SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

SAÚDE »

Os males do trabalhador moderno

Doenças respiratórias são as mais recorrentes em profissionais brasileiros. Empresas devem investir no bem-estar da equipe para diminuir o número de faltas e aumentar a produtividade

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/05/2016 11:09

Arquivo Pessoal

Pesquisa feita pela operadora de saúde Omint com 1.021 profissionais de média e alta gerência aponta a rinite como a doença que mais afeta as pessoas no ambiente de trabalho. Entre os participantes do estudo, 32% sofrem com o problema (confira a lista completa no quadro As mais comuns). Para o otorrinolaringologista Eduardo Dolci, o motivo de o mal mais comum ser relacionado ao à respiração está no uso do ar-condicionado que deixa o ar mais frio e seco que o ambiente natural, agredindo a mucosa nasal e deixando-a mais irritada.


No DF, em que a umidade é muito baixa, o problema é agravado. “Além disso, a falta de limpeza nos filtros e dutos e o choque térmico são suficientes para ocasionar uma crise de rinite”, explica. Num país tropical como o Brasil, abrir mão do ar condicionado pode ser impensável, mas é possível usá-lo com moderação e optar por temperaturas mais amenas e, assim, fugir do calor sem prejudicar tanto a saúde.


Eduardo Dolci dá dicas para lidar com o aparelho. “É indicado aplicar soro fisiológico ou gel nasal sempre que sentir o nariz ressecado ou com casquinhas, beber água de forma fracionada, manter o ambiente arejado, limpo e umidificado e procurar deixar sempre por perto um casaco para manter o corpo aquecido e se proteger do frio”, aconselha.


Jéssica Kalyne Gomes, 23 anos, é motorista de caminhão de boiadeiro, tem rinite alérgica desde os 12 anos e precisa ficar em casa quando o problema se manifesta de forma mais grave. “Quando dirigia van, eu sofria com os perfumes femininos das passageiras, e a baixa temperatura também contribuía”, lembra. Com o novo modelo de transporte, a situação piorou. “Apesar de ser apaixonada por esse tipo de caminhão, a poeira das estradas me faz espirrar e ter coriza”, conta. Ela sofre por não poder tomar antialérgicos, pois dão sono, o que torna o ato de dirigir perigoso. A jovem aposta em beber água e chás. “Aprendi a conviver com a rinite e a tomar o cuidado necessário para que eu não prejudique  meu trabalho.”

Outras doenças
Surdez ou diminuição da capacidade de audição em virtude de ambientes muito barulhentos, além de depressão, ansiedade, hipertensão, que podem ser ocasionadas pela pressão no local de trabalho são outros males causados por atividades laborais citados por Marcelo Peixoto, médico com MBA executivo em saúde. Para estimular o cuidado com a saúde, ele dá dicas simples. “A empresa deve utilizar os canais de comunicação interna e promover palestras para estimular o cuidado com a saúde e a prática de exercícios físicos”, aconselha.


Esse tipo de ação pode resultar em benefícios como a diminuição do absenteísmo e a melhoria da qualidade de vida dos funcionários. “Isso assegura o nível de satisfação dos empregados, garantindo maior comprometimento. O resultado será o aumento da produtividade e a retenção e a atração de talentos.”

 

Temporada de gripe
Empresas que investem em vacinas para os funcionários durante o período de frio, durante o qual as gripes se tornam mais comuns, recebem retorno por meio da diminuição de afastamentos por causa da doença, que está entre as mais frequentes. Segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 17,8% dos brasileiros deixaram de executar atividades habituais em 2013 por conta de gripe ou resfriado; em seguida, aparecem dores nas costas (10,5%).


Há 10 anos, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) protege os colaboradores contra a gripe por meio de vacinas. “Resolvemos adotar o método para que os trabalhadores estejam saudáveis e focados nas atividades. Assim, também reduzimos custos”, comenta o gerente de Saúde Ocupacional e Qualidade de Vida da CNI, Amilton Cabral Júnior. A direção identificou que as doenças respiratórias apresentam os gastos mais altos depois do câncer nos planos de saúde do quadro funcional e apostou ainda na prevenção contra pneumonia.


Talita Poli, gerente médica do Aché Laboratório, dá dicas para prevenir resfriados e outras doenças. “Higienizar as mãos com água e sabão e cuidar da limpeza de todas as superfícies do trabalho com regularidade ajuda a evitar a disseminação de microrganismos”, observa.

publicidade

publicidade