Concursos públicos terão mais vagas em 2018, analisam especialistas

Seleções policias e de tribunais estão entre as que devem sair no ano que vem

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/12/2017 08:00 / atualizado em 03/12/2017 15:46

Breno Fortes/CB/D.A Press

 

Este ano não foi muito propício para concurseiros por causa da contenção de orçamento nas esferas federal e local e da consequente escassez de abertura de certames. A boa notícia é que 2018 promete ser bem mais favorável para quem busca uma vaga na administração pública. Atualmente, há 3.511 vagas autorizadas, em 13 órgãos, à espera do lançamento do edital. Para o ano que vem, está previsa a abertura de 19.898 oportunidades no DF. Já na esfera federal, espera-se que sejam liberados 4.404 postos e criados 6.564 cargos. A sutil recuperação econômica, o possível aumento nos pedidos de aposentadoria e a chance de mais servidores pedirem demissão devido ao PDV (Programa de Desligamento Voluntário) do governo federal são alguns dos motivos para que o próximo ano ofereça bem mais oportunidades.

 

Para o vice-presidente da Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (Anpac), Renato Saraiva, as expectativas são as melhores possíveis. “A previsão é muito boa. Tem muitos servidores se aposentando, até por medo da reforma da Previdência. Então, surgirão vagas”, afirma. Esse também é o ponto de vista de Gabriel Granjero, diretor-presidente e fundador do Gran Cursos Online. “O cenário será muito melhor do que o dos anos anteriores. O governo não conseguirá segurar por muito tempo sem fazer novos certames, pois tem muita gente se aposentando. Além disso, a crise financeira está passando”, argumenta.

 

“Diversas seleções devem ser autorizadas e não adiantará abrir com poucas vagas porque há defasagem em diversos órgãos”, completa. A Lei Orçamentária Anual (LOA) reservou cerca de R$ 550 milhões para concursos e prevê a criação de mais de 6 mil vagas e a contratação de mais de 4 mil servidores. Apesar disso, o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP) informou, por meio de nota enviada pela Assessoria de Comunicação, que “os pedidos dos órgãos serão analisados caso a caso e que só serão liberadas seleções do Executivo Federal quando for comprovada a real necessidade das vagas”.

 

Arthur Lima, professor de raciocínio lógico do Estratégia Concursos, deixa o alerta: “Pode acontecer de estar no orçamento, mas o concurso não acontecer, como ocorreu nos últimos anos com a Câmara e o Senado”. O fato de 2018 ser ano de eleições, segundo Renato Saraiva, não afetará o lançamento de editais nem é empecilho para que as provas sejam realizadas. “Nada impede que os concursos aconteçam, o que não pode é nomear a partir de julho”, explica.

 

Expectativas

Vários órgãos receberam autorização do Ministério do Planejamento para fazer concursos, entre eles Abin (Agência Brasileira de Inteligência), o que já é animador. A LOA não especifica órgãos do Poder Executivo que poderão lançar editais. Mesmo assim, há grande expectativa de que várias entidades sejam contempladas. “Acredito que teremos boas surpresas em unidades como Receita Federal e agências reguladoras”, afirma o professor Arthur Lima. No Poder Judiciário, tribunais são aguardados. “Não teremos concursos na área eleitoral porque o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) suspendeu nomeações,mas os outros tribunais devem disponibilizar vagas”, diz.

 

O professor aposta na abertura de seleções no TJDFT (Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios), pois o último edital vence em 2018. Em outra área muito desejada, a de controle, também há chances de novos certames. “O mais conhecido é o do Tribunal de Contas da União (TCU), que tem grande possibilidade de acontecer. Várias seleções estaduais e municipais e o próprio TCDF (Tribunal de Contas do Distrito Federal), que estava previsto para este ano, também devem ser abertas”, diz. Na esfera do Governo de Brasília, o concurso da Câmara Legislativa, que foi cancelado a partir de irregularidades apontadas pelo TCDF, também ficará para 2018. A Lei de Diretrizes Orçamentárias  (LDO) do DF reserva 88 vagas para o órgão.

 

Carreiras policiais

Segundo Renato Saraiva, vice-presidente da Anpac, a área de segurança deve ter fartura de vagas em 2018, tanto na Polícia Civil quanto na Polícia Militar. “É um ano que promete muitos concursos para delegado e devem sair editais em pelo menos oito estados”, observa. No âmbito do Distrito Federal, o setor também é visado. “Governos gostam de reforçar o quantitativo de policiais no último ano de mandato. A expectativa é de que o concurso da Polícia Militar do Distrito Federal (PM/DF) saia com mais de 2 mil vagas”, afirma o professor Arthur Lima.

 

Orientações para passar

Para quem quer se tornar servidor público, a preparação não deve ser interrompida, nem mesmo durante o fim do ano. De acordo com Renato Saraiva, fundador do Centro Educacional Renato Saraiva (CERS Cursos Online), o concurseiro não pode ter descanso. “A dica é estudar cada vez mais, não esperar o edital sair para isso”, recomenda. O professor de raciocínio lógico Arthur Lima alerta que não é interessante esperar um certame específico sair.


“Não fique preso em um único órgão: pode passar o ano inteiro e ele não abrir vagas. No lugar disso, escolha uma área ou carreira e se prepare para várias provas por meio das matérias em comum”, aconselha. Assim, de acordo com ele, se a aprovação não ocorrer, ao menos a pessoa treinou. “É melhor do que depositar todas as fichas em uma única instituição”, analisa. Graduado em administração e marketing pela New York University, Gabriel Granjero ainda explica que os candidatos não devem se preocupar com a quantidade de vagas. “A pessoa precisa se lembrar de que só precisa de uma para ser aprovada”, conclui.

 
Passo a passo dos estudos

Dicas certeiras após a publicação do edital
1) Priorize a resolução de exercícios da banca do concurso: por meio deles, é possível perceber os assuntos e a forma de cobrança da instituição
2) Procure materiais atualizados e objetivos (ou seja, não muito extensos), assim você ganha tempo e estuda sem enrolação
3) Procure um curso com professores especialistas que poderão te orientar. Se estiver estudando, procure um curso especializado em resolução de exercícios 
4) Dedique pelo menos quatro horas diárias à preparação, de domingo a domingo — se tiver disponibilidade para estudar mais, faça isso
5) Estude até o último momento, lembre-se: a concorrência é muito alta
6) Leia o edital do início ao fim mais de  uma vez, afinal é lá que estão as regras do jogo 
7) Se vencer todo o conteúdo do edital for humanemente impossível, selecione as matérias que priorizará
8) Organize as disciplinas por tópicos
9) Monte um planejamento determinando quantas horas dedicará por dia a cada disciplina 
10) Intercale estudo teórico com resolução de questões
11) Faça simulados para saber analisar quais disciplinas merecem mais atenção, seja pelo número de questões seja pelo nível de dificuldade.
12) É necessário começar a preparação antes de o edital sair e estabelecer um ciclo de estudos composto por disciplinas que devem ser estudadas na ordem em que aparecerem no seu roteiro. A cada dia, comece de onde parou. 
13) Depois da autorização do concurso, geralmente, o edital é publicado em até 180 dias. Então, é preciso intensificar a preparação desde a liberação

Fonte: Carlos Alfana, professor de direito penal do IMP Concursos e policial legislativo no Senado; Gabriel Granjero, diretor-presidente do Gran Cursos Online; e Victor Maia, fundador do QualConcurso e mestre em estatística 

 

* Estagiária sob supervisão de Ana Paula Lisboa