PERFIS DE SUCESSO / LIA SOCHA »

Vocação para o comércio

Depois de trabalhar 32 anos como vendedora, a empresária abriu a própria loja, que conta com mais de 50 marcas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/05/2014 11:04 / atualizado em 04/05/2014 11:06

Mariana Niederauer

Janinde Moraes
O emprego de vendedora em uma loja multimarcas foi o primeiro e único da carreira de Lia Socha. Quando chegou a Brasília, aos 19 anos, essa foi a maneira que encontrou de se sustentar. Com o tempo, descobriu no ofício uma vocação e aprendeu a atender e a entender os desejos das clientes. A identificação com o ramo foi tão grande que, ao deixar o trabalho depois de 32 anos, ela abriu o próprio empreendimento, que, hoje, expõe roupas femininas de mais de 50 marcas nacionais e internacionais, entre elas, importantes grifes europeias e norte-americanas.

Um dos trunfos de Lia para ter sucesso no competitivo mercado da moda foram os contatos que fez durante as mais de três décadas que trabalhou na Magrella. Na época em que ela deixou a empresa, já estava no cargo de gerente de compras e vendas, o que garantiu a confiança dos fornecedores quando decidiu inaugurar a própria loja, que leva o nome dela.

Lia conta que a decisão de largar o emprego veio da sensação de missão cumprida. A jovem que veio de Goiânia para ganhar a vida na capital recém-construída amadureceu e completou um ciclo árduo, e, ao mesmo tempo, recompensador. Apesar do reconhecimento das clientes e da evolução na carreira, a empresária, que hoje tem 59 anos, precisou se dedicar intensamente ao trabalho, inclusive aos fins de semana e aos feriados. A filha, Karla Machado, 30, conta que, em diversas ocasiões, precisou ir à loja para ver a mãe em alguma data comemorativa. “A dedicação foi imensa”, resume Lia.

Esforço recompensado
Os primeiros 30 dias depois de deixar o emprego foram encarados como merecidas férias. No entanto, no mês seguinte, ela começou a se incomodar com a falta de atividades. Com a ajuda da filha, que participa ativamente da empresa até hoje, deu início a um plano de negócios. A multimarcas foi inaugurada em 12 de abril de 2008, na comercial da QI 5 do Lago Sul, conhecida por abrigar lojas de luxo. No início, o local contava com o equivalente a 30% do número de peças exposto hoje. Os produtos vendidos variam do casual ao black-tie, e até noivas já saíram de lá com o vestido da cerimônia de casamento. “Nós pensamos o tempo todo nas clientes. Se elas têm um sonho, nós o realizamos”, garante Lia.

A cada duas semanas, a empresária viaja, principalmente para Rio de Janeiro e para São Paulo, com objetivo de negociar peças que poderão trazer satisfação para as freguesas. Lia sabe bem como agradá-las. As vendedoras são instruídas a tratarem todas da mesma forma e a darem o mesmo valor a todas as marcas — nada de privilegiar a mais famosa ou a mais cara. “A primeira coisa que você faz é analisar a cliente e o que ela está em busca. A partir daí, é que você atende”, destaca.

Apesar de vender produtos de luxo, Lia tem a preocupação de variar preços e tipos de peças, e prefere até ter marcas que outras lojas não tenham, para oferecer um diferencial no mercado. “Outra coisa que chama muito a atenção das pessoas são as nossas cores. Elas falam que não encontram em lugar nenhum a variedade e a beleza que nós temos”, orgulha-se.

Para oferecer um serviço completo, Lia montou uma oficina na loja, em que são feitos os reparos necessários nas roupas. Ela acompanha as alterações de perto e, sempre que pode, atende as clientes na loja. “Não estou trabalhando, estou me divertindo.”

A empresária sugere que, quem pretende abrir um negócio no ramo, esteja preparado para enfrentar um mercado competitivo e perecível. Portanto, é importante estar atento a mudanças e a tendências nacionais e internacionais. Além disso, é necessário se planejar e trabalhar com carinho e respeito. “Você precisa ter uma sintonia muito grande com funcionários, clientes e fornecedores. E ter respeito, principalmente, com o dinheiro das pessoas”, relata.
Tags: