SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Escolha difícil

Este ano, vários concursos públicos de órgãos diferentes têm provas no mesmo dia, e os candidatos são obrigados a optar por apenas um

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/09/2012 08:00 / atualizado em 23/09/2012 16:50

Ronaldo de Oliveira
A agenda dos concursos públicos está cheia até o fim do ano. Quem pretende concorrer em vários, no entanto, provavelmente vai ter que descartar alguns. São tantos certames abertos, que faltam fins de semana disponíveis para a realização de todas as provas. Devido aos feriados e às eleições municipais, que ocorrem em 7 e 25 de outubro, as datas de aplicação acabaram por coincidir (veja a tabela). Com o calendário tão apertado, não tem jeito: os candidatos vão ter de escolher uma seleção.

É claro que os concurseiros não estão nada satisfeitos com a falta de opção. As reclamações chegaram a obrigar a Agência Nacional de Águas (ANA) a alterar o cronograma com o Cetro Concursos, banca responsável pela prova que ocorre em 11 de novembro. A data escolhida pela ANA para a realização do teste era 21 de outubro — mesmo dia da seleção para vários outros órgãos. A revolta dos candidatos fez a autarquia mudar de ideia, mas a retificação não adiantou. A data atual também coincide com outros certames.

O gerente de comunicações do Cetro, Silvio Rodrigues, considera a mudança uma gentileza com os estudantes e afirma que não há como fugir da coincidência, uma vez que não é possível prever a escolha dos concorrentes. “Nós não temos como adivinhar o que está ocorrendo nas outras organizadoras”, afirma Rodrigues.

O Instituto Americano de Desenvolvimento (Iades) aplica hoje a prova da seleção da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O exame estava marcado para ocorrer domingo passado (16), mesmo dia em que foi feito o do Tribunal Superior do Trabalho (TST). O diretor de relações institucionais do Iades, Paulo Maia, explica que antes de escolher a nova data não havia a definição das datas dos outros certames, que também será nesta tarde. “Posteriormente, foram lançados esses outros concursos. Nós temos a preocupação de não prejudicar os candidatos, mas dentro das possibilidades.”

Segundo o diretor-geral do Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe), Ricardo Carmona, é quase impossível escolher um fim de semana exclusivo por conta dos prazos que devem ser cumpridos pela organizadora desde os preparativos para o exame até a convocação dos aprovados. Carmona afirma que existe, sim, uma análise antes de elaborar o cronograma, mas o intervalo apertado dificulta a seleção dos melhores dias. “É melhor para todas as partes que as datas não coincidam. Mas, em algumas situações, isso não ocorre em função do tempo exíguo”, explica o diretor.

 Essa também foi a alegação da Escola de Administração Fazendária (Esaf), banca responsável pelos concursos do Ministério da Fazenda, da Receita Federal e do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Em nota oficial, a organizadora informou que a divulgação do cronograma provável no site é uma forma de ajudar os candidatos a se planejarem e que “a Esaf procura desempenhar sua tarefa de acordo com as necessidades da administração pública, dentro dos prazos acordados com os órgãos demandantes”.

Quem optou pelas seleções militares também foi obrigado a dar exclusividade. O Departamento de Ensino da Aeronáutica (Depens) informou que o concurso para oficial temporário, que ocorre em 21 de outubro, é composto de muitas fases que levam intervalos maiores, o que impede a mobilidade de datas. A duração das várias etapas também foi o argumento levantado pelo Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEX), que destacou a necessidade de admitir os novos militares nas escolas de formação até janeiro de 2013 como a principal justificativa para a escolha das datas.

Em ordem

Uma possível solução para esse impasse pode estar no Projeto de Lei nº 74, que tramita no Senado e propõe uma série de reformas na organização de seleções públicas. Uma das propostas é, justamente, instituir em 90 dias o prazo mínimo entre o edital e a realização da prova. O relator do projeto, senador Rodrigo Rollemberg, acredita que a medida ajudará a amenizar a confusão do quadro atual. “Essa questão do tempo será contemplada, porque o que está ocorrendo impede a participação de muitas pessoas, que terão de optar entre um ou outro concurso.”

A Associação Nacional de Defesa e Apoio aos Concurseiros (Andacon) recomenda que seja feito um calendário anual de provas que facilite o planejamento dos candidatos. Segundo Augusto Bello, presidente da organização, essa estratégia também seria positiva para a renovação do quadro de funcionários do Estado, que se tornaria mais constante. “Não há lei que obrigue e também não é razoável exigir que os órgãos façam concursos sempre em datas diferentes. É questão de bom senso apenas. Na verdade, o que a administração pública precisa, em todas as esferas, é planejar melhor o processo seletivo de servidores”, expõe o presidente.

Dúvida atrapalha

O concurseiro Gabriel Resende, 28 anos, foi um dos prejudicados com a coincidência das datas das provas. Ele pretendia tentar uma chance tanto na ANA, quanto no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), organizado pelo Cespe. Agora que ambos serão no mesmo dia, Resende não sabe o que fazer e, embora tenha feito a inscrição nos dois, ainda não optou por nenhum. “Fiquei decepcionado. É difícil entender qual é o critério que eles usam para marcar as datas”, desabafa.

Liciane Monteiro, 35 anos, é servidora pública no Ministério da Agricultura, mas almeja um cargo de nível superior. Na batalha por aprovação há um ano, Liciane se sentiu prejudicada por não poder realizar as provas da ANA e do Ministério do Planejamento, pois optou pelas seleções do TRT e da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Ela planejava aproveitar as horas de estudo que havia dedicado a outras provas para aumentar as chances de conquistar uma vaga. “As matérias básicas são as mesmas. Só precisaria acrescentar uma ou outra legislação específica. Eu poderia fazer mais de um tranquilamente”, lamenta.

Os candidatos podem se sentir prejudicados ao terem que escolher entre um e outro certame. No entanto, o coach de concursos Márcio Micheli alerta para os problemas de não manter o foco em apenas um edital. Segundo ele, o candidato precisa ter em mente qual é o seu objetivo e nível de preparação antes de se inscrever em um processo seletivo. “A dúvida compromete emocionalmente o concurseiro. Recomendo que, antes de iniciar os estudos, ele saiba aonde quer chegar. Definir uma meta elimina qualquer tensão psicológica”, argumenta Micheli. E, possivelmente, o estresse de ter de optar entre concursos que caem na mesma data.

Conflito no calendário
Veja os certames que ocorrerão nas mesmas
datas nesta temporada de exames

23 de setembro
» Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) — Banca: Instituto Americano de Desenvolvimento (Iades)
» Agência Nacional do Cinema (Ancine) — Banca: Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe)
» Receita Federal do Brasil (22 e 23 de setembro) — Banca: Escola de Administração Fazendária (Esaf)
» Exército (médicos) — Banca: Escola de Saúde do Exército (Essex)

21 de outubro
» Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) — Banca: Cespe
» Ministério da Fazenda — Banca: Esaf
» Aeronáutica — Banca: Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (Ciaar)
» Exército (formação de sargentos) — Banca: Escola de Sargento de Armas (ESA)

11 de novembro
» Tribunal Regional do Trabalho (TRT) — Banca: Cespe
» Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) — Banca: Cespe
» Agência Nacional de Águas (ANA) — Banca: Cetro Concursos

18 de novembro
» Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) — Banca: Cespe
» Departamento de Polícia Rodoviária Federal (DPRF) — Banca: Cespe
» Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP) — Banca: Esaf
Tags:

publicidade

publicidade