SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

MAIS MÉDICOS »

Inscrições garantem só 30% da demanda

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/07/2013 18:00 / atualizado em 30/07/2013 12:08

Julia Chaib

Marcelo Ferreira
Três semanas após a divulgação do Programa Mais Médicos, a primeira fase do chamamento foi concluída com 4,6 mil médicos inscritos, o que representa apenas 30% da demanda dos municípios, que precisam de 15,4 mil profissionais. Embora a adesão inicial tenha sido alta — 18,4 mil cadastros —, a quantidade de médicos que entregaram todos os documentos necessários para participar do programa foi bem menor. Dos 16,5 mil diplomados no Brasil, apenas 3,8 mil (23%) concluíram o cadastro, que teve o prazo finalizado à meia-noite de domingo. Em relação aos graduados no exterior, de 1,9 mil inscritos, 766 formalizaram a participação. Para esses, o prazo segue até 8 de agosto. No dia 15 será aberta nova rodada de inscrições. Hoje, médicos de vários estados prometem paralisar parcialmente os atendimentos como protesto às medidas do governo.

Segundo o balanço do Ministério da saúde, 7,2 mil médicos apresentaram registros inválidos nos conselhos regionais de Medicina (CRMs). Além disso, a pasta identificou 1,2 mil profissionais que fazem residência médica e, portanto, não podem atuar no programa. Apenas 31 entregaram documento confirmando o desligamento da residência. Os números chamam atenção, pois vão ao encontro da suspeita de boicote ao programa. Há três semanas, circulou nas redes sociais uma mensagem que pedia aos médicos que fizessem a inscrição no programa, mas não finalizassem as etapas posteriores, para congestionar o sistema de cadastro. O governo pediu à Polícia Federal que investigasse a denúncia. O inquérito já foi aberto.

Mesmo diante da diferença entre o número de inscritos e o de confirmações, o secretário de Gestão do Trabalho e Educação do Ministério da Saúde, Mozart Sales, comemorou o resultado e não atrelou as inconsistências de cadastro ao suposto boicote. “A Polícia Federal está fazendo o papel dela. O que o ministério tinha de fazer, fez. E a PF fará a investigação”, disse o secretário. Segundo Sales, o número superou as expectativas do governo, já que haverá outras fases para os médicos se inscreverem no programa.

Em nota, Conselho Federal de Medicina informou que “os números do balanço final são a prova do forte interesse dos médicos brasileiros em atuarem perante o Sistema Único de Saúde (SUS)”. Mas, segundo o CFM, “os dados confirmam a decepção dos candidatos com a proposta quando constatam a falta e/ou fragilidade de garantias de condições para o exercício da medicina”. Ontem, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) promoveu uma audiência pública com representantes do Ministério da Saúde, da sociedade civil e de entidades médicas nacionais, para construir um posicionamento sobre a proposta do governo. 

 

Tags:

publicidade

publicidade