O novo concurso da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos oferece 88 vagas imediatas, além de formação de cadastro de reserva, no Distrito Federal e em 25 estados. As 33 oportunidades de nível técnico são para candidatos com cursos em auxiliar de enfermagem do trabalho (12 vagas, com salário de R$ 1.876,43) e segurança do trabalho (21 vagas, com remuneração de R$ 2.534,14), para os quais o expediente é de oito horas diárias. Já em nível superior, as 55 chances são para engenharia de segurança do trabalho (nove vagas para graduados em engenharia ou arquitetura), médico do trabalho (44 vagas para graduados em medicina e especialistas nessa área) e enfermeiro do trabalho (duas vagas para formados em enfermagem). Os vencimentos são de R$ 4.903,05 para os dois primeiros cargos e de 4.689,13 para o último. Aprovados de nível superior terão jornada de seis horas diárias, com exceção dos médicos, que trabalharão apenas quatro horas por dia. A banca examinadora é o Instituto Americano de Desenvolvimento (Iades). A prova objetiva terá 50 questões.


As disciplinas comuns a todos os postos são língua portuguesa, raciocínio lógico, noções de informática e legislação dos Correios. Normas regulamentadoras relativas à segurança e à medicina do trabalho é matéria que cairá no exame de todos os cargos de nível superior. Os testes terão quatro horas de duração e os aprovados serão contratados pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Engenheira de agrimensura com pós-graduação em segurança do trabalho, Patrícia Rioga, 42 anos, se prepara para passar no concurso. Servidora técnico-administrativa da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), ela estuda cerca de três horas diárias. “Trabalho durante o dia e tenho três filhos. Então só posso me dedicar à noite, enquanto minha família dorme, e durante as folgas da universidade”, explica. Moradora de Sete Lagoas (MG), ela vai tentar uma vaga para atuar no próprio estado, que oferece apenas cadastro de reserva para o cargo pretendido. “Estou dando o meu máximo para conseguir essa vaga e poder trabalhar na minha área, mas, quando chegar a hora, pode ser que eu desista, pois pode não valer abrir mão da minha estabilidade. Além disso, os Correios estão em crise”, completa.

Fique por dentro
Legislação específica não costuma ser uma matéria que impulsiona o resultado final do candidato porque, segundo o professor do Gran Cursos Online Gladson Miranda, as questões trazem dificuldade extra, pois não basta conhecer as normas do órgão, é preciso também entender como a banca cobra o assunto. “Por isso, é preciso estudar a partir de questões de provas anteriores da instituição organizadora para entender o perfil do que pode cair”, explica.


O docente orienta que os candidatos estudem os cinco tópicos de legislação — Constituição Federal, decreto nº 3298/1999 (Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência), Lei nº 7853/1989 (integração social das pessoas com deficiência), Lei nº 8016/2013 (Estatuto Social dos Correios) e Lei nº 13303/2016 (estatuto jurídico da empresa pública) — sem fazer resumos ou decorar textos, mas, sim, entendendo o objetivo das normas na essência. O professor destaca ainda que os documentos relacionados às pessoas com deficiência são cobrados porque todos os cargos são ligados à segurança do trabalho.


Léo Matos, professor de informática no Espaço Campus, observa que é preciso estudar esta disciplina tanto na teoria quanto na prática. “Principalmente a parte de aplicativos. Os comandos listados em livros e apostilas devem ser testados no próprio computador. Isso faz com que o candidato se lembre de como usar as ferramentas na hora da prova”, afirma. Ele acredita também que os alunos não precisam focar em assuntos como internet, segurança da informação e planilhas eletrônicas. “São temas muito explorados e pode ser que não caiam muitas questões sobre isso”, conclui. Já os tópicos que devem ser priorizados são uso de aplicativos e sistemas operacionais.


Para o professor do Estratégia Concursos Arthur Lima, raciocínio lógico só será uma dificuldade durante o concurso caso o candidato não tenha obtido boa base de matemática durante a educação básica. Mesmo se esse for o caso, a boa notícia é que nem todos os itens envolvem cálculos. “Lógica de argumentação e compreensão de estruturas lógicas são assuntos muito cobrados e que não exigem fazer contas”, ressalta. Durante a preparação, antes de tentar estudar cada tópico do edital, é importante fazer, inicialmente, uma revisão da matéria. “Antes de tudo, eles precisam rever o conteúdo básico e, somente depois, começar a estudar os pontos cobrados no certame”, ensina. Segundo ele, tentar dominar tudo de uma vez é um erro. “Caso não haja tempo, é melhor analisar uma parte com qualidade do que estudar a totalidade superficialmente”, completa.

 

Passe bem / Legislação

Em relação aos direitos e garantias fundamentais, preconizados pela Constituição Federal, assinale a alternativa correta:
a) É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, após regular processo de censura e (ou) licença.

 

b) É livre a manifestação do pensamento, bem como o anonimato.
c) O mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e sem limite mínimo de funcionamento, em defesa dos interesses de seus membros ou associados.

 

d) Qualquer cidadão é parte legítima para propor ação popular que vise anular ato lesivo ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, necessitando, contudo, o autor, recolher as custas judiciais.


e) A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando à formação de uma comunidade latino-americana de nações.

Comentário:
a) Errada. A Constituição Federal, em seu rol de direitos fundamentais estabelece, no art. 5º, IX, ser “livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”. Desta forma, não se exige prévio processo de censura ou licença como afirmado pela questão.


b) Errada. Também aqui a banca cobrou literalidade a lei, o que demonstra a importância de usar uma metodologia com base nas questões anteriores da banca. O art. 5º, da CF/88, destaca em seu inciso IV, ser “livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”. Desta forma, a Constituição imprescinde que haja identificação de quem venha a manifestar de forma pública seu pensamento.


c) Errada. O art. 5º diz que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade. Traz em referido artigo vários direitos, os ditos direitos fundamentais.


Mas não indica apenas direitos, mas sim garantias. Uma delas é o mandado de segurança que busca combater ilegalidades. Nos termos do inciso LXX, traz os legitimados para impetrar o mandado de segurança coletivo: “a) partido político com representação no Congresso Nacional;

b) organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos um ano, em defesa dos interesses de seus membros ou associado”. Desta forma, não se pode afirmar, como fez a questão, que não há limite mínimo de funcionamento.


d) Errada. O art. 5º, LXXIII, da CF/88, traz o direito de qualquer cidadão ser “parte legítima para propor ação popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo comprovada má-fé, isento de custas judiciais e do ônus da sucumbência”. Desta forma, apenas em caráter excepcional, o autor será condenado ao pagamento das custas processuais, o que se dará quando se comprovar sua má-fé quando do ajuizamento da ação penal.


e) Correta.  É o que determina a literalidade do art 4º, parágrafo único, da CF/88  quando estabelece que “a República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando à formação de uma comunidade latino-americana de nações”.

Percebe-se na análise da questão da banca que, até mesmo em concursos jurídicos, se cobra a literalidade das leis, o que facilita desenvolver estratégia específica de abordagem das questões do Iades.

Questão retirada do concurso para analista judiciário da  Secretaria de Estado de Gestão Administrativa e Desburocratização do DF, comentada pelo professor de legislação específica Gladson Miranda

 

Gabarito: questão E

 

O que diz o edital

Concurso público da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos
» Inscrições: até 5 de novembro no site www.iades.com.br
» Taxa: R$ 50 (nível técnico) e
R$ 70 (nível superior)
» Vagas: 88, além de cadastro de reserva
» Provas: 10 de dezembro
» Locais: todas as capitais brasileiras, exceto Cuiabá (MT)

 

 

 

* Estagiário sob supervisão de Ana Paula Lisboa