Habilidade

Sem traumas para falar em público

Cursos de oratória e de aperfeiçoamento da dicção ajudam profissionais a crescer na carreira. Especialista destaca que é preciso driblar o medo do julgamento da plateia e dominar o tema da apresentação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/09/2012 09:58 / atualizado em 03/09/2012 10:00

Marcos Serra
Acostumado a vender os produtos de sua empresa de software pessoalmente, o empresário Ricardo Masstalerz teve uma surpresa quando o número de clientes interessados em adquirir os serviços cresceu de maneira significante. Além de ter que reorganizar por completo o funcionamento da firma, ampliando o número de funcionários e oferecendo novos produtos, Ricardo teve ainda que se preparar para falar diante de um número maior de pessoas e convencê-las a comprar os produtos.

“Eu tinha medo e só conseguia apresentar e vender as mercadorias para uma pessoa. Quando tinha que falar para um grupo maior, já me enrolava todo. Se eu continuasse daquele jeito, os negócios não iriam avançar”, lembra o empresário, que é coach e dá palestras sobre empreendedorismo e desenvolvimento de pessoas.

A dificuldade que Ricardo tinha é uma das principais barreiras para a evolução profissional. É o que diz o professor Lucas Rezende, do Instituto de Neurolinguística Aplicada (INAp), no Rio de Janeiro. “Ter uma comunicação adequada é essencial para a organização e o crescimento de qualquer empresa. Problemas podem ser evitados quando o líder, ou aquele que delega funções, consegue transmitir de forma eficiente a sua mensagem”, explica o professor e psicólogo, que atende gestores e outras pessoas com dificuldades de falar em público.

Para ajudar esses profissionais, Rezende se baseia na neurolinguística, área da psicologia que estuda a elaboração cerebral da linguagem. Em aulas individuais, ele busca identificar as sensações que o aluno transmite enquanto fala. Feito isso, treinamentos específicos são realizados de acordo com a dificuldade apresentada por quem quer aperfeiçoar as apresentações. “Embora o medo seja comum entre a maioria, existem falhas pontuais que podem ser corrigidas na prática. Colocamos os alunos para falar em público e, depois, avaliamos as áreas que eles precisam melhorar”, afirma Rezende.

A última etapa é voltada ao aperfeiçoamento da dicção dos profissionais. Um fonoaudiólogo avalia e passa exercícios que ajudam a eliminar falhas na pronúncia e na entonação. Durante o curso, são utilizadas técnicas que contribuem para o aprimoramento do discurso.

Benefícios
O medo de ser avaliado e julgado pela plateia é uma das principais barreiras enfrentada por aqueles que procuram expor suas ideias, de acordo com o professor Lucas Rezende. O desafio pode ser vencido com preparo e conhecimento sobre o tema a ser exposto. Para o especialista,“quando temos convicção do assunto, conseguimos dominar melhor a nossa apresentação. É isso que o profissional precisa fazer, sem se importar em excesso com o que os outros vão pensar”.

Essa foi a estratégia adotada pelo empresário Ricardo Masstalerz, depois de fazer um curso de oratória. “Já diz o ditado que a grande diferença entre a galinha e o pato é que ela se comunica, grita quando põe um ovo, e, por isso, seus ovos são mais vendidos. Na vida profissional, também é assim. Depois de vivenciar várias situações, percebi que o meu sucesso só viria caso conseguisse me comunicar bem com os clientes”, brinca.

Além de empresários, profissionais da área de treinamento também procuram cursos para desenvolver a habilidade. Janete Lacerda, zootecnista do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, teve que se aperfeiçoar para ministrar com maior eficiência cursos voltados a produtores. Ela tem quatro qualificações em oratória. “Antes, eu não tinha muitas técnicas para falar com esse público. Com as aulas, percebi que eles passaram a me entender melhor e o meu trabalho rendeu resultados mais eficientes”, conta.

De acordo com o gerente da Unidade de Capacitação do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas do Distrito Federal (Sebrae/DF), Ary Ferreira Júnior, o exemplo de Janete e de Ricardo deve ser seguido por quem pretende ter um bom desempenho, independentemente da área de atuação. Ele afirma que para conduzir qualquer processo e melhorar a relação com o público no dia a dia, é preciso saber se expressar de acordo com a situação. “Quem fala bem, provavelmente vai saber ouvir e compreender melhor as necessidades daqueles que fazem parte da sua convivência. Isso é fundamental para que as relações profissionais cresçam e rendam resultados positivos”, afirma.

“Ter uma comunicação adequada é essencial para a organização e o crescimento de qualquer empresa. Problemas podem ser evitados quando o líder, ou aquele que delega funções, consegue transmitir de forma eficiente a sua mensagem”
Lucas Rezende, professor do Instituto de Neurolinguística Aplicada

“Eu tinha medo e só conseguia apresentar e vender as mercadorias para uma pessoa, quando tinha que falar para um grupo maior, já me enrolava todo. Se eu continuasse daquele jeito, os negócios não iriam avançar”
Ricardo Masstalerz, empresário

Para saber mais
Estudantes inseguros


Os futuros profissionais do país também têm medo de falar em público. Pesquisa realizada pelo site do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE) perguntou aos estudantes que acessaram o portal de 2 a 15 de julho sobre a maior preocupação no uso da comunicação em processos seletivos. Dos 6.683 alunos que responderam a questão, 2.288 (34%) disseram que o maior problema é falar em público. Em seguida, ficou a redação e a interpretação de texto com 1.773 votos (27%). Os dois outros medos foram o uso da gramática, com 1.363 votos (20%), e expressar ideias, 1.259 (19%).

Onde estudar oratória no Distrito Federal
CIEE

Palestra gratuita
12 de setembro, às 19h30
SHC/SW EQSW 304/504, Lote 2, Edifício Atrium, Sudoeste

Cursos de Administração de Empresas (Cademp)
na Fundação Getulio Vargas (FGV) – 3799-8000
L2 Norte, Quadra 602, Módulos A, B e C, Asa Norte

Diferencial Consultoria
3242-9126   SQS, Quadra 1, Bloco E, nº 30, sala 304/504, Edifício Ceará

Instituto Oratória Emocional
3274-2480     SRTVN, Quadra 702 Norte, Ed. Brasília Rádio Center, Ala A salas 2101 e 2102

Instituto de Oratória de Fonoaudiologia Simon Wajntraub

4063-6352    Setor Hoteleiro Norte, Quadra 2, Bloco J

Sebrae
0800-570-0800
Tags: