SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

PERFIS DE SUCESSO »

Itália para falar, viajar e degustar

Casal abriu escola de italiano que promove viagens enogastronômicas e conquista o público unindo conteúdo e paixão pela cultura do país europeu

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/11/2016 11:50 / atualizado em 27/11/2016 12:35

Carlos Vieira

Antonello Monardo, 56 anos, e Gabriela Monardo, 42, transformaram os laços que possuem com a Itália em um negócio. Ele nasceu em Régio da Calábria, província localizada no que poderíamos chamar de “a pontinha da bota” no mapa do país Europeu. Ela tem padrasto italiano e cursou letras-italiano na terra das massas. Ambos se conheceram em Brasília e, hoje, têm uma filha de quatro anos. Outro fruto do casamento é o Parlando Italiano — cantando, mangiando, viaggiando (www.parlandoitaliano.com.br), instituição aberta há sete anos, dedicada a promover cursos regulares (de três anos) e intensivos sobre o idioma latino, além de viagens enogastronômicas pela República Italiana. Gabriela é responsável pelas aulas, enquanto Antonello cuida das viagens. Localizada no Edifício Vega Luxury Design, na Quadra 1 do Setor Comercial Norte, a instituição exige muito trabalho.


“Nos dedicamos muito. Passamos praticamente 24 horas no negócio. É uma empresa pequena, com duas funcionárias. Então, atendemos telefone, fazemos de tudo”, conta Gabriela. Segundo ela, outro motivo para o sucesso é o fato de o local ser muito aberto aos alunos. “Nossas inovações vêm da demanda que o próprio público traz.” Uma novidade é o clube Gusto Italiano, em que assinantes recebem produtos típicos e descontos. “A cada mês tem um presente: vinho, azeite, cafeteira…”, conta Antonello, que se divide entre o Parlando Italiano e o Monardo Café, aberto por ele em 2000. A unidade, que é em formato de franquia, fica no mesmo prédio do Parlando Italiano.

 

Arquivo Pessoal

Lá, o público tem acesso ao curso de barista ministrado por Antonello, que está na 19ª edição. Aproximar-se dessa atividade tem um toque “surreal”, segundo o empresário. “Meu avô veio ao Brasil em 1926, não teve sorte e morreu. Acredito que eu tinha uma missão de vir para cá trabalhar com café. Eu resgatei o que ele não conseguiu fazer”, define. O contato de Antonello com o Brasil começou em 1990, quando se casou com uma brasiliense. “Em 1996, nos mudamos para cá. Depois de um ano e pouco, nós nos separamos, mas continuei aqui”, lembra. A paixão dele pela bebida estimulante é tão grande que, em 2009, a editora Senac lançou o livro Louco por café, de autoria de Leandro Fortes, que conta a história do italiano.

Uma escola diferente
Um dos diferenciais das aulas do Parlando Italiano é que elas envolvem conteúdos culturais. Como indica o nome da instituição: o foco está em falar, cantar, comer e viajar. “As aulas são interativas, trazemos música, comida, vinho. Quando é algo mais simples, como uma brusqueta, fazemos durante a aula e, no processo, o aluno aprende vocabulário. Se for um prato mais elaborado, como uma berinjela à parmegiana, faço antes e só esquento na hora. Tudo isso para o aluno se apaixonar pela língua”, revela a pedagoga Gabriela.


“A diferença entre o italiano e outros idiomas é que quase ninguém aprende por necessidade. A maioria das pessoas aprende por prazer, por gostar da língua e do país. A gente não dispensa a gramática, mas ensina de um modo lúdico”, resume Antonello. “Eu faço como se fosse para mim, do jeito que eu gostaria que um curso fosse. A escola é como uma extensão da nossa casa e, em casa de italiano, todo mundo tem que comer e se sentir bem. Outra instituição com uma proposta igual a nossa não existe em Brasília”, revela. Trabalhar para oferecer um serviço do jeito que os donos gostariam também é a fórmula de sucesso das viagens, em que Antonello atua como guia de turismo.


“Formamos grupos duas ou três vezes por ano. O roteiro não é clássico: não incluo Roma, Veneza ou Florença. Vamos em lugares que até italianos desconhecem”, conta. O projeto deu tão certo que os viajantes não são apenas de Brasília: 40% dos clientes são de lugares como São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Pará. Somando as viagens e as aulas, o faturamento bruto do Parlando Italiano varia entre R$ 10 mil e R$ 20 mil por mês. “Estamos sempre crescendo. Muitas vezes, nem conseguimos atender toda a demanda”, comemora Antonel

 

 

 

 

publicidade

publicidade