SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Segurança reforçada

Teste de aptidão física vai exigir esforço dos candidatos a uma das mil vagas oferecidas pela PMDF. Na prova objetiva, as questões de direito penal militar merecerão atenção redobrada

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 23/12/2012 16:13 / atualizado em 23/12/2012 16:15

A Secretaria de Estado de Segurança Pública está com inscrições abertas para o concurso que oferece mil vagas na Polícia Militar do Distrito Federal. Um dos diferenciais da seleção é o teste de aptidão física. Especialistas recomendam, inclusive, que o candidato contrate um treinador para se preparar adequadamente. A prova será aplicada pela Fundação Universa, banca que também organizou certame para a Polícia Civil do DF no início do ano.

Todos os cargos exigem nível superior, em qualquer área de atuação. São oferecidas 964 vagas para praças combatentes — 790 para homens e 174 para mulheres. As restantes são de corneteiros e músicos, para ambos os sexos. Candidatos a esses dois últimos cargos farão prova prática conforme a especialidade instrumental. Todos prestarão a prova objetiva e a discursiva em 24 de março.

A operadora de telemarketing Jaqueline Oliveira, 23 anos, quer ingressar na carreira policial e se dedica às seleções da área. Em agosto, iniciou um programa de preparo físico, além de começar a estudar as matérias mais cobradas nos concursos, como direito penal e processual penal. Ela vai concorrer a uma das vagas para praça combatante no certame da PMDF. “Entrei na academia no meio do ano porque percebi que a falta de preparação pode eliminar o candidato do concurso. Muitos deixam para fazer a preparação física depois da prova objetiva, mas, pela minha experiência, não é tempo o suficiente.”

Edílson Rodrigues/CB/D.A Press.


A jovem não se sente plenamente confiante para o teste físico. Manter-se na barra com os braços em flexão por 10 segundos, uma das exigências, ainda é custoso para ela, que já consegue alcançar as outras duas metas do teste: correr por 12 segundos e fazer 28 flexões abdominais ininterruptas. Como essa etapa tem caráter eliminatório, o candidato precisa cumprir todas as determinações previstas em edital.

De acordo com Eduardo Schneider, mestre em atividade física e esporte pela Universidade de Brasília (UnB), é imprescindível procurar um professor de educação física para ajudar na preparação. “Com um teste inicial, o profissional vai saber qual a dificuldade do candidato e montar um programa de treinamento”, recomenda. Para ter certeza de que o treinador está apto a exercer a profissão, Schneider recomenda verificar se ele é registrado no Conselho Federal de Educação Física (Conef).

A preparação também não pode deixar de lado o que é exigido no edital. “Muitas vezes, os candidatos fazem um treino convencional de academia e se surpreendem no teste”, ressalta o especialista. O candidato deve ter uma rotina de treino de, pelo menos, três vezes por semana e progredir de acordo com os objetivos do teste, aumentando a intensidade conforme a evolução. “É como estudar para as matérias teóricas. Você se prepara com antecedência para chegar no dia da prova com o melhor desempenho.”
Legislação

Os candidatos precisam estar prontos ainda para enfrentar as provas objetivas de língua portuguesa, atualidades, noções de informática e raciocínio lógico. Mais importante é dominar os conhecimentos específicos, já que todas as questões têm peso dois: noções de administração e psicologia, Lei Orgânica do Distrito Federal, e noções de direito administrativo, constitucional, penal, processual penal e penal militar e legislação extravagante, aquela que não é abarcada pelos códigos Penal e do Processo Penal. Além disso, é necessário estudar estatutos como o da Criança e do Adolescente e do Idoso.

Direito penal militar está entre as disciplinas que vão trazer mais dificuldades. O professor do Instituto IMP Leandro Antunes recomenda que o estudante compare as diferenças entre o Código Penal comum e o Código Penal Militar. “É bom analisar os crimes em espécie, principalmente os propriamente militares, que são aqueles que acontecem dentro dos quartéis e são previstos somente no Código Penal Militar”, esclarece. Crimes de deserção, insubordinação, desrespeito a superior, embriaguez no serviço, pederastia e motim são abordados com frequência nos certames da área. Outra dica do professor é verificar a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ou seja, decisões em última instância relacionadas a assuntos militares.

Na prova discursiva, a professora de direito penal do Instituto Processus Claudia Duarte acredita que a banca examinadora tratará da atuação dos policiais brasileiros em grandes eventos que o país vai sediar, como a Copa das Confederações, no ano que vem, e a Copa do Mundo de Futebol de 2014. Claudia também sugere o estudo de alterações recentes na Lei do Crime Organizado, nº 9.034, de 1995, e na Lei da Lavagem de Capitais, nº 9.613, de 1998, além das novidades do Código Penal sobre crimes digitais. Ela alerta, no entanto, que, apesar de os examinadores cobrarem atualizações nas legislações, apenas o que já foi sancionado poderá ser exigido nos certames. Por isso, o novo Código Penal, que está em tramitação no Congresso Nacional, não é conteúdo para a prova.

Outra matéria que merece a atenção dos candidatos é noções de administração e psicologia. Com poucos tópicos no edital, o estudo deve ser generalizado para abarcar qualquer possível questão. A professora do curso preparatório Vestconcursos Kátia Lima lembra o que a banca costuma trazer para as provas: “A pessoa que está se preparando deve dar foco à teoria da burocracia e da administração científica. Já para gestão de pessoas, o candidato precisa dar ênfase à seleção e à gestão de desempenho”. Em ética profissional, a dica é entender a diferença entre ética profissional e moral, além de estudar o Decreto nº 1.1171, de 1994, que aprova o código de ética do servidor público.

O que diz o edital
Polícia Militar do Distrito Federal
Cargos: combatentes (790 vagas masculinas e 174 femininas), corneteiros (24 vagas) e músicos (12 vagas)
Remuneração: R$ 3.322,51 durante o curso de formação de praças e
R$ 4.306,79 depois, mais auxílio-alimentação de R$ 650
Taxa: R$ 62
Inscrições: de 7 de janeiro a 18 de fevereiro de 2013
Provas objetivas: 24 de março de 2013
Edital: www.universa.org.br
Tags:

publicidade

publicidade