SIGA O
Correio Braziliense

Pesquisadores brasileiros do CsF trabalham nos laboratórios da GlaxoSmithKl

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/10/2012 17:49

 A empresa multinacional do ramo farmacêutico GlaxoSmithKline (GSK) está recebendo  pesquisadores brasileiros para trabalhar em seus laboratórios, pelo período que varia entre doze e vinte e quatro meses, com bolsas de doutorado sanduíche no exterior (SWE) ou de pós-doutorado no exterior (PDE) concedidas pelo Programa Ciência sem Fronteiras.

 

Entre os bolsistas está Rachel Schwanke, que desenvolve pesquisa de forma articulada na unidade de biofarmácia e no projeto antibacteriano, em unidade do Reino Unido da GSK. Alexander Augusto da Silveira e Silvana Terra Silveira foram selecionados para unidades do laboratório nos Estados Unidos, onde desenvolverão pesquisas no âmbito dos projetos sobre HIV e sobre stress, respectivamente.

 

Os pesquisadores brasileiros contribuirão com o desenvolvimento das pesquisas nas unidades da GSK enquanto ganham experiência com processos e metodologias utilizadas na produção de novos medicamentos pela indústria farmacêutica de ponta. Segundo o diretor do Trust in Science da GSK, Isro Gloger, “O principal objetivo do programa Trust in Science é promover parcerias científicas entre a GSK e pesquisadores de institutos de alto nível da América Latina”.

 

“Me sinto satisfeito com este acordo estabelecido com o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), que está permitindo que cientistas brasileiros não só vivenciem a excelente pesquisa cientifica realizada pela GSK, mas contribuam ativamente com ela”, completou o diretor.

 

A GlaxoSmithKline (GSK) é uma companhia farmacêutica multinacional sediada em Londres, no Reino Unido, que fabrica produtos biológicos, medicamentos e vacinas. É considerada a quarta maior empresa farmacêutica do mundo em vendas de medicamentos de prescrição, destacando-se nas áreas respiratória, antiinfecciosa e do sistema nervoso central.

 

O Programas Ciência sem Fronteiras (CsF) visa propiciar a formação de recursos humanos altamente qualificados nas melhores universidades e instituições de pesquisa estrangeiras, com vistas a promover a internacionalização da ciência e tecnologia nacional, estimulando estudos e pesquisas de brasileiros no exterior. O CNPq e a Capes estão em constante negociação com o setor privado para firmar parcerias que promovam a competitividade brasileira.

 

 

 

Assessoria de Comunicação Social do CNPq

 

 

 

 

Tags: