EXEMPLO DO BEM »

EJA voltada para o mercado

Escola pública na Asa Sul oferece cursos de qualificação profissional, pré-vestibular e até agência de estágios e empregos, tudo para garantir a empregabilidade dos alunos após a saída da instituição

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/03/2017 09:12

Jhonatan Vieira

O Centro de Educação de Jovens e Adultos Asa Sul (Ceja-Cesas), localizada na 602 Sul, comemora a chegada ao terceiro ano de atividades do projeto Talentos, que promove uma ponte com o mundo do trabalho. Além de oferecer ensino das séries tradicionais, da alfabetização ao ensino médio, a escola promove cursos de qualificação profissional e preparação para vestibular e o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Outro diferencial é a agência de carreiras da instituição, criada em 2016,  para viabilização de estágio, emprego, empreendedorismo e orientações. Os alunos passam, inclusive, por um processo de coaching, dado pelos professores, para identificarem os próprios objetivos e criarem estratégias para alcançá-los. “Procuramos criar uma identidade a partir do talento do aluno, definindo o que ele acha que é importante para, então, construir um desenho de carreira. Aqui, não tratamos a educação profissional apenas como um processo para viabilizar um certificado”, conta o coordenador geral do projeto, Virgínio Gabriel Beltrami, graduado em práticas agrícolas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).


Airan Almeida de Lima, pedagogo e mestre em educação pela Universidade de Brasília (UnB), é um dos orientadores do Ceja-Cesas. “Trabalhamos primeiro com a história de vida do aluno. O estudante que está aqui, por fatores culturais, econômicos ou regionais, não teve acesso à escolaridade na idade certa e acabou na EJA (Educação de Jovens e Adultos). É um adulto que tem compromissos, então, a educação deve estar integrada à realidade dele”, observa. Ele acredita que a reforma do ensino médio (Medida Provisória nº 746/2016), que deve ser colocada em prática a partir de 2019, deve fortalecer a proposta da instituição. “O aspecto positivo é que teremos mais facilidade para organizar o currículo equilibrando conteúdo acadêmico, tecnológico e profissional. O ponto negativo é que isso se torna quase obrigatório. Quem está mais preocupado em ir para o ensino superior terá um ensino enfraquecido”, pondera.

 

Jhonatan Vieira

“Há um empenho muito grande por parte dos professores, que buscam estágio para os alunos em empresas e órgãos públicos e têm contatado essas instituições para entender como podem formar esses profissionais”, elogia o diretor do colégio, Reus Antunes de Oliveira, filósofo pela Universidade Católica de Brasília (UCB). Segundo ele, houve um aumento no número de alunos que se matricularam na escola depois do início da proposta. “Na modalidade a distância, o aluno faz as matérias na plataforma on-line — oferecemos esse modelo há 11 anos: é um formato que vem atraindo cada vez mais pessoas e a tendência é de aumentar”, complementa. No ano passado, cerca de 300 alunos se formaram nessa modalidade.

Eu participei
Casada e com dois filhos, Antônia Sousa, 42 anos, vislumbrou novas possibilidades de futuro depois que descobriu as aulas de recepção hospitalar, curso que forma profissionais para trabalhar no atendimento de serviços de saúde. “Eu fazia o ensino médio pela manhã e uma colega de classe me avisou sobre o curso. Gostei de todos os professores do projeto e da sala de aula. Foi uma experiência única. Agora ,pretendo trabalhar na área”, conta a aluna do 2º ano do ensino médio. Antônia concluiu o curso técnico em dezembro de 2016, depois de cinco meses de aulas. Ela trabalhou como cozinheira até o fim do ano passado; agora, desempregada, espera que a agência de talentos da escola possa ajudá-la a voltar ao mercado. “Tenho muito interesse em fazer outras aulas aqui, libras, por exemplo”, revela. “Voltei a estudar em 2015, por causa dos meus filhos que me encorajaram. O mais velho tem 21 anos e o mais novo, 20. Eles também me incentivaram a continuar com o curso de recepção hospitalar. Hoje, estudo de noite para tentar conseguir uma vaga para trabalhar durante o dia”, diz a moradora da Cidade Ocidental (GO).


Susy Mara, 33 anos, também participou do curso de recepção hospitalar. “Tivemos cerca de 10 professores. As matérias abordaram primeiros socorros, ética, recepção, matemática, português, Sistema Único de Saúde (SUS), informática, segurança do trabalho... Foi muito complicado, muito puxado porque era preciso passar manhã, tarde e noite (saindo às 23h) na escola. Tivemos contratempos de horários e organização da secretaria durante o curso, mas conseguimos finalizar”, conta ela, que trabalhou como recepcionista numa clínica odontológica no passado e, atualmente, é aluna do 3º ano do ensino médio. Susy garante que todo o esforço valeu a pena. “Foi uma experiência única, um aprendizado para a vida”, elogia. A Moradora de Santa Maria pretende fazer uma graduação em letras.

 

Cursos técnicos
Neste ano, os professores responsáveis pelo projeto Talentos esperam conseguir mais inscritos para os cursos oferecidos. No início, a divulgação on-line é por meio de cartazes, visa os estudantes do próprio Ceja-Cesas, mas vagas remanescentes são destinadas à comunidade, que pode ficar a par do projeto por meio da página www.facebook.com/talentoscesas. Ficou interessado? A pré-inscrição para participar do projeto Cesas deve ser feita pelo site www.talentoscesas.wixsite.com/agencia. Depois, é preciso ir pessoalmente ao auditório do colégio. As aulas previstas para o primeiro semestre deste ano são sobre cuidados de idosos, operador de micro, em que se aprende conceitos básicos da internet. O projeto também oferece curso de  massagista e operador de áudio e vídeo. A carga horária varia de 80 horas a 180 horas. A divulgação das inscrições dos novos cursos começam amanhã (13). Ao longo do ano, serão oferecidas novas vagas e discutidos outros cursos técnicos a serem promovidos. Você pode tirar dúvidas e ficar atualizado quanto a cursos e atividades oferecidas pelo WhatsApp, por meio do telefone 99298-4331.

Matrículas para EJA

Os interessados em se matricularem para alfabetização, ensino fundamental ou médio no Ceja-Cesas podem se inscrever pelo telefone 156 ou presencialmente, no início e no meio do ano. Para o ensino a distância, o período de matrícula ocorre duas vezes a cada semestre.

 

Vanguarda no DF

Com 4,1 mil alunos de 15 anos a 83 anos e um total de 200 funcionários, dos quais 180 são professores, a unidade da rede pública foi fundada há 45 anos com a proposta de atender jovens e adultos. As aulas são oferecidas nos turnos vespertino, matutino e noturno, além do ensino a distância, que atende 1.500 estudantes. Outros projetos do colégio envolvem horta, corte e costura e cozinha para trazer novas experiências ao estudante.

 

*Estagiário sob supervisão de Ana Paula Lisboa