SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

As oportunidades e chances de intercâmbio no Canadá

O Eu, Estudante preparou um miniguia para quem pensa em estudar neste país

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 31/08/2012 18:25 / atualizado em 13/09/2012 13:43

Ana Paula Lisboa/Esp. CB
O Canadá é o principal destino de intercâmbio dos brasileiros. Só em 2011, cerca de 20 mil foram para lá ter este tipo de experiência. A maioria, cerca de 17 mil, foram fazer cursos de inglês ou francês com até três meses de duração. Os outros 3 mil ficaram por períodos maiores, para cursar um semestre ou um ano do ensino médio (high school) ou da faculdade.

A educação é um dos principais pontos de relação entre Brasil e Canadá. Só em abril, foram assinados 75 acordos de cooperação em pesquisa entre universidades canadenses e brasileiras. E com o programa Ciência sem Fronteiras, 12 mil brasileiros irão estudar no Canadá com bolsa até 2015. Além das bolsas do programa do Governo Federal, estudantes de graduação, pós-graduação e de cursos técnicos de institutos federais podem aproveitar outros editais para custear estudos no Canadá.

O sistema de ensino canadense é bem diferente do brasileiro, mas é reconhecido pela qualidade. As universidades e escolas canadenses atraíram mais de 240 mil estudantes internacionais em 2011, especialmente por causa da fama de ensino de exelência. O país não conta com um Ministério da Educação: cada província é responsável pela educação nas escolas e faculdades.

Para esclarecer sobre as opções de intercâmbio e sobre o ensino em terras canadenses, a embaixada do Canadá em Brasília realizou um café da manhã. Com as informações trazidas no evento, o Eu, Estudante traz uma miniguia para quem pensa em estudar no Canadá. Confira!

High school
Apesar de não haver um sistema unificado de educação, a qualidade costuma ser a mesma em todas as áreas do país. O Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos) considera que os alunos de ensino médio canadenses têm desempenho excepcional em ciências, leitura e matemática. Isso comprova a eficiência do sistema, pois mais de 90% dos alunos frequentam colégios públicos.

A vantagem para quem vai fazer metade ou uma série do ensino médio no Canadá é o aproveitamento de estudos. Todas as escolas brasileiras aceitam o currículo canadense e os alunos não perdem nada: quando voltam continuam os estudos no Brasil na série seguinte, ou no próximo semestre da mesma série. Segundo Cláudia Rosa, assessora de promoção educacional da Embaixada do Canadá, é um ponto muito positivo para quem participa do Programa de Avaliação Seriada (PAS) da Universidade de Brasília (UnB). Infelizmente, não existem bolsas para custear estudos de ensino médio no Canadá.

Ensino superior e técnico
No Canadá, não existe vestibular, as universidades selecionam os alunos com base nas notas dos alunos em toda a educação básica. Para os intercambistas acontece o mesmo. Brasileiros têm de enviar histórico escolar dos ensinos fundamental e médio para participar das seleções.

Tecnologia e pesquisa são um dos focos das universidades do país, que oferecem mais de 10 mil programas de graduação e mais de cem de pós-graduação. O Blackberry e outros produtos tecnológicos, por exemplo, foram inventados na Universidade de Waterloo. O foco nas pesquisas colocou quatro universidades canadenses entre as cem melhores do mundo segundo os rankings QS e ARWU (Academic Ranking of World Universities).

Para quem estuda mestrado ou doutorado, uma ótima vantagem do Canadá é ter estudos e pesquisas variados em diversas áreas muito específicas. Depois de um intercâmbio, a maioria das universidades brasileiras faz aproveitamento de estudos das matérias cursadas pelos alunos no Canadá.

Além das universidades, o país tem muitos colleges (centros de ensino técnico). A duração dos cursos varia entre quatro meses e quatro anos. Há vagas para intercâmbios neste tipo de formação também, inclusive com bolsas do Ciência sem Fronteiras.

Cursos de língua
Uma oportunidade para quem quer aprender línguas é fazer um curso de inglês e um de francês. Há escolas que oferecem aulas para todos os níveis, inclusive para quem vai para lá sem saber falar uma palavra do idioma em questão. Além das aulas, a convivência nas ruas é ótima para adquirir fluência.

Eu fui!

Conheça a experiência de João Pedro Carneiro, 20 anos, que cursa relações internacionais no Centro Universitário de Brasília (UniCeub) e morou no Canadá por oito meses. João Pedro ganhou uma bolsa de estudos do Programa Futuros Líderes nas Américas (Elap) e fez um semestre de seu curso, em inglês, na Universidade de Calgary. “Eu já estava interessado em fazer intercâmbio no Canadá, porque tem uma fama muito boa. Eu participei do edital da Elap e a única exigência foi que a universidade tivesse um convênio com o Ceub, então aproveitei”, conta João Pedro.

Em Calgary, o jovem morou com canadenses e estudantes de outros países numa residência da universidade. João Pedro estranhou o modelo das aulas, mas gostou: “Eu tinha só seis horas de aulas por semana, mas, em compensação, tinha que fazer muito trabalho em casa. Deu para aprender muito”. Ele considera que o idioma não foi uma barreira: “Eu falava inglês intermediário, mas, em menos de um mês, já estava falando bem e entendendo tudo. Foi bom não ter muitos brasileiros por lá para que eu fosse obrigado a falar inglês o tempo todo, assim aprendi muito”.

No recesso de aulas, João Pedro viajou por muitas cidades canadenses e foi até Boston, nos Estados Unidos. Depois que as aulas acabaram, ele passou três meses morando com uma família para fazer um curso de francês. “Eu não falava nada de francês e agora tenho um nível avançado”, comemora. Para ele foi uma experiência muito válida: “Tive um aprendizado incomparável e voltei para o Brasil já tendo saudades do Canadá. Com certeza quero voltar para lá um dia”.

Ana Paula Lisboa/Esp. CB
Por que ir?
Ursos polares, muita neve, ski e a típica folhinha seca do inverno são algumas das imagens que vêm à mente das pessoas quando se fala sobre o Canadá. Só que, é claro, este país tem muito mais a oferecer. Celine Dion, Justin Bieber, Jim Carrey e Avril Lavigne são cebebridades canadenses, mas pouco se sabe sobre como vivem as pessoas deste país, conhecidas por serem educadas e cordiais. Apesar de ser o segundo maior país do mundo, a população canadense é menor que a do estado de São Paulo: cerca de 34 milhões de habitantes.

O índice de qualidade de vida está entre os três melhores do mundo, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). As duas áreas - a que fala inglês, e a que fala francês - são totalmente diferentes e parecem nem pertencer ao mesmo país em aspectos como cultura, língua e arquitetura. Esse aspecto multicultural e bilíngue atrai imigrantes do mundo todo que são facilmente incorporados à comunidade local.

Além da facilidade para entrar no país, o custo de vida, consideravelmente mais barato que nos Estados Unidos e na Europa, também é um fator a ser analisado. Para quem faz intercâmbio, há muitas oportunidades de programas de trabalho, estágio e trainee. Basta procurar e pedir um visto

Ambra Dickie, porta-voz da Embaixada do Candá, e Anna-Karine Asselin, chefe da seção política, falam sobre os principais atrativos do Canadá para estudantes. “Assim como o Brasil, o Canadá é um país multicultural. Então, as pessoas são muito calorosas e acolhedores por lá”, explica Ambra. Anna-Karine acrescenta: “O ensino de qualidade e o fato de ser um país bilíngue, em que se pode estudar tanto inglês quanto francês, são aspectos interessantes para os estudantes”.

Ambas concordam que infraestrutura, qualidade de vida, organização e eficiência dos setores burocráticos são outras facilidades encontradas por lá. Para Anna-Karine, as paisagens, bem diferentes das do Brasil, costumam fascinar os brasileiros. “O Canadá é um país enorme e tem uma natureza muito diversificada. O frio pode atrair, especialmente para aqueles que não conhecem a neve”, conta. Ela ressalta, que, apesar dos tempos de inverso serem severos, as cidades são todas equipadas com aquecedores e costumam ter estruturas subterrâneas aquecidas para que não seja preciso andar do lado de fora.

O Canadá está investindo em relações com países em expansão econômica, como China e Índia, com atenção especial para o Brasil. “É interessante criar ligações de longo prazo entre canadenses e brasileiros. Isso cria uma aproximação entre as duas nações, na educação, na economia e em outros aspectos”, explica Ambra Dickie. Anna-Karine destaca que os brasileiros costumam se adaptar muito bem ao Canadá e trazem um investimento ao país. “Os turistas brasileiros são alguns dos que mais gastam em viagens, isso é positivo para o comércio”, disse.

Bolsas de estudo
No site oficial da educação no Canadá, disponível em inglês e francês, há informativos sobre editais de bolsas de estudo, calculadora de mensalidades e custo de vida no Canadá, comparando com outros países, e outras informações. No site você encontra diversas opções de bolsas de estudo.
No site de bolsas canadenses, você encontra muitos editais abertas. Um deles é o Programa Futuros Líderes nas Américas (Elap) que oferece bolsas de intercâmbio para graduação e pós-graduação. Para o nível graduação, é preciso que a universidade brasileira e a universidade canadense tenham acordo de cooperação. Para bolsistas de pós-graduação, isto não é necessário. Outro programa é o Bolsas Canadá Brasil - Projetos Conjuntos de Pesquisa, para realizar pesquisas conjuntas entre instituições brasileiras e canadenses.
No site do Ciência sem Fronteiras, é possível encontrar todos as informações necessárias para quem quer estudar fora com bolsas do governo federal. No nível graduação, há chamadas abertas para as universidades de Alberta, Laval, Dalhousie e Ottawa e para o Canadian Bureau for International Education até 14 de setembro. Para pós-graduação, é possível se inscrever até 27 de setembro.

Feira Imagine estudar no Canadá
Para quem quer saber mais sobre as opções de estudo no Canadá, vai acontecer a feira Imagine estudar no Canadá, organizada pelo governo canadense em três cidades brasileiras. Esta é a segunda edição do evento, que reuniu mais de 4 mil estudantes em São Paulo no ano passado. Para se inscrever, acesse www.imagineestudarnocanada.com.br.

Confira as datas:

Brasília - 25 de setembro, das 16 às 21h, no Centro de Eventos e Convenções Brasil 21 (SHS Quadra 6, Lote 1, Conjunto A)

Recife - 27 de setembro, das 15h às 20h, na Blue Angel Recepções (Rua Benfica, 251, Madalena)

São Paulo - 29 e 30 de setembro, das 14h às 19h, no Frei Caneca Shopping e Convention Center (Rua Frei Caneca, 569, Consolação)

Tags:

publicidade

publicidade