SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Festa da firma

Confraternização de fim de ano

A confraternização de fim de ano é um momento para aproveitar a companhia dos colegas mais à vontade, só que é preciso ter cuidado para não fazer feio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/12/2012 10:13 / atualizado em 10/12/2012 10:37

A festa de fim de ano oferecida pelas empresas é sempre um momento muito aguardado pela maioria dos funcionários, embora também seja motivo de preocupação. Por um lado, existe a expectativa de se reunir com os colegas de trabalho em uma ocasião mais amigável e à vontade. Por outro, mesmo que a confraternização exista para promover a interação, o receio de se comportar de forma inadequada ou deixar má impressão é frequente entre os convidados.

Na dúvida, é melhor ser discreto e não exagerar. A especialista em etiqueta corporativa Lícia Egger explica que, ainda que o momento seja de diversão, é preciso se comportar como se fosse apenas uma reunião de trabalho. “É muito importante que os colaboradores compreendam que a festa é corporativa. Mesmo que o clima seja descontraído, eles ainda estão em um ambiente de empresa, e o que está em jogo é a capacidade do funcionário de se comportar socialmente”, afirma.

Para quem prefere não comparecer, Lícia alerta: a omissão pode prejudicar a imagem do funcionário. “Ninguém é obrigado a ir, mas deve. A empresa reúne os colaboradores em uma festa de agradecimento e a ausência mostra que o profissional não está engajado”, justifica a especialista. Mesmo que seja para ficar por 15 minutos, portanto, é necessário pelo menos dar uma passadinha para cumprimentar os colegas.

Geralmente, essas festas restringem a presença de acompanhantes. Nesses casos, é importante obedecer a regra e não tentar forçar a presença de ninguém, nem mesmo um filho pequeno. “Se for permitido levar a família, por outro lado, isso significa que apenas a família nuclear, como esposa, marido e filhos, podem comparecer. Nada de levar a sogra ou uma prima”, aconselha Lícia.

Já que a festa não é uma celebração entre amigos, é preciso ter muito cuidado com a postura adotada. Entre as dicas para não fazer feio (ver quadro), o consumo moderado de bebida alcoólica é o campeão das recomendações. Assim como ficar bêbado, dançar de forma exagerada e usar trajes curtos ou justos demais são condutas reprováveis. “Na festa de confraternização, todos na empresa estão se observando. Se alguém se exceder, com certeza será lembrado no dia seguinte”, pontua a especialista em comportamento na empresa Daniela do Lago.

Discrição
A secretária executiva de relações públicas Taíssa Muniz, 24 anos, trabalha há quatro anos em uma clínica oftalmológica e sempre compareceu à festa oferecida no fim do ano. “É bem legal. Como a empresa é grande, essa é a única oportunidade de confraternização com os colegas e até mesmo com os proprietários”, conta. Ela afirma, no entanto, que se policia desde o primeiro momento para não causar uma impressão ruim junto aos chefes. “Eles estão acostumados a nos ver em um ambiente sério, não nos conhecem no dia a dia. Não que eu deixe de ser normal, mas tento me controlar.”

Taíssa é prudente também para escolher a roupa de ir à festa, além de passar longe das bebidas alcoólicas, por receio de exagerar. Uma de suas maiores preocupações, no entanto, é em relação ao tempo que deve permanecer: se precisa chegar cedo e ter uma passagem breve, ou se deve ficar até o fim. “Fico na dúvida, com medo de fazer feio e ser a última a ir embora”, confessa.

Em resposta à questão de Taíssa, Daniela do Lago esclarece que não é necessário que o funcionário permaneça até o fim da festa — esse tipo de comportamento, aliás, pode ser considerado inadequado. “O importante é participar e estar presente. O profissional deve cumprimentar todo mundo, esperar as premiações, verificar se o jantar já foi servido. Depois disso, pode ir embora”, comenta a especialista.

Troca de interesses
As confraternizações de fim de ano não são apenas uma maneira de avaliar a habilidade social dos funcionários, mas também podem servir como ferramenta profissional. É uma excelente forma de fazer contato com superiores e colegas com interesses em comum. “Para aqueles que estão de olho na ascensão na carreira, a festa é uma ótima oportunidade para conhecer pessoas e galgar degraus dentro da empresa”, explica o gerente sênior de uma consultoria de recursos humanos Caio Arnaes.

Arnaes alerta, porém, para o fato de que esse interesse não deve ser escancarado. Presentes muito caros e bajulações em excesso podem provocar um efeito contrário. “Você não deve dar um anel de brilhantes para sua chefe, por exemplo. Ela vai adorar, mas não é adequado”, sugere o diretor.

Também não é uma boa hora para pedir aumento salarial, como Daniela do Lago salienta. “A festa é uma forma de estreitar relacionamentos profissionais, de gerar alianças. É um momento bacana para checar quais são os objetivos da equipe e sentir onde o funcionário está pisando”, resume a especialista.

Sem mico

Dicas de como se comportar na festa de confraternização da empresa

Bufê

Cuidado com os exageros. A empresa disponibiliza comidas e bebidas
alcoólicas, mas não se deve comer
nem beber demais.

Vestuário
Vá vestido como se fosse um dia comum de trabalho, com as mesmas roupas usadas no dia a dia. Não se pode ir à vontade demais. Nada de usar decotes ou saias curtas.

Amigo-secreto
É preciso demonstrar entusiasmo e participar sempre. Se não puder gastar muito dinheiro, avise. Procure se informar sobre a pessoa que tirou no sorteio e fuja de presentes muito pessoais. Não compre nada caro, limite-se ao orçamento. Livros e artigos de escritório são uma boa pedida. Por último, o presente tem que estar muito bem embrulhado.

Inimigo-secreto
Apesar de ser uma brincadeira, tome muito cuidado para não ofender ninguém.

Paqueras
Não é o momento para demonstrar interesse escancarado em algum colega. Se tiver música e pista de dança, não vá dançar agarradinho.

Convidados
Se a festa for fechada, não leve ninguém. Se for permitida a presença de acompanhantes, limite-se a convidar o cônjuge e os filhos.

Participe com bom-senso
Não tente demonstrar intimidade com brincadeiras inadequadas. Mas também não evite totalmente a interação. Converse com as pessoas. Só não faça nada que vá arruinar a sua imagem.

 

 

Tags:

publicidade

publicidade