SIGA O
Correio Braziliense

Qualificação

Servir bem para servir sempre

Empresas pedagógicas capacitam profissionais para garantir atendimento de qualidade em restaurantes e lanchonetes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/04/2013 11:01 / atualizado em 01/04/2013 11:07

Adauto Cruz
Na hora de conquistar um cliente no ramo de restaurantes e cafeterias, um bom cardápio nem sempre é suficiente. Empresas se preocupam cada vez mais em capacitar os funcionários para atender os fregueses de maneira prestativa e manter um ambiente agradável para as refeições. Cursos de formação para garçom, atendente de lanchonete, pizzaiolo e saladeiro, dentre outros, preparam alunos para atuar em um mercado dominado pela agilidade no atendimento e precisão no manuseio de alimentos. Só no Distrito Federal, o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac-DF) conta com cinco empresas pedagógicas dedicadas a formar estudantes na área de gastronomia.

O presidente do Conselho Regional da instituição, Adelmir Santana, explica que a principal função das empresas pedagógicas é receber os alunos que passaram pelas aulas teóricas do curso para, então, participarem de um estágio supervisionado. Segundo Santana, aqueles que finalizam as atividades práticas estão preparados para crescerem e se tornarem maîtres, garçons e cozinheiros. “A resposta do mercado é imediata. Eles saem desse treinamento praticamente empregados”, conta.

O benefício também atinge os órgãos que recebem os restaurantes e lanchonetes. “Como o Senac não visa o lucro, os restaurantes-escola tem como principal objetivo a formação da mão de obra, ao mesmo tempo em que beneficiam os servidores com uma refeição segura e de qualidade”, explica. Santana conta que processos de negociação para a abertura de um restaurante-escola no Senado Federal estão em andamento. O último a ser inaugurado fica no prédio do Ministério Público do Distrito Federal e dos Territórios (MPDFT) e abriu as portas na semana passada.

Mercado exigente

O supervisor pedagógico Sydney Abreu, que atuou como maître em um restaurante de São Paulo, dá aulas há nove anos e justifica a importância da capacitação na área. “Nós observamos que o mercado está cada vez mais exigente e carente de profissionais da área de atendimento”, conta. O professor destaca a formação humanística dos cursos do Senac. “Além da técnica, os alunos lidam com relação interpessoal, habilidade emocional e interação em equipe”, explica ele, que considera importante saber lidar com situações rotineiras ligadas ao segmento.

De acordo com levantamento feito pelo Senac em 2011, entre as principais profissões demandadas no setor de bens, serviços e turismo, a ocupação de atendente de lanchonete é a quarta em número de admissões, fica atrás apenas das de vendedor do comércio, auxiliar de escritório e operador de caixa. Sydney Abreu explica que o mercado de refeições está se adaptando para oferecer ambientes acolhedores, gerenciados por profissionais de excelência. Mais do que o preço que os clientes estão dispostos a pagar, a qualidade influencia na escolha do estabelecimento e, por isso, os funcionários devem demonstrar proatividade. “Eles precisam querer crescer, buscando conhecimento e interatividade no ambiente de trabalho. O empresário busca um profissional com esse perfil”, relata.

A aprendiz de atendente de lanchonete Jilvanda Barreto, 35 anos, começou a atuar na lanchonete-escola do Setor Comercial Sul na semana passada, mas já se sente mais segura para entrar no mercado de trabalho. “Os professores nos motivam muito”, comenta. Após o aprendizado em sala de aula, que aborda módulos sobre boas práticas de atendimento e manipulação de alimentos, os alunos precisam completar 80 horas de estágio em um dos estabelecimentos. “Boas práticas você leva sempre para a vida, até para a sua casa. É uma coisa que deixa todo mundo mais consciente”, conta Jilvanda.

A qualificação também é um caminho para quem atua na área. O atendente Leurimar Alves, 23 anos, garante que a capacitação é um diferencial para qualquer profissão. E ele está no caminho certo: na hora de contratar, gerentes do setor dão preferência a profissionais sem vícios, que são encontrados, na maioria das vezes, nesses cursos de capacitação. Leurimar conta que as aulas o mantém atualizado, além de dar subsídios para reconhecer as necessidades dos clientes e possibilitar um tratamento adequado dentro de cada estabelecimento. Além disso, a formação propicia uma autovalorização ao profissional. “Você aprende sobre você mesmo, como em uma terapia. Ninguém precisa permanecer em um estabelecimento que não valoriza o profissional”, comenta.

Para Jefferson Pereira, 21 anos, a primeira oportunidade de trabalhar como garçom foi no coquetel de inauguração do restaurante-escola do MPDFT. O aluno do curso de formação do Senac-DF comenta que a iniciativa de promover o contato entre o público e os estudantes por meio de empresas pedagógicas é excelente, pois proporciona maior habilidade ao profissional que não tem nenhuma experiência. “Isso nos dá mais segurança. Estou muito satisfeito com o curso e indico para todos que quiserem entrar com o pé direito no mercado de trabalho”, afirma.

Destaque no recrutamento

A determinação e a disposição que os alunos demonstram no fim do curso são fundamentais para eles se destacarem no recrutamento de grandes redes. É o que a coordenadora de treinamento do Grupo Trigo, Manoela Santos, busca nos candidatos a atendentes, cozinheiros e caixas de três marcas: Spoleto, Koni Store e Domino’s Pizza. A proatividade do profissional é o primeiro passo para largar à frente, independentemente da técnica e da experiência que ele possa vir a apresentar como diferencial. “É até bom contratar alguém sem experiência, porque, assim, conseguimos moldar o funcionário”, afirma. Para ela, o profissional precisa ter um bom preparo emocional e interagir com a equipe e com os clientes. “Não contratamos pessoas, contratamos sorrisos”, brinca.

O que não falta são exemplos de sucesso. O ex-aluno do curso de formação para cozinheiros e técnicas de sushi e sashimi Cristiano Leandro Alves, 34 anos, abriu um restaurante de comida japonesa alguns meses após concluir o curso de cozinheiro, em Taguatinga. Pioneiro na modalidade de rodízio na cidade, ele obteve retorno financeiro e acabou abrindo uma nova unidade em Águas Claras. “A troca de experiências durante o curso foi importante para mim”, conta ele, que apesar de gostar de cozinhar, nunca havia trabalhado no segmento. “Foi muito difícil gerir um restaurante do início, mas o curso me ajudou na hora de escolher um cardápio, na parte de higienização e na de manuseio de alimentos, além de dar noções sobre como evitar desperdício e acidentes de trabalho”, relata.

Onde estudar

O Programa Senac Gratuidade (PSG) é resultado de um acordo entre o Senac e o governo federal, destinado à capacitação profissional de pessoas de baixa renda, estudantes ou egressos da educação básica e trabalhadores. No Distrito Federal, o candidato à gratuidade precisa ter renda familiar comprovada de até dois salários mínimos e morar na capital, além de atender os requisitos exigidos pelo curso escolhido. O próximo edital está previsto para maio de 2013. Quem for selecionado ganhará bolsa para um dos cursos do Senac Gastronomia listados abaixo, mas também é possível pagar para participar das qualificações. Confira as opções:

 Atendente de lanchonete
» Duração: 200 horas
» Preço: de graça
» Aulas: de 8 de abril a 19 de junho, das 13h às 17h

 Técnicas de produção de pães caseiros e artesanais
» Duração: 40 horas
» Preço: R$ 270
» Aulas: de 27 de abril a 6 de julho, turmas das 8h às 12h e das 13h às 17h

 Técnicas de produção de tortas doces e salgadas
» Duração: 40 horas
» Preço: R$ 270
» Aulas: de 6 a 17 de maio, turmas das 8h às 12h e das 13h às 17h

 Técnicas de Saladeiro
» Duração: 40 horas
» Preço: R$ 270
» Aulas: de 27 de abril a 6 de julho, das 8h às 12h, e de 6 a 17 de maio, das 18h às 22h

 Técnicas de sushi e sashimi
» Duração: 40 horas
» Preço: R$ 380
» Aulas: de 22 de abril a 6 de maio, das 18h às 22h

Informações

Senac Gastronomia:
» SCS Quadra 6, Bloco A , Edifício Jessé Freire, 3º andar
» 3313-8877 e www.senacdf.com.br

Para experimentar
Restaurantes e lanchonetes-escola do Senac-DF:

Restaurantes e lanchonetes

Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT)
» Localização: Eixo Monumental, Praça do Buriti, Lote 2, Ed. Sede do MPDTF — Mezanino
» Preço do almoço (kg): R$24,90
» Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira. A lanchonete fica aberta das 7h30 às 19h e o restaurante, das 11h30 às 14h30 — para o público interno e externo

Controladoria Geral da União (CGU)
» Localização: SAS Quadra 1, Bloco A, Edifício Darcy Ribeiro — 11º andar
» Preço do almoço (kg): R$23,40
» Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira. A lanchonete fica aberta das 8h às 19h e o restaurante, das 11h30 às 14h30 — para o público interno — e das 13h às 14h30 — para o público externo

Senac Gastronomia
» Localização: SCS Quadra 6, Bloco A, Lotes 187/197 — Edifício Jessé Freire
» Preço do almoço (kg): R$29,90
» Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira. A lanchonete fica aberta das 7h30 às 21h e o restaurante, das 11h30 às 15h — para o público interno e externo

Lanchonetes

Senac Taguatinga
» Localização: QNG Área Especial 39 — Taguatinga Norte
» Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 21h30, e aos sábados, das 7h30 às 13h30

Senac 903 Sul
» Localização: SEUPS 703/903, Lote A
» Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 21h30, e aos sábados, das 7h30 às 13h30
Tags: