PERFIS DE SUCESSO »

A desenhista das sobrancelhas

Ela largou uma consolidada carreira em administração para trabalhar com micropigmentação e design dessa parte do rosto numa empresa própria. O resultado são 3 mil clientes, três unidades e o título de vencedora de um prêmio do Sebrae

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/05/2017 14:00 / atualizado em 22/05/2017 19:03

 

Beatriz Pereira dos Santos, 38 anos, nasceu em Formosa (GO), mora em Brasília há 20 anos e, desde pequena, percebeu que tinha talento para trabalhar com beleza. “É a minha vocação”, percebe. Por influência da família, no entanto, ela fez faculdade de administração, posteriormente, se especializou em gestão de projetos e em gestão empresarial e seguiu carreira na área. O que não imaginava era que, anos mais tarde, isso a ajudaria a realizar o sonho de trabalhar no mercado de estética. “Eu era gerente financeira da ONG Grupo de Trabalho Amazônico. Era um excelente emprego, com bom salário e status, mas eu estava consciente do que eu realmente queria. Ninguém da minha família era a favor de eu sair da minha área, mas o meu dom e minha vontade falaram mais alto”, conta. Não foi fácil abrir mão de tudo para começar do zero num novo ramo, mas o esforço compensou: hoje, ela é dona de uma empresa com unidades na 115  Norte, em Sobradinho e em Formosa.

 

“Eu queria trabalhar com beleza, mas numa área só, proporcionando um atendimento personalizado. Então escolhi o design de sobrancelha, por gostar e me identificar bastante. Minha especialidade é a micropigmentação”, lembra. O primeiro passo foi investir em capacitação na área — hoje ela tem mais de 20 cursos, feitos no Brasil e em países como México e Estados Unidos, no currículo; sem contar ainda as formações que obteve em biossegurança. A próxima etapa foi abrir um espaço no Grande Colorado para atender clientes. Nascia, assim, há seis anos, a empresa Bia Sanper (saiba mais em www.biasanper.com.br). “A marca é o apelido pelo qual sou conhecida e a junção dos meus dois sobrenomes”, explica. No início, ela trabalhava apenas com sobrancelhas, como microempreendedora individual. A dedicação a cada cliente e a gestão do negócio lhe renderam o título de vencedora dessa categoria no prêmio Mulher de Negócios de 2014, organizado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

 

Gabriela Studart

 

 

“Durante a visita, os técnicos avaliaram a higiene, o cumprimento de normas de vigilância sanitária, a organização financeira e administrativa, o atendimento, a qualificação profissional e a capacidade de permanecer no mercado”, lembra. “A minha formação acadêmica em administração foi um diferencial que me fez dar certo. É fundamental ter uma boa gestão e saber lidar com a burocracia, que é o maior desafio do empreendedor: não basta ter um sonho sem a sabedoria para colocá-lo em prática”, diz. Há alguns anos, o negócio se tornou uma microempresa e Beatriz formou sociedade com a prima Mayara Oliveira, que ficou responsável por outros tipos de serviço na unidade de Sobradinho: limpeza de pele e depilação. Há dois anos, Dejanira Oliveira, tia de Bia, também entrou no negócio. Hoje, a organização tem três funcionárias. “Os outros dois endereços (na Asa Norte e em Formosa) são exclusivos para meus atendimentos de sobrancelhas”, explica Beatriz.

Conquistando o público
Atualmente, não faltam clientes — e, segundo Bia, 90% delas chegam por indicação e, em todos os anos de trabalho, nunca recebeu nenhuma reclamação — mas, no início, foi difícil se firmar no mercado. “Havia muita concorrência dos salões. As pessoas ainda não estavam acostumadas a ter um espaço apenas para isso.” Naquela época, o cuidado com essa parte do rosto também não estava tão na moda. “Hoje, as sobrancelhas estão em alta: cada vez mais, as pessoas prestam atenção a esse detalhe que faz tanta diferença no rosto”, percebe. A popularização da micropigmentação também teve seus efeitos adversos. “Tem muito profissional desqualificado. De cada 10 atendimentos que faço, cinco são de correção de trabalho malfeito”, revela Beatriz.


Arquivo Pessoal

 

 

Cada atendimento dura cerca de duas horas. Os 30 minutos iniciais são de “diagnóstico”, fazendo análise facial e elaborando desenho. Muito mais do que arrancar fios, a designer de sobrancelhas faz uma avaliação completa para decidir o melhor padrão para cada cliente. “É preciso levar em conta a idade, o formato do rosto e outros aspectos”, afirma. “Na micropigmentação, misturo as técnicas fio a fio e com ombré. Hoje, eles estão cada vez mais modernos para deixar uma aparência natural”, diz. Beatriz tem uma cartela de 3 mil clientes e se encanta com as histórias por trás dos atendimentos. “Tem pessoas que, por alguma doença ou outra questão, perderam todos os cabelos e fios corporais. É muito recompensador poder devolver isso a elas”, relata.

 

Entenda a técnica
Processo que implanta pigmentos na pele, como uma tatuagem, para complementar a ausência de fios, definir ou reforçar. Pode ser usada não apenas para sobrancelhas, mas também como maquiagem definitiva nos lábios, por exemplo.