RAMO AQUECIDO »

Gerenciamento de projetos como profissão

Os que atuam como gestores ou gerentes da área encontram muitas oportunidades no mercado, e Brasília está entre as cidades que mais contratam trabalhadores do setor. A média salarial desse profissional é de R$ 7 mil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/03/2017 08:30 / atualizado em 12/03/2017 08:40

Gabriela Studart
O papel do gerente ou gestor de projetos é garantir que atividades sejam realizadas dentro do prazo, do orçamento e de acordo com as especificações necessárias. Nas empresas, trabalha como um guru do planejamento. Cada vez mais valorizada, a função ajuda instituições a reduzirem o desperdício, o retrabalho e a perda de foco decorrentes da desorganização. Segundo o presidente da seccional do Distrito Federal do Instituto de Gerenciamento de Projetos (PMI, na sigla em inglês) e gerente de projetos no Ministério da Fazenda, José Alves, o profissional da área é “responsável por gerir as estratégias da empresa, implantar um modelo novo ou fazer qualquer mudança estrutural”.


Ele observa que esse posto é sempre citado entre as profissões do futuro e tem se tornado mais reconhecido, especialmente no Distrito Federal. “As empresas estão compreendendo que precisam dessa figura para se manterem competitivas”, garante o economista e especialista em administração. Interessados em trabalhar com o ramo podem ter graduação em qualquer área, mas precisam ter habilidade de gestão. “É mais comum que esses profissionais tenham formação em engenharias, administração de empresas e tecnologia da informação”, analisa Paulo Dias, diretor de Recrutamento da consultoria profissional Stato.


Gabriela Studart
O administrador de empresas explica que a vasta gama de opções de atuação de gerentes de projetos é um diferencial da carreira. “Eles podem ser contratados por instituições de qualquer área, inclusive, órgãos públicos.” Mesmo na crise, o mercado apresenta certa estabilidade para esse cargo, segundo Dias. “A demanda por profissionais da área não diminuiu tanto. Eles estão sendo muito requisitados e a tendência é que, nos próximos anos, a procura seja ainda maior. Provavelmente, não haverá escassez de mão de obra, porque há um crescimento também do número de profissionais se capacitando para atender a essa lacuna”, acredita.

 

Opção de carreira
Gerente de projetos na Cast, provedora de soluções em infraestrutura e desenvolvimento de tecnologia da informação, Leandro Nogueira, 26 anos, acredita que ocupa um papel estratégico. “Uma gestão de projetos bem-feita evita o desperdício, o retrabalho e diminui a chance de insucesso nas  iniciativas da organização. Pessoas como eu impulsionam as empresas a atingirem resultados de maneira mais eficiente”, percebe. Formado em sistemas de informação, antes de começar a atuar no ramo, ele identificou uma chance de crescimento. “Eu percebi que as organizações atuais são estruturadas em projetos”, conta. Na opinião de Leandro, a profissão precisa ser mais valorizada.


“No Brasil, existe uma cultura muito forte de só se preocupar quando o risco é iminente, especialmente em Brasília, onde a maioria dos gestores atua no setor público”, relata. Um dos motivos que contribuem para a desvalorização dessa função é o fato de ela não ser regulamentada. “Estamos buscando colocar a profissão no Código Brasileiro de Ocupações do Ministério do Trabalho e Emprego, e a previsão é de que esse processo seja finalizado ainda em 2017”, salienta José Alves, presidente do PMI no DF.

 

Carlos Moura
 

Mesmo assim, segundo o economista, a remuneração é “bastante satisfatória”. Profissionais medianos ganham entre R$ 6 mil e R$ 10 mil, enquanto gerentes de projetos mais bem colocados recebem cerca de R$ 15 mil. A média salarial do cargo, segundo o Guia de profissões e salários da Catho, é de, aproximadamente, R$ 7 mil. Com tantas oportunidades e com vencimentos atrativos, a área é uma opção promissora a se considerar por quem deseja mudar de carreira ou começar uma nova, como é o caso de João Paulo Ferreira, 24. O estudante de engenharia de software da Universidade de Brasília (UnB) deseja começar a trabalhar como gerente de projetos logo após a graduação. Para se capacitar, João Paulo participa de encontros da área e busca capacitações voltadas para a certificação pelo PMI. “Eu gosto deste tipo de evento porque sempre aprendo coisas novas. O conhecimento que eu tenho foi, principalmente, adquirido nas disciplinas da graduação. Tenho sorte de ter uma parte expressiva do curso voltada para a área.”

 

Não confunda!
Gerente de processos e gerente de projetos são funções comumente confundidas. Para entender melhor o que cada profissional faz, é preciso compreender as diferenças entre os objetos de suas atribuições. Processos são atividades contínuas executadas pelas empresas. Já projetos são mudanças estratégicas, iniciativas que não fazem parte da rotina produtiva da firma.

 

Requisitos

 

Saiba o que é desejável para trabalhar como gerente de projetos — nenhum desses requisitos é obrigatório, mas são diferenciais importantes na hora de conseguir um emprego na área.
» Diploma de graduação em qualquer curso de nível superior
» Domínio da língua inglesa
» Habilidade de negociação
» Noções de administração como gestão de recursos e produção de cronogramas
» Certificação na área pelo PMI

Fonte: José Alves, presidente da seccional do Distrito Federal do Instituto de Gerenciamento de Projetos (PMI)

 

Histórico

A essência da gestão de projetos existe desde os primórdios da humanidade, segundo José Alves, presidente do PMI no DF. “A produção da arca de Noé pode ser considerada um projeto”, exemplifica. O economista explica que a profissão dialoga diretamente com a racionalidade humana. Qualquer atividade para ser executada passa pelas etapas de iniciação, planejamento, execução, controle e encerramento. A profissão é antiga, mas a atividade começou a ser estruturada de forma organizada, de acordo com José Alves, em 1969, com a criação do Instituto de Gerenciamento de Projetos (PMI). As cidades com maior demanda por gestores da área são Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. Não existe um sindicato ou conselho da categoria, mas há 18.782 filiados ao PMI no Brasil, 430 deles no DF. Além disso, há 250 mil pessoas cadastradas no PMI por conta do interesse em ferramentas de gestão.

 

Encontro da área

Em 20 e 21 de outubro de 2016, Brasília sediou o 16º Encontro de Gerenciamento de Projetos, organizado pelo Instituto de Gerenciamento de Projetos (PMI, na sigla em inglês) do Distrito Federal. O evento reuniu 500 pessoas. A próxima edição do encontro no DF ainda não tem data definida, mas, em junho de 2017, Curitiba recebe o Congresso Brasileiro de Gestão Projetos e Liderança, considerado o maior evento da América Latina na área. Saiba mais em www.pmidf.org.

 

 

 

*Estagiária sob supervisão de Ana Paula Lisboa