SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

À frente dos negócios

Em geral, as brasileiras empreendem depois da maternidade- em muitos casos, porque o mercado de trabalho não oferece condições flexíveis para que elas possam conciliar filhos e carreira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/12/2016 15:47 / atualizado em 18/12/2016 19:55

Ana Paula Lisboa

Gabriela Studart

A revolução do empreendedorismo feminino

Num mercado de trabalho em que as mulheres ganham 76% do salário dos homens — 68%, se forem comparados os rendimentos de trabalhadores e trabalhadoras em cargos de chefia —, não é de se estranhar que várias profissionais tenham vontade de se desvencilhar do ambiente corporativo tradicional (saiba mais no gráfico Mais ocupadas, menos remuneradas). Elas têm menos chances de chegar a posições de gestão e de progredir na carreira e contam com pouca compreensão e abertura das empresas para conciliar as atividades laborais com o cuidado doméstico e dos filhos. Assim, um número cada vez maior de mulheres aposta no empreendedorismo, tema ao qual se dedica a última reportagem da série “Empoderamento Feminino”. Há pelo menos 7,3 milhões de empresárias no país, segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).


Elas representam 31% do total de donos de negócios, mas esse percentual está crescendo: nos últimos 10 anos, o número de empreendedoras aumentou 16%. “As mulheres estão se mexendo e aceitando menos o que é imposto para elas no mercado de trabalho. As novas mães concordam cada vez menos em deixar que outras pessoas criem’ os filhos delas. Por isso, tantas partem para o empreendedorismo”, analisa a consultora financeira Patrícia Lages. Autora dos livros Bolsa blindada, Bolsa blindada 2, Virada financeira e do recém-lançado Lugar de mulher é onde ela quiser, ela observa que, para muitas, o empreendedorismo é uma nova chance de carreira. “É uma solução para a mulher que se viu fora do mundo corporativo — não só a mãe, mas também a que tem a partir de 40 anos e passa a ser considerada velha para o mercado. A saída, às vezes, é criar o próprio ganha-pão”, observa.

 

Pesquisa da Rede Mulher Empreendedora comprova esse comportamento: uma mãe, casada, de 39 anos forma o perfil mais comum da empresária brasileira (saiba mais no gráfico Quem são elas?). Ana Fontes, fundadora da rede, acrescenta que a quantidade de donas de negócio que são chefes de família (44%) foi uma surpresa. “Além disso, 75% empreendem após a maternidade. E está por trás desse resultado o fato de o ambiente corporativo ser hostil para a mulher com filhos pequenos.

 

Muitas acreditam que precisam escolher entre ser mãe ou executiva porque as empresas (que são ainda muito masculinas e machistas) não mostram que é possível.” Apesar disso, Ana Fontes chama atenção para a jornada de trabalho das empreendedoras. “A dona de um negócio vai ter mais flexibilidade, mas não mais tempo livre. Boa parte das empresárias trabalha 45 horas por semana.”


 

A maior parte das empreendedoras do país está nos ramos de serviço — porque é um setor que não exige investimento alto e permite que a mulher use o capital intelectual dela — e comércio — em geral, em estabelecimentos relacionados ao universo dito feminino, como estética. Ana Fontes chama atenção para a falta de controle financeiro de boa parte dos negócios femininos. “A maioria delas delega as contas a outra pessoa: sócio, funcionário ou marido. Elas acham que isso não é para elas — afinal, historicamente, as mulheres nunca integraram o ambiente do dinheiro”, afirma.

 

Progresso em igualdade

A consultora financeira Patrícia Lages espera que a presença de mais mulheres encabeçando organizações possa produzir uma onda de mudanças para mitigar as desigualdades de gênero. “O empreendedorismo feminino é um caminho para mudar isso, sim.” Segundo Ana Fontes, fundadora da Rede Mulher Empreendedora, quanto mais proprietárias estiverem à frente das organizações, menos machista deve se tornar o mercado de trabalho. “Tenho certeza de que isso pode gerar um resultado de grande efeito”, define.


Já Lyana Bittencourt, diretora executiva da consultoria empresarial Grupo Bittencourt, não acredita que essa seja a solução para reverter exclusões no espaço laboral.  “Mulheres em cargos de liderança não significam erradicação da desigualdade de gênero em ambientes corporativos. Muitas pessoas replicam atitudes machistas sem perceber, porque é uma atitude inerente à cultura”, diz a administradora com MBA executivo internacional. “O passo para mudar essa situação na sociedade está na educação, dentro dos lares e das escolas. Desde o início da formação do cidadão, ele deve entender que todos são iguais, independentemente de raça, sexo, credo ou qualquer outro aspecto”, defende Lyana, nomeada, em 2013, embaixadora brasileira da International Franchise Association (IFA).

 

Dicas para abrir o próprio negócio


» Busque ajuda: filie-se a alguma rede de empreendedoras, busque capacitação e uma mentora, esteja próxima de outras empresárias. Conhecendo as experiências de outras, você evita cometer os mesmos erros.


» Seja multiprofissional: começa-se um negócio sozinha ou com pouquíssima ajuda. Você será um pouco advogada, contadora, administradora, carregadora, caixa, faxineira. Quanto mais coisas você souber fazer — ainda que seja para delegar tarefas —, melhor. Esteja preparada para trabalhar muito.


» Cuide das finanças: todo negócio é feito para dar lucro, então isso não pode ser menosprezado. Não adianta trabalhar muito e não controlar as contas. Mas não espere que você abra uma empresa hoje e, no mesmo mês, pague as contas com os rendimentos dela: isso pode demorar.
Fontes: Patrícia Lages e Ana Fontes

Seu ambiente de trabalho é machista?
Fique atenta a esses indícios:
» Esforço: as mulheres têm que se esforçar muito mais para conquistar seu lugar e “provar” a capacidade de produzir e principalmente de liderar.
» Aparência: as mulheres são mais julgas pelas roupas que usam, pela forma de se cuidar e pela postura.
» Gravidez: um momento de realização para boa parte das mulheres se torna um pesadelo para algumas quando se refere à atitude de empresa.
» Mansplaining (“explicações masculinas”): elas ouvem explicações óbvias como se não entendessem de um tema, mesmo sendo especialistas nele.
» Diferença salarial: mulheres ainda têm salários inferiores.
Fonte: Lyana Bittencourt

 

Histórias de empreendedoraseuestudante

 

Quero independência

 

Gabriela Studart
 

 

Rosana Alves de Souza, 36 anos, é microempreendedora individual em parceria com a mãe dela, Evanilde Alves de Souza, 58 (em pé, na foto). Rosana foi gerente comercial e representante de uma importadora de equipamentos de segurança e resolveu sair da função para ter mais tempo com a filha, Daniela, 9. “Ela estava crescendo, e eu não estava acompanhando. Foi assim que, em 24 horas, decidi largar tudo para começar algo novo”, lembra Rosana. “Disseram que eu era doida porque eu era muito bem remunerada.” Rosana postou num grupo de mães no Facebook um anúncio dizendo que estava fazendo bolos caseiros sob encomenda.

 

Em uma semana, recebeu 30 pedidos.

“Fiquei desesperada e chamei minha mãe para ajudar”, conta. Há quatro anos, elas mantém a microempresa De mãe para filha — Artesanatos e delícias (saiba mais em goo.gl/evQYzc), por meio da qual vendem bolos, doces, lembrancinhas para festas e outros itens sob encomenda. “Eu não ganho o que ganhava antes, mas não me arrependo. A relação que tenho com minha filha não tem preço. Não quer dizer que trabalho menos, mas consigo me planejar”, diz ela, que ainda se divide entre almoço e cuidados domésticos. “Eu nunca tinha pensado em ter uma empresa. Tem dia que trabalhamos 10 horas por dia, mas vale a pena”, conta Evanilde.

 

Realização profissional

 

Gabriela Studart
 


Após uma viagem ao Chile, Kézia Pimentel, 47 anos, conheceu uma técnica de costura chamada feltragem, feita com lã de ovelha. “Depois que voltei para o Brasil, quis aprender, mas só foi possível conseguir isso e a matéria-prima em São Paulo, por isso decidi investir nessa área”, lembra. Após três anos de pesquisa e planejamento, Kézia, que é casada e mãe de uma filha de 23 anos, abriu a Novelaria, loja localizada no Pátio Brasil, que vende materiais de costura e oferece cursos nessa área. O negócio começou a funcionar há quase três meses. “Valeu a pena esperar esse tempo para abrir a fim de não fazer dívidas. Está no começo e ainda estou caminhando para colher os frutos”, afirma.


Formada em turismo e gastronomia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), ela tem também, há seis anos, um estande botânico, que vende artesanatos, itens de paisagismo e produtos gourmet, localizada em uma loja colaborativa no mesmo shopping. Para o futuro, ela pensa em se capacitar mais e até abrir um negócio no exterior. “Sabemos que o mercado está saturado, por isso sempre temos que estar nos atualizando e buscando coisas novas”, afirma ela, que conta com uma faxineira, mas toma conta sozinha de outros afazeres domésticos em casa.

 

Acesse um teste para saber se você tem perfil para empreender em www.correiobraziliense.com.br/euestudante

 

Faça o teste e descubra se você tem perfil para ser empreendedora

 

Responda às questões de acordo com que você é nos dias de hoje e não como quer ser futuramente.


1) Sua maior motivação em empreender um novo negócio é:
a. ( ) poder compor meu próprio salário;
b. ( ) o desejo de realizar coisas novas;
c. ( ) provar para as pessoas que não acreditam em mim que sou capaz.


2) Como você se posiciona em relação aos riscos que um novo negócio traz?

a. ( ) procuro correr riscos viáveis e possíveis de contornar;
b. ( ) vou com tudo porque quem está na chuva é para se molhar;
c. ( ) na iminência de qualquer risco prefiro não seguir em frente.


5) Qual seu nível de autoconfiança?

a. ( ) já tive um negócio no passado que não deu certo (ou nunca fui um funcionário de destaque), por isso sou um pouco insegura, mas estou disposta a mudar;
b. ( ) gosto de assumir as maiores responsabilidades porque confio que vou dar conta;
c. ( ) não tomo nenhuma atitude sem consultar a família, amigos ou algum mentor.


7) Quando as dificuldades aparecem, qual dessas atitudes melhor descreve as suas reações:

a. ( ) sou quase sempre pega de surpresa e isso me abala e enfraquece. Levo tempo para me recompor;
b. ( ) sei que as dificuldades devem ser enfrentadas e não me abalo, mas prefiro focar no trabalho e delegar a resolução do problema;
c. ( ) encaro as dificuldades como oportunidades de crescer e não abro mão de resolver de forma firme, incisiva e rápida.


11) Diante de um desafio novo, você:
a. ( ) fica com medo, mas vai com medo mesmo;
b. ( ) costuma subestimar os desafios e às vezes é reprovada por excesso de confiança;
c. ( ) o temor é grande e chega a paralisa-la diante de certas situações.


18) Com respeito ao trio liderança, motivação e coordenação de pessoas, você:

a. ( ) tem facilidade em desempenhar esses papéis;
b. ( ) desempenha o papel, mas não se sente confortável;
c. ( ) não se vê desempenhando esse papel.


19) Quando surge um problema, como você costuma resolver?

a. ( ) quase sempre da mesma forma;
b. ( ) com criatividade, pois gosto de testar novos métodos;
c. ( ) não sou uma boa solucionadora de problemas.


26) Como você administra seu tempo?
a. ( ) trabalho o dia todo, correndo de um lado para o outro, mas ao final do expediente tenho a sensação de que não fiz nada;
b. ( ) não sou muito disciplinada e sei que perco muito tempo em conversas ou coisas desnecessárias;
c. ( ) coordeno bem o meu tempo e procuro não desperdiçar minhas horas de trabalho.


27) Você deseja ser bem-sucedida para:
a. ( ) ter uma melhor posição na sociedade e ser reconhecida pelo que faz;
b. ( ) estar bem consigo mesma e poder ter o que sempre quis;
c. ( ) poder sentir-se útil e também ser útil à sua comunidade de alguma forma.


28) Qual conjunto de características define melhor a sua atuação profissional?
a. ( ) independência, segurança e confiança;
b. ( ) espírito de equipe, colaboração e compartilhamento;
c. ( ) independência, introspecção e autoestima mediana.


Calcule sua pontuação


Some os valores da tabela a seguir segundo suas respostas.



1)                                      6)
a. 2 pontos                                a. 3 pontos
b. 3 pontos                                b. 2 pontos
c. 1 ponto                                  c. 1 ponto

2)                                      7)
a. 3 pontos                                a. 2 pontos
b. 2 pontos                                b. 3 pontos
c. 1 ponto                                  c. 1 ponto

3)                                       8)
a. 2 pontos                                a. 2 pontos
b. 3 pontos                                b. 1 ponto
c. 1 ponto                                  c. 3 pontos

4)                                       9)

a. 1 ponto                                  a. 1 ponto
b. 2 pontos                                 b. 2 pontos
c. 3 pontos                                 c. 3 pontos

5)                                       10)
a. 3 pontos                                 a. 3 pontos
b. 2 pontos                                 b. 2 pontos
c. 1 ponto                                   c. 1 ponto


Resultado

De 10 a 15 pontos – Aspirante à empreendedora

Você demonstra características de alguém que ainda não está muito certa do que quer. É preciso definir bem o que você espera do futuro e acreditar mais em si mesma, esquecendo qualquer má experiência do passado ou até mesmo sua ausência. Empreender é algo bom, mas exige segurança, autoconfiança e um toque de ousadia. É ótimo que, com a leitura deste livro, você esteja dando o primeiro passo em relação a algo novo e desafiador, pois o desenvolvimento das características que lhe faltam no momento como autoestima elevada, autoconfiança, independência e segurança, só virão com o conhecimento e a prática. Você pode e vai conseguir!

De 16 a 20 pontos – Empreendedora "cara e coragem"



Você tem características mais impulsivas, de quem não tem muita paciência para traçar estratégias e prefere fazer as coisas sem muito planejamento. Aquilo que não lhe agrada você logo delega para não tirá-la do seu alvo que é fazer, fazer, fazer. É preciso investir um pouco mais em desenvolver conhecimento e estratégias, pois isso poderá fazer com que você ganhe tempo. É muito positiva a confiança que você tem em si e nas pessoas que trabalham com você, portanto, continue com todo esse gás! No entanto, não subestime as demais características que focam no planejamento, pois elas irão ajudá-la na execução de suas tarefas.

De 21 a 30 pontos – Empreendedora rumo ao sucesso


Você já tem muitas características inerentes a uma empreendedora de sucesso, parabéns! Você é uma pessoa centrada, ponderada, que age com equilíbrio e busca empreender pelos motivos certos. O fato de ter este livro em suas mãos, apesar de já ter um ótimo perfil empreendedor, só confirma o seu interesse em crescer e vencer. Você considera o seu conhecimento como algo importante, mas não deixa de ouvir pessoas que possam ajudá-la a crescer. Se você mantiver esse espírito, o sucesso será uma consequência e, além de ser uma pessoa bem-sucedida, poderá ajudar e inspirar outros a entrarem para o mundo do empreendedorismo.

Este miniteste foi extraído do teste completo de 30 perguntas do livro Lugar de mulher é onde ela quiser, de Patricia Lages. O teste não tem caráter de pesquisa clínica, acadêmica ou oficial.

Três perguntas para - Lyana Bittencourt, diretora-executiva do Grupo Bittencourt

Como você avalia os ambientes de trabalho do Brasil com relação ao machismo?
Recentemente a questão do machismo vem sendo discutida mais abertamente. Antes a discussão se limitava a pequenos grupos ativistas. O que se aceitava antes, não se aceita agora (ou pelo menos uma parcela maior da população se dedica a discutir o assunto). Há de se reconhecer que a desigualdade de gêneros existe e deve ser combatida. Algumas empresas levantaram a bandeira da equidade de gêneros e buscam praticá-la. Porém ainda podem ser consideradas exceções.

O que pode ser feito para que os ambientes corporativos se tornem menos machistas?

Machismo é uma característica cultural, e toda empresa possui a própria cultura, a qual é passada a cada funcionário. Portanto, cultivar uma cultura dentro da organização mais igualitária, de que tanto homens quanto mulheres têm os mesmos direitos e deveres, tende a ter efeito mais rápido do que esperar que cada um individualmente tome essa consciência. Para as que buscam diminuir a desigualdade, é um dever começar a passar a cultura da igualdade desde o primeiro contato com o funcionário ou mesmo filtrar aqueles que não aderem à cultura no momento da entrevista de emprego. E para as que estão mudando ou adotando essa nova postura, a primeira coisa a se fazer é ouvir. Ouvir como as mulheres que trabalham ali se sentem, o que elas têm a dizer sobre o ambiente de trabalho, sobre a postura de líderes, pares e subordinados. A abertura para a conversa é essencial para que tais atitudes preconceituosas e machistas sejam identificadas e não sejam replicadas, e se ocorrerem é preciso que haja medidas de repreensão.

Como as mulheres trabalhadoras podem ajudar a coibir e eliminar práticas machistas no trabalho?
Se a empresa tem um canal aberto para discussão do assunto, devem conversar e colocar seu ponto de vista, dando exemplos claros e expor fatos do que está ocorrendo. Se não tiver esse canal e deseja ver a mudança ocorrer, envolva as pessoas. Marque um bate papo com colegas, com outras mulheres que passam pela mesma situação e levante a bandeira.

 

Colaborou Ana Luiza Vinhote, estagiária sob supervisão de Ana Paula Lisboa

publicidade

publicidade