SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

ESPAçO DO EMPREEDEDOR »

Apresentação é tudo

A escolha do nome da empresa é uma etapa importante para a consolidação do empreendimento. Fique atento para não cometer erros que podem comprometer o negócio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/02/2014 09:43

Fabiano Terra, da Modéstia à parte: marca forte (Antonio Cunha/Esp. CB/D.A Press) 
Fabiano Terra, da Modéstia à parte: marca forte

 

Antes de o cliente conhecer os produtos ou serviços de uma empresa, é o nome dela que lhe chamar á atenção. Pode parecer óbvio isso, mas nem todos os novos empreendedores dão a devida importância para essa etapa. Um nome adequado, por exemplo, trará autenticidade para a marca — e conduz as percepções do consumidor para sensações positivas a respeito da empresa, produtos e serviços.


Atualmente, existem mais de 6 milhões de empresas formais na base da Receita Federal. Desta forma, o projeto de criação de nome para marca, chamado naming, exige criatividade, pesquisa e metodologia de trabalho. “Além de as marcas que atuam no mercado não poderem ter o mesmo ou nome similar, elas devem atender uma série de critérios para se tornarem competitivas, como escrita, pronúncia, significado, público-alvo, posicionamento de mercado, funcionalidade e disponibilidade de compra do endereço eletrônico”, alerta Valdir Oliveira, diretor-superintendente do Sebrae no DF.


Hugo Cuoco e Fabiano Terra abriram uma hamburgueria há um ano e meio. O processo de escolha do nome recebeu bastante cuidado dos empresários. “Queríamos que o nome da loja já transmitisse algo da nossa ideia de servir lanches com a qualidade das melhores hamburguerias, abrindo mão de aspectos de sofisticação para tornar esse tipo de lanche mais acessível e também viável para a alimentação do dia a dia”, contam. Assim, surgiu a Modéstia à parte – Hamburgueria. Para explorar o potencial do nome e consolidar a marca na praça, contrataram um designer para bolar a identidade visual.


“Os comentários dos clientes sobre o nome são bastante positivos, e sempre em tom de gracejo. Alguns clientes vinculados ao design ou à administração comentam que a marca ficou forte, e, em alguns casos, até nos repreendem por não aproveitarmos todo o seu potencial”, admite Fabiano. “A transformação de um bom nome em uma marca forte foi, sem dúvida, fruto do trabalho do designer Victor Guerra, que identificou no nome o tom de brincadeira (ele chama de brincar de falar a verdade) e propôs um ambiente mais leve e despojado”, comenta Hugo.

 

Naming
Para o design, o projeto de naming é o processo criativo e interdisciplinar de criação de nomes, seja ele para uma empresa, produto ou serviço. O processo compreende desde adequação fonética a registro de marca e patentes, com o objetivo de posicionar competitivamente a marca no mercado onde será inserida. O naming é a primeira etapa de desenvolvimento do sistema
de identidade visual de
uma marca.
Fonte: Eddy Pontes, designer gráfico

Evite alguns erros 1 - Por maior que seja a tentação, evite batizar a empresa com o próprio nome. O vínculo pode se tornar uma restrição, caso queira vender seu negócio futuramente. Além disso, traz um tom muito pessoal para o empreendimento;

2- Não é jogada de mestre colocar nome da rua, bairro ou cidade em que se encontra a firma. Pode até ajudar na localização, mas, se um dia mudar
de endereço, perderá
o sentido;

3- Escolher um nome parecido com o da maior concorrente não lhe trazerá todos os clientes que deseja conquistar. Os desatentos vão cair, mas o estigma de cópia deixará a empresa em segundo plano sempre;

4- Outro idioma pode até trazer ares de sofisticação, mas atenção com o significado. Nomes em outras línguas podem ser mais difíceis de serem lembrados pelos clientes, além de trazerem problemas com a
pronúncia certa;

5- Alguns adjetivos agregados ao nome, como super ou mais, podem aumentar a expectativa do cliente. Por isso, é bom analisar o risco; e

6- Colocar o primeiro nome que lhe vem à cabeça pode beirar a generalização. Portanto, desenvolver melhor as ideias que tenham mais a ver com o conceito da empresa pode ser o melhor caminho a ansiedade do momento.

O que diz a legislação?

Para o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi), órgão responsável pelo registro de marcas no Brasil, o nome da empresa só tem validade legal se for distintivo o suficiente para não confundir o consumidor em sua decisão de compra. “É frequente o lançamento de marcas sem a devida pesquisa dos empresários — o que pode acarretar em um grande prejuízo a qualquer momento”, alerta Valdir Oliveira. “Uma vez que um empresário deposita o seu pedido de registro da marca no INPI, ele tem a preferência legal por essa marca. Então, se outro empresário lançar uma marca com o mesmo nome ou símbolo, em âmbito local ou nacional, ele corre o risco de sofrer um processo por uso indevido de marca e até mesmo ter que retirá-la do mercado, o que lhe obrigaria a investir novamente do zero”, comenta.


Para evitar essa situação, é importante contar com o apoio de profissionais especializados em marcas, relacionados aos registros no INPI ou órgãos similares em outros países. O próprio empresário pode dar entrada no processo de registro da marca e, caso tome a decisão de não contar com uma assessoria especializada, no site do Inpi (www.inpi.gov.br) está disponível para download o Guia básico de marcas e manual do usuário sistema e-marcas.

 

 

Tags:

publicidade

publicidade