SIGA O
Correio Braziliense

Toda história tem um começo

Programas de aprendizagem profissional são porta de entrada para muitos jovens no mercado de trabalho

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/03/2014 08:00 / atualizado em 10/03/2014 14:53

Breno Fortes/CB/D.A Press
Por meio dos programas de aprendizagem profissional, muitos jovens têm a possibilidade de viver a primeira experiência profissional. Só este mês, o Distrito Federal está com mais de 1,6 mil vagas abertas — pelo menos 208 empresas ofertam chances por meio de integradoras e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senac). O Senado Federal é um exemplo de instituição que está implantando o programa. A Comissão Diretora da Casa aprovou, no início de fevereiro, a implementação, e 50 jovens serão atendidos, embora a meta seja chegar a 200 aprendizes. Outros órgãos e empresas públicas, como a Câmara dos Deputados e a Petrobras, também já adotam o programa.

O contrato de aprendizagem é especial e por tempo determinado. Os aprendizes recebem um salário mínimo-hora, de acordo com a jornada, que fica entre quatro e seis horas diárias. Um dos incentivos para as empresas é ter a contribuição para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) reduzida para 2%.

Segundo Ana Alencastro, coordenadora Nacional da Aprendizagem no Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o objetivo da lei de aprendizagem é propiciar a formação profissional para jovens e adolescentes que têm dificuldade de ingressar no mercado de trabalho. “Além de contar com incentivos fiscais, a empresa pode efetivar o jovem após o término do contrato. É uma forma de obter mão de obra qualificada e que já está acostumada à empresa”, acrescenta. A lei também abrange jovens que têm algum tipo de deficiência física ou intelectual. Nesse caso, o aprendiz não precisa estar na faixa etária estipulada para participar do programa. “O jovem aprendiz que tem algum tipo de deficiência pode participar com qualquer idade, mas, ao fim dos dois anos, o contrato encerra e ele já estará preparado para seguir no mercado de trabalho”, afirma.

Diferencial no currículo
Cada empresa pode fazer o próprio programa de jovem aprendiz e a contratação pode ser feita de maneira direta ou indireta — por meio de uma instituição formadora. Além do trabalho na companhia, os candidatos passam por um treinamento teórico, conforme determina a legislação. Essa formação é ofertada por várias entidades formadoras habilitadas pelo MTE, pelas escolas de educação profissional e tecnológica e pelos Serviços Nacionais de Aprendizagem.

De acordo com Moisés Junior, gerente institucional do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), no fim do contrato, o jovem recebe um certificado. “Durante a semana o jovem fica quatro dias na empresa e passa mais um dia na instituição formadora, onde recebe treinamento teórico na área em que está atuando. Além da parte técnica, ele tem noções de cidadania e comportamento”, diz. No Centro Salesiano do Adolescente Trabalhador (Cesam), jovens de baixa renda ou em vulnerabilidade social têm prioridade no processo seletivo, segundo a articuladora social do centro, Deise Araújo. “É uma ótima oportunidade de o jovem já ter um diferencial no currículo e conseguir o próximo emprego”, diz.

Para a psicóloga infantil e de adolescentes Mariana Guedes, um dos pontos mais importantes do programa é justamente conceder aos jovens em vulnerabilidade social ou com baixa renda a possibilidade de obter a autoafirmação que buscam nessa fase da vida. “Muitas vezes, jovens vulneráveis não recebem a assistência correta da família, até pelo fato de os pais terem que trabalhar e ele não ter com quem ficar. Assim, esse programa é importante porque o jovem vai receber educação e também ingressar no convívio social”, explica.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) conta com 63 aprendizes. A secretária de Gestão de Pessoas do órgão, Zélia Miranda, afirma que eles têm o desempenho avaliado regularmente. “Todo mês, uma avaliadora se reúne com cada aprendiz e avalia o processo e o crescimento dele. Eles conversam sobre diversos temas, o que também estimula o jovem”, diz.

A jovem aprendiz Aline Evangelista, 16 anos, trabalha na biblioteca do TSE e diz estar vivendo uma experiência única. “Vou completar um ano no programa e a cada dia aprendo algo novo. Quero trabalhar em alguma área relacionada a recursos humanos, mas, pela experiência que estou tendo aqui, até penso em fazer o curso superior de biblioteconomia”, conta. Já Luis Henrique, 17, terá o fim do contrato em maio. “Essa experiência abriu minha cabeça para várias possibilidades. Tive curso de informática, princípios básicos de administração e tenho certeza de que isso vai ser um diferencial no meu currículo”, relata.

No Distrito Federal, os jovens têm uma chance de entrar no mercado por meio do programa Jovem Candango, instituído por lei sancionada em novembro de 2013. O objetivo é oferecer 10 mil vagas para pessoas de 14 a 18 anos até o fim de 2014, em diversos órgãos locais. O programa seguirá as mesmas diretrizes da lei da aprendizagem, como o curso para capacitação, carga horária de 20 horas semanais, remuneração em dinheiro, auxílio transporte, auxílio alimentação, férias e outros benefícios. As incrições estão previstas para começar ainda este mês, pelo site da Secretaria de Administração Pública do DF : www.seap.df.gov.br.

Obrigação

De acordo com a Lei nº 10.097, de 2000, todas as empresas de grande e médio porte são obrigadas a empregar e a matricular jovens de 14 a 24 anos nos programas de aprendizagem profissional. A quantidade de vagas deve ficar entre 5% e 15% do número de empregados da companhia.

Conheça empresas que oferecem vagas de jovem aprendiz no Distrito Federal e saiba como se inscrever

Integradoras

São responsáveis por mediar a contratação por empresas públicas ou privadas:

Cesam
Inscrições: (61) 3379-9200 ou ssas.salesianos.br

Casa de Ismael
Programa Primeiro Passo
Inscrições: goo.gl/JDX1xl

Espro
Inscrições: www.espro.org.br

CIEE
Informações: www.ciee.org.br

Senac
Inscrições: em uma das sete unidades - QNG Área Especial 39 - Taguatinga Norte / SEUPS 703/903, lote A / SCS Q. 6 Bloco A Loja 246 Ed. Jessé Freire - 1º , 3º e 4º andares / QNN 1, conjunto D, lotes 4/6 – Av. Hélio Prates. - Ceilândia / QD. 05 Conjunto F loja 07 Setor Sul - Gama / Área Especial 5, Quadra 4, Conj. E - Sobradinho / 915 Norte/GFCP.
Informações: www.senacdf.com.br

Instituto Fecomércio (IF)
Inscrições: www.ifestagio.com.br

Jovem Candango
Programa do Governo do Distrito Federal. Participam empresas como CEB, Caesb e outros órgãos ligados ao GDF
Informações: jovem.candango@seap.df.gov.br ou jovemcandango.wix.com/jovemcandango
Inscrições ainda em março

Empresas

Confira algumas das instituições que recrutam jovens aprendizes em Brasília:

Caixa Econômica Federal
Informações e contatos: www14.caixa.gov.br

Banco do Brasil
Informações: www.bb.com.br
Inscrições pelo site da Casa de Ismael: www.casadeismael.org

Novacap
Inscrições: pelo telefone do Cesam 3379-9200 ou pelo site www.salesianos.br/ssas

Banco de Brasília (BRB)
Cadastro pelo Ciee: www.ciee.org.br

Petrobras
Informações: www.petrobras.com.br

TST
Inscrições: pelo telefone do Cesam 3379-9200 ou pelo site www.salesianos.br/ssas

C&A
Inscrições: pelo site www.cea.com.br ou enviar o currículo para o e-mail rh.recrutamento@cea.com.br.
Tags: