SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Alunos representam o Brasil nos EUA

Estudantes de escolas públicas embarcam amanhã (11) para três semanas nos Estados Unidos dentro do programa Jovens Embaixadores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/01/2013 10:39 / atualizado em 10/01/2013 16:21

Bagagem pronta, inglês na ponta da língua, muito para aprender, mas também muito para ensinar. A brasiliense Yasmin Araújo, 16 anos, é a única representante do Distrito Federal no programa Jovens Embaixadores de 2013 (veja Para saber mais). Neste ano, são 36 selecionados com a chance de conquistar a América. Em solo estrangeiro, Yasmin pretende representar a cidade destacando a modernidade como ponto forte da capital. “Essa característica reflete-se na personalidade do brasiliense e é isso que os americanos precisam conhecer sobre nós”, acredita a estudante.

Monique Renne/CB/D.A Pres.
A viagem está marcada para amanhã, dia 11. Antes disso, os selecionados vieram a Brasília para um treinamento intensivo sobre o Brasil. Ontem (9), foram recebidos no Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur) e, hoje, a embaixada norte-americana abre as portas para 600 brasileiros que devem embarcar para os Estados Unidos em intercâmbios culturais e educacionais. Entre eles, os jovens embaixadores.

Durante as três semanas de viagem, eles vão morar com famílias hospedeiras e visitarão também a cidade de Washington. Na mala, Yasmin empacotou algumas peças de artesanato e fotos da arquitetura brasiliense. A jovem estuda no Centro de Ensino Médio Escola Industrial de Taguatinga (Cemeit) e sempre sonhou em conhecer os Estados Unidos. Ela vê na oportunidade uma chance de ampliar os horizontes. “Não é porque estudo em escola pública que não tenho capacidade de chegar longe”, argumenta.

Os 37 jovens foram selecionados entre 16.500 inscritos em todo o Brasil; 716 eram do DF. Para participar, tiveram de provar bom desempenho na escola, nível satisfatório de inglês e engajamento em atividades voluntárias e projetos sociais. “São líderes agora e serão os líderes do futuro”, prevê um dos coordenadores do programa, Jeffrey Lodermeier. “Estamos plantando uma semente, construindo uma ponte”, acrescenta o diretor do Espaço Educacional Educare, organização não governamental parceira no programa.

Visão de mundo

Derrubar os preconceitos e estereótipos brasileiros é a meta de Fábio Araújo, 18 anos. Morador de Vilhena, no interior de Rondônia, o estudante sabe o que é isso. “Nem os brasileiros conhecem Rondônia. Acham que lá só existe selva, macaco, rio e índio. Lá fora, o problema é ainda maior”, aposta ele. De acordo com Fábio, o jovem brasileiro deve se responsabilizar pela imagem que imprime no exterior. “Se queremos parecer modernos, precisamos ser modernos, mas valorizando nossas tradições. Estou levando experiências que traduzem isso.”

A paulistana Juliana Campos, 25, é veterana no Jovens Embaixadores. Trabalhando atualmente em Brasília, ela aproveitou para aconselhar os calouros sobre o intercâmbio. Diz que, quando viajou, os americanos sabiam muito pouco sobre o Brasil e lhe perguntavam se os brasileiros viviam em árvores, se tinham computadores em casa ou se falavam espanhol. “Isso não existe mais. Os Estados Unidos mudaram porque o Brasil mudou. O país que eles vão encontrar é diferente do que eu encontrei quando viajei”, acredita ela. Para Juliana, o mais importante é chegar lá sem preconceitos. “Não somos melhores nem piores que eles, só somos diferentes”, resume.

Depois de integrar a equipe em 2004, Juliana reconhece que a visão sobre o mundo mudou: “É impressionante como amadurecemos em três semanas. Eu me senti no centro do mundo. Voltei com a autoestima renovada”. Formada no ensino médio em uma escola pública de São Paulo, a jovem superou as dificuldades e conseguiu ser aprovada no vestibular da Universidade de São Paulo (USP).

Monique Renne/CB/D.A Pres.


Para saber mais

Começou no Brasil
O programa é desenvolvido pela Embaixada dos Estados Unidos desde 2002. Com projeto pioneiro no Brasil, atualmente atende outros países da América Latina. Para participar, o jovem precisa cursar o ensino médio em uma escola pública, desenvolver algum trabalho social, ser fluente em inglês e nunca ter viajado para os Estados Unidos. Desde a primeira edição, 294 brasileiros embarcaram para o intercâmbio educacional e cultural. O programa ainda prevê visitas à Casa Branca. Mais informações em
www.jovensembaixadores.org/2013/.

Tags:

publicidade

publicidade