SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Intercâmbio

Alunas brasileiras participam de programa da Embaixada dos EUA

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/03/2013 10:20

Para incentivar meninas brasileiras a seguir carreira científica, a Embaixada dos Estados Unidos desenvolveu o programa Science Camp — Elas nas Ciências. O projeto é resultado da parceria entre Brasil e EUA em ciência e tecnologia e reunirá 90 adolescentes do ensino médio em uma série de atividades entre amanhã e 8 de março em Manaus. A programação começa hoje, com a abertura oficial, às 10h45, na sede do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em Brasília, e se encerra no Dia Internacional da Mulher na capital do Amazonas.

As meninas, entre 16 e 18 anos, são de escolas públicas de diferentes regiões do país. Há representantes de todos as unidades da Federação, sendo cinco do Distrito Federal. Segundo Susan Bell, adida cultural da Embaixada dos EUA, a seleção levou em conta a idade, o rendimento escolar (principalmente na área de exatas), o interesse e a participação em projetos de instituições parceiras, como o Jovens Embaixadores.

Susan explica que a ideia surgiu dela e de outras duas colegas da embaixada que perceberam o interesse de algumas jovens em desenvolver atividades científicas na prática. “Trabalhamos com o programa nos últimos seis meses. A intenção é mostrar também que as carreiras acadêmicas têm papel importante no comércio internacional. Estudar esse campo gera muitas oportunidades. E as meninas nessa etapa (do ensino médio) estão decidindo o futuro”, ressalta.

Sem fronteiras
Durante os quatro dias, as participantes vão assistir a palestras e interagir com mulheres líderes do setor privado e cientistas e pesquisadores renomados. Haverá um networking com as companhias da Zona Franca de Manaus para abordar a importância da ciência. A Coca-Cola, por exemplo, fará uma conferência sobre reciclagem e explicará os esforços e incentivos na contratação de mulheres. As atividades práticas serão monitoradas e envolverão as áreas de ciência, tecnologia e inovação. No último dia, elas devem apresentar um projeto de autoria própria.

A iniciativa da embaixada está aliada ao programa federal brasileiro Ciência sem Fronteiras e conta com o envolvimento do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa). Referência mundial em biologia tropical, o Inpa realiza estudos científicos do meio físico e das condições de vida da região amazônica desde 1954, quando foi instituído. O instituto tem como prerrogativas promover o bem-estar humano e o desenvolvimento socioeconômico regional. Por muitos anos, ele fez levantamentos e inventários de fauna e de flora. Atualmente, o desafio é expandir de forma sustentável o uso dos recursos naturais da Amazônia.

Entre os três sítios de pesquisa e de experimentação do Inpa, está a reserva florestal Adolpho Ducke, que será visitada pelo grupo de adolescentes. Situada próxima a Manaus, ela ocupa uma área de 100km² e é considerada a maior reserva da Amazônia de fácil acesso. Com a flora e a fauna relativamente intactas, ela está ligada ao instituto de pesquisa, cujo trabalho tem reconhecimento internacional e é uma referência para programas de pós-graduação. A adida cultural Susan Bell não confirma uma segunda edição do projeto, mas acredita nos bons resultados. “Sabíamos que era uma ideia boa, mas não esperávamos a ótima reação do governo, das empresas, dos pesquisadores e das meninas. Vamos ver como vai ser esta edição, mas espero que possamos fazer uma segunda.”

 

Tags:

publicidade

publicidade