Pronatec Prouni Enem Gabinete do Ministro Acesso à Informação Secretarias Professores / Diretores Estudantes Brasileiros no mundo Pais e familiares Governo Mobilização Social IES Central de conteúdos Vídeos Áudios Publicações Aplicativos Medicina

Hospital gaúcho desenvolve sistema avançado de tomografia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/04/2017 21:26

 

Baixa dose de radiação, menos tempo de exposição e custos menores. É o que diferencia dos modelos tradicionais o moderno sistema de exame tomográfico adotado pelo Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM), no Rio Grande do Sul, hoje referência no Brasil.

 

O sistema foi implantado em 2013, a partir de um projeto chamado CTdBem, idealizado pela equipe de cirurgia buco-maxilar e traumatológica. Tinha por objetivo realizar diagnósticos computadorizados multislice – mais detalhados, de melhor definição e pouca radioatividade – na avaliação dos dentes e ossos da face de pacientes internados.

 

Hoje, ele funciona em outras atividades médicas, graças a um trabalho efetivo de reformulação por diversos especialistas, como físicos, químicos, engenheiros e técnicos de informática. O CTdBem está equipado com computadores de última geração, que incluem impressoras em três dimensões (3D).

 

As imagens podem ser acessadas imediatamente pelas equipes. Se houver a necessidade de um biomodelo (protótipo) para planejamento ou tratamento cirúrgico, ele é confeccionado no laboratório e entregue em 48 horas a um custo reduzido, o que reduz o uso de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

“A imagem final, após a reconstrução em 3D, nos mostra a face do paciente, por exemplo, como se estivéssemos com ela nas mãos”, explica Gustavo Nogaro Dotto, chefe da Unidade de Saúde. “O que é hoje uma realidade no HUSM, de modo que o biomodelo nada mais é que o crânio da pessoa nas mãos do cirurgião, que pode planejar executar o procedimento com muita previsibilidade.”

 

Os planejamentos virtuais, como no caso da correção de deformidades dento-faciais, tornam desnecessário o uso de moldagens em gesso. Pode-se, ainda, construir próteses customizadas a pacientes que perderam algum osso ou órgão – mas com material biocompatível, para não ser rejeitado pelo organismo.

 

Atualmente, no HUSM, praticamente todos os exames tomográficos solicitados na área odontológica, por exemplo, são feitos pelo CTdBem. Considerando que a dose de radiação e os valores são baixos (duas grandes vantagens do sistema), a quantidade de pacientes é muito maior, aproximadamente 20 por semana.

 

O projeto também tem chamado a atenção da comunidade científica internacional. Ele será apresentado, por meio do artigo do professor Dotto – CTdBemUm Novo Protocolo para Dose Ultra Baixa de Radiação por Tomografia Multislice, na MedInfo 2017, Congresso Mundial de Saúde e Informática Biomédica, que será realizado entre 21 e 25 de agosto, na cidade chinesa de Hangzhou.    Desde sua fundação, em 1970, o HUSM é referência em saúde para a região centro gaúcha. A instituição, que conta com o suporte de gestão pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), atua como um hospital-escola, voltado para o desenvolvimento do ensino, pesquisa e assistência em saúde.

 

A Ebserh, estatal vinculada ao Ministério da Educação, administra atualmente 39 hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do SUS, e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

 

O órgão, criado em dezembro de 2011, é ainda responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações em todos os hospitais que integram a rede. Além disso, atua em conjunto com as universidades federais para a gestão de seus respectivos hospitais.

 

Portal MEC