SIGA O
Correio Braziliense

Franchising

Investimento promissor

O mercado de franquias está cada vez mais aquecido. Chances de sucesso são maiores que em empreitadas inéditas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/12/2012 10:45


Manoel Perna não se arrepende de ter investido numa franquia brasiliense de lavanderias e dedica quase todo o tempo à gestão da loja (Viola Junior/Esp. CB/D.A Press ) 
Manoel Perna não se arrepende de ter investido numa franquia brasiliense de lavanderias e dedica quase todo o tempo à gestão da loja
Nem todo mundo que sonha com o próprio negócio tem uma veia empreendedora forte o bastante para tocar uma empresa de sucesso partindo do zero. Assim, fazer uso de uma marca já conhecida se torna uma alternativa bem mais segura, pois traria o reconhecimento imediato dos clientes. Essa é uma das razões pelas quais o mercado de franquias cresceu 11, 9% em 2011 e movimentou R$ 88 bilhões no mesmo ano, segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF).

Franquias são a extensão de um negócio comercializado a terceiros. O candidato a empresário avalia a marca e resolve investir, com o compromisso de manter todos os padrões da empresa — o que envolve desde equipamentos a treinamento de funcionários. Em 2012, a previsão da ABF é de que o crescimento do setor seja ainda maior, algo em torno de 15%. Para o diretor executivo da instituição, Ricardo Camargo, o planejamento é um dos principais fatores que influenciam nesse sucesso. “É um crescimento rápido, ordenado e com bastante tecnologia”, afirma. Essa organização cai como uma luva para o brasileiro que quer estrear como empresário. “O Brasil é um país avançado em empreendedorismo, onde muitas pessoas têm vontade de abrir o próprio negócio. A franquia acaba sendo uma opção natural, um primeiro estágio.”

Suporte e orientação
Ao abrir uma loja de marca reconhecida, a segurança é maior. Estatísticas mostram que a taxa de mortalidade, ou seja, a chance de o negócio falir, é muito menor para as franquias do que no caso de empresas completamente novas. “Nas franquias, você tem como grande vantagem a experiência de quem já abriu vários negócios iguais. Além da receita pronta, conta com suporte e orientação do franqueador”, explica Marcelo Cherto, presidente de uma consultoria especializada no assunto.

Diferentemente de uma filial, na franquia a marca do proprietário é cedida a outro empresário, que será livre para comercializá-la, desde que arque com os custos e a padronização. O primeiro passo para quem quer ingressar no mercado, segundo o especialista Marcus Rizzo, é escolher bem o segmento, uma vez que a dedicação será a mesma exigida por qualquer outro empreendimento. “É preciso ter uma forte identificação com o negócio. A franquia é um investimento mais seguro, mas é você quem vai ter que tocar”, salienta Rizzo.

É importante também checar as condições de compra com cuidado, para não cair em uma fria. A Circular de Oferta de Franquias (COF) — documento exigido por lei e oferecido pelo franqueador — contém todas as informações sobre o negócio, inclusive balanço financeiro e quantitativo de lojas em funcionamento e desligadas. O candidato a franqueado tem um prazo de 10 dias para avaliar esse documento e é necessário que o faça com muita atenção. “O importante é se associar a uma marca filiada à ABF e verificar o suporte legal da entidade para orientar o franqueado”, afirma o consultor de mercado Wagner Roque.

Após investigar o dono do negócio, outra dica é conversar com, no mínimo, quatro franqueados da marca que estão no mercado, tanto os mais antigos quanto os mais recentes. “É o passo mais importante, porque esses franqueados vão fornecer maiores informações sobre a operação”, garante Marcus Rizzo.

Não é necessário ter grande capacidade empreendedora para assumir uma franquia, já que o formato da empresa vem pronto. É necessário ser um empresário competente, com capacidade de organização e muita disciplina. “O perfil é de alguém disposto a seguir regras, que vá fazer as coisas como o franqueador ditar”, esclarece Marcelo Cherto.

Investir em um empreendimento que tem maiores chances de sobreviver ao mercado, no entanto, é uma estratégia que também tem suas desvantagens. Uma franquia de relativo sucesso exige investimento mínimo que varia de R$ 200 a R$ 400 mil. “O custo é mais alto porque exige um padrão. É o preço a se pagar por um sistema que oferece retaguarda”, explica Wagner Roque. Há marcas mais baratas, porém, não tão conhecidas.

Estratégia de sucesso
O empresário Manoel Perna, 51 anos, trabalhou 17 anos na extinta companhia aérea Transbrasil. Formado em administração de empresas, há três anos ele decidiu realizar o sonho antigo de tocar a própria empresa e investiu em uma franquia brasiliense de lavanderias. Ele não se arrepende do investimento, que já começou a dar lucros, mas alerta que não é fácil. Assim como outros negócios, Manoel precisa lidar com dificuldades com funcionários e outros problemas típicos da vida empresarial. Ele conta que chega à loja pela manhã e só sai às 23h. “A franquia é um sistema que já foi aprovado pelo mercado, mas o negócio precisa de gestão, de que o empresário esteja à frente”, diz.

Márcio Moreira, 53 anos, é o proprietário da franquia de lavanderias à qual Manoel aderiu. A decisão de expandir a marca deu tão certo que as lojas se espalharam por outros estados: ao todo, são 19 unidades. “A franquia contribui para o sucesso da marca, desde que seja feita uma seleção criteriosa da região geográfica e dos futuros franqueados”, esclarece Moreira. Assim como o franqueado deve se preocupar em verificar os dados legais do franqueador, o dono da marca precisa ter a mesma cautela com o empresário que assumirá o negócio.

Quanto à localização da franquia, é necessário estudar bem a região, verificar se não existem franqueados da mesma marca no espaço. “O cliente vai à loja que está mais próxima, que é mais cômoda, e quer acreditar que vai encontrar a mesma qualidade”, confirma Manoel Perna. O aluguel, segundo a experiência do empresário, é um dos custos que mais pesam, mas é preciso garantir o ponto. “Um boa ideia é alugar a loja por, no mínimo, cinco anos”, diz.
Tags: