UnB aplica na tarde deste sábado a prova da primeira etapa do PAS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/12/2011 10:00

Alunos do ensino médio de todo o país se submeteram ao Programa de Avaliação Seriada (PAS), da Universidade de Brasília (UnB), no começo da tarde deste sábado (3/12), em várias escolas de Brasília. Foram 56.913 inscrições, segundo informações divulgadas pelo Cespe. Neste sábado, está sendo aplicada a primeira etapa do programa com 25.177 estudantes inscritos. Participam da segunda etapa 19.342 jovens e da terceira,12.294,cujas provas serão aplicadas amanhã Os portões foram abertos ao meio-dia. A maranhense Ana Victória, 15, no entanto já estava na porta do Pavilhão João Calmon, no câmpus Darcy Ribeiro da UnB, desde as 10h30 da manhã. %u201CForam mais de três horas de viagem de São Luís a Brasília. Depois desse trabalho todo, eu não queria correr o risco de perder a prova%u201D, conta. Ana Victória viajou com a mãe e alguns amigos do colégio em que estuda. Chegou um dia antes da prova. Estudou bastante, segundo conta, para a avaliação do PAS. %u201CEu quero medicina, não tem moleza. Eu resolvi algumas provas anteriores e achei o grau de dificuldade da prova compatível com a exigência de outras universidades como USP e UFRJ%u201D.
Vim para ter certeza que ele ia entrar para fazer a prova",conta a tia, Maria do Socorro. %u201CEu não o vi estudando nada esta semana.Por isso, desconfiei que ele não estava levando a prova a sério. A mãe de Guilherme contou que veio porque é a primeira vez que o filho participa de uma prova importante. %u201CNão queria que ele se sentisse nervoso, então decidi acompanhá-lo%u201D. Guilherme quer cursar gastronomia (a UnB não oferece essa graduação) ou alguma ciência ligada a computação. %u201CNão só gosto, como é mais fácil de passar%u201D, avalia. Os portões foram fechados às 13h26 da tarde e a duração da prova é de até cinco horas. Excursão O matogrossense Luis Felipe Batista, 15, recorreu a uma empresa especializada em vestibulares para viajar de Campo Grande a Brasília. %u201CAssim é mais prático. Eles organizam toda a logística como o transporte, a alimentação e a hospedagem". Para custear a viagem, Luis Felipe optou por vir a Brasília de van. %u201CForam 14 horas de estrada, meu pais não ficaram preocupados, mas minha avó pediu muito para que eu fosse de avião." Luis Felipe pretende prestar também vestibular para a USP e a UFG. %u201CQuero passar para direito%u201D, conta. Muita água e barrinha de cereal A única barraquinha montada, na manhã deste sábado, em frente ao pavilhão João Calmon, na UnB, vendeu quase todas as garrafinhas de água e barrinhas de cereal que estavam à disposição. Segundo o dono, %u201Cesses eventos são bons porque o lucro é alto%u201D. A garrafa d%u2019água estava sendo vendida a R$2 - custa R$1 em qualquer mercado da cidade. %u201CEste ano eu também trouxe caneta para vender e o produto foi bem aceito. Sempre tem alguém que se esquece de trazer caneta." Atrasadinhos Como de costume, minutos antes de os portões se fecharem, começa um corre-corre de estudantes atrasados. Caroline Gonçalves, 15, chegou correndo com o papel de inscrição na mão. Conseguiu entrar. Mas não tinha nenhum documento com foto para poder fazer a prova. Saiu chorando e lamentando. %u201CEu perdi minha carteira de identidade, pensei que poderia apresentar outro documento%u201D. Guilherme Nunes, 15, aluno de uma escola pública de Taguatinga, chegou meia hora antes de os portões se fecharem, mas não sabia onde iria fazer a prova. %u201CEu não recebi o local da prova em casa, liguei e me informaram que seria aqui. Procurei meu nome na lista, mas não achei. É uma pena, espero ter mais sorte da próxima vez%u201D.